Banco de Imagens

Povoamento, Descrição Física e Fotografias

Pesquisa

Categorias de Imagens

Trompa de caça de aparato ou olifante com as armas de Portugal, oficina sapi-portuguesa da Serra Leoa, 1490 a 1530 (c.), Estados Unidos da América.

Trompa de caça de aparato ou olifante com as armas de Portugal. Marfim de elefante esculpido. Oficina sapi-portuguesa da Serra Leoa, 1490 a 1530 (c.). Colação privada. Pub por Ezio Bassani and William B. Fagg, Africa and the Renaissance: Art in Ivory, New York 1988, Estados Unidos da América. Este grupo de peças tem sido atribuído às oficinas da Serra Leoa com base no relatório de 1506/10 do informador e editor Valentim Fernandes (c. 1450-1519), conhecido pelo manuscrito deste impressor, Códice da Biblioteca de Munique ou Relação de Diogo Gomes, que forneceu os dados, onde se escreveu que os habitantes […]

Olifante ou trompa de aparato sapi-portuguesa com Cruz de Cristo do Museu Nacional da Renascença, 1520 (c.), castelo de Ecouen, França

Trompa de aparato ou olifante com Cruz de Cristo. Marfim de elefante esculpido, 49 cm. Oficina sapi-portuguesa da Serra Leoa, 1490 a 1530, talvez 1520 (c.). Castelo de Ecouen, Museu Nacional da Renascença (ECL1859), Ecouen, França. Este grupo de peças tem sido atribuído às oficinas da Serra Leoa com base no relatório de 1506/10 do informador e editor Valentim Fernandes (c. 1450-1519), conhecido pelo manuscrito deste impressor, Códice da Biblioteca de Munique ou Relação de Diogo Gomes, que forneceu os dados, onde se escreveu que os habitantes desta área possuíam especial talento manual para a execução de saleiros de marfim […]

Olifante ou trompa de caça de aparato sapi-portuguesa do Musée du quai Branly de Paris, Serra Leoa, 1520 (c.), França.

Trompa de aparato ou olifante. Marfim de elefante esculpido, . Oficina sapi-portuguesa da Serra Leoa, 1490 a 1530, talvez 1520 (c.). Fotografia de Sailko, 2016 Musée du quai Branly, Jacques Chirac (No 71.1933.6.1 D), Paris, França. Este grupo de peças tem sido atribuído às oficinas da Serra Leoa com base no relatório de 1506/10 do informador e editor Valentim Fernandes (c. 1450-1519), conhecido pelo manuscrito deste impressor, Códice da Biblioteca de Munique ou Relação de Diogo Gomes, que forneceu os dados, onde se escreveu que os habitantes desta área possuíam especial talento manual para a execução de saleiros de marfim […]

Olifante ou trompa de caça de aparato sapi-portuguesa com as armas de Portugal do Museu e Armaria Real de Turim, Serra Leoa, 1520 (c.), Itália.

Olifante. Trompa de caça de aparato com as armas de Portugal. Marfim de elefante entalhado, 63 cm. Oficina sapi-portuguesa da Serra Leoa, 1495-1521, 1520 (c.). Proveniente do Museu de Antiguidades da Universidade de Turim e das coleções do palácio Ducal Fotografia de Ernani Orcorte Museu e Armaria Real de Turim, Itália. Este grupo de peças tem sido atribuído às oficinas da Serra Leoa com base no relatório de 1506/10 do informador e editor Valentim Fernandes (c. 1450-1519), conhecido pelo manuscrito deste impressor, Códice da Biblioteca de Munique ou Relação de Diogo Gomes, que forneceu os dados, onde se escreveu que […]

Olifante ou trompa de caça de aparato sapi-portuguesa com as armas de Portugal do Museu e Armaria Real de Turim, Serra Leoa, 1520 (c.), Itália.

Olifante. Trompa de caça de aparato com as armas de Portugal. Marfim de elefante entalhado, 63 cm. Oficina sapi-portuguesa da Serra Leoa, 1495-1521, 1520 (c.). Proveniente do Museu de Antiguidades da Universidade de Turim e das coleções do palácio Ducal Fotografia de Ernani Orcorte Museu e Armaria Real de Turim, Itália. Este grupo de peças tem sido atribuído às oficinas da Serra Leoa com base no relatório de 1506/10 do informador e editor Valentim Fernandes (c. 1450-1519), conhecido pelo manuscrito deste impressor, Códice da Biblioteca de Munique ou Relação de Diogo Gomes, que forneceu os dados, onde se escreveu que […]

Olifante ou trompa de caça de aparato bini-portuguesa do museu Luigi Pigorini, Benim, 1520 (c.), Roma, Itália.

Olifante. Trompa de caça de aparato. Marfim de elefante entalhado, . Oficina bini-portuguesa do Benim, 1520 (c.). Museu Nazionale Preistorico Etnográfico, Pigorini, Museu Pré-histórico e Etnográfico Luigi Pigorini, Roma, Itália. Até à data, ao que saibamos, foram registadas pelo menos 41 trompas de marfim sapi e bini-portuguesas, assim como 63 saleiros – completos ou fragmentados – 3 pixides, 3 punhais ou cabos de punhais, 8 colheres e 3 garfos, todos eles da autoria dos escultores do Benim e da Serra Leoa, também provavelmente responsáveis pelas figuras de pedra ditas nomolis, mas numa outra qualidade.

Olifante ou trompa de caça bini-portuguesa da coleção Jorge Welsh, 1500 (c.), Lisboa/Londres, Portugal

Olifante ou trompa de caça Marfim de elefante esculpido. Oficina bini-portuguesa do Benim (?), 1500 (c.) Brasão real de Portugal. Proveniente do leilão de dezembro de 2006, Palácio do Correio Velho. Adquirido por Jorge Welsh, Lisboa/Londres, Portugal. Até à data, ao que saibamos, foram registadas pelo menos 41 trompas de marfim sapi e bini-portuguesas, assim como 63 saleiros – completos ou fragmentados – 3 pixides, 3 punhais ou cabos de punhais, 8 colheres e 3 garfos, todos eles da autoria dos escultores do Benim e da Serra Leoa, também provavelmente responsáveis pelas figuras de pedra ditas nomolis, mas numa outra […]

Olifante ou trompa de caça de aparato da Christie’s, Paris, 2014, Benim, 1475 a 1525 (c.), França

Olifante ou trompa de caça de aparato Oliphant, sapi- portugueese hunting tusk Marfim de elefante esculpido, 34 cm. Oficina bini-portuguesa de Benim, 1475 a 1525 (c.) Brasão com espada sumariamente representada. Leilão Christie’s, Paris, Arts d’Afrique, d’Océanie et de lÁmerique du Nort,  11 de dezembro de 2014, lote 138, avaliado entre 100.000 e 150.000 euros, vendido por 163.500 euros. Peça proveniente de coleção privada de França.

Fragmento de saleiro bini-português, Museu Nacional de Arte Africana, Benim, 1550 (c.), Washington D.C., Estados Unidos da América.

Fragmento de saleiro bini-português. Com militar com capacete do tipo morrião Marfim de elefante entalhado, 10.2 x 7.6 x 7.6 cm. Oficina bini-portuguesa, 1550 (c.) Benim, Nigéria. Proveniente da coleção de David Litton Cobbold, 2nd Baron Cobbold (14 jul. 1937-9 maio 2022), Inglaterra, até 1974, quando passou à de Paul e Ruth Tishman  (1900–1996) (Ruth Worms, 1905-1999), Nova Iorque e, em 2005, à  Walt Disney World co., que integrou o NMAfA. Museu Nacional de Arte Africana (The Walt Disney Company, 2005-6-36), Washington D.C., Estados Unidos da América. Peça que, aparentemente, pode não ter sido terminada, pois apresentar um anjo totalmente […]

Pormenor das Armas de Portugal do olifante sapi-português do National Museum of African Art, Washington, Serra Leoa, 1495 a 1525, Washington D.C., Estados Unidos da América.

Pormenor das armas de Portugal do olifante do NMAfA. Hunting horn ou trompa de caça com as armas de D. Manuel I (1469-1521) e dos Reis Católicos. Marfim entalhado, 64,2 x 16,4 x 9 cm. Oficina sapi-portuguesa, 1495 a 1525. Serra Leoa Fotografia de Franko Khoury, 16 de fevereiro de 2006, National Museum of African Art, Smithsonian Institution para Walt Disney-Tishman Collection. Museu Nacional de Arte Africana (The Walt Disney Company, 2005-6-9), Washington D.C., Estados Unidos da América. Ostentando as armas de D. Manuel I, com a Cruz de Cristo, as esferas armilares e a divisa ALEU, que significa alodial, […]

Pormenor da Esfera Armilar do olifante sapi-português do National Museum of African Art, Washington, Serra Leoa, 1495 a 1525, Washington D.C., Estados Unidos da América.

Pormenor da Esfera Armilar com anjo-tenente do olifante do NMAfA. Hunting horn ou trompa de caça com as armas de D. Manuel I (1469-1521) e dos Reis Católicos. Marfim entalhado, 64,2 x 16,4 x 9 cm. Oficina sapi-portuguesa, 1495 a 1525. Serra Leoa Fotografia de Franko Khoury, 16 de fevereiro de 2006, National Museum of African Art, Smithsonian Institution para Walt Disney-Tishman Collection. Museu Nacional de Arte Africana (The Walt Disney Company, 2005-6-9), Washington D.C., Estados Unidos da América. Ostentando as armas de D. Manuel I, com a Cruz de Cristo, as esferas armilares e a divisa ALEU, que significa […]

Pormenor da Cruz de Cristo do olifante sapi-português do National Museum of African Art, Washington, Serra Leoa, 1495 a 1525, Washington D.C., Estados Unidos da América.

Pormenor da Cruz de Cristo do olifante do NMAfA. Hunting horn ou trompa de caça com as armas de D. Manuel I (1469-1521) e dos Reis Católicos. Marfim entalhado, 64,2 x 16,4 x 9 cm. Oficina sapi-portuguesa, 1495 a 1525. Serra Leoa Fotografia de Franko Khoury, 16 de fevereiro de 2006, National Museum of African Art, Smithsonian Institution para Walt Disney-Tishman Collection. Museu Nacional de Arte Africana (The Walt Disney Company, 2005-6-9), Washington D.C., Estados Unidos da América. Ostentando as armas de D. Manuel I, com a Cruz de Cristo, as esferas armilares e a divisa ALEU, que significa alodial, […]

Pormenor do Bom Pastor do olifante sapi-português do National Museum of African Art, Washington, Serra Leoa, 1495 a 1525, Washington D.C., Estados Unidos da América.

Pormenor do Bom Pastor do olifante do NMAfA. Hunting horn ou trompa de caça com as armas de D. Manuel I (1469-1521) e dos Reis Católicos. Marfim entalhado, 64,2 x 16,4 x 9 cm. Oficina sapi-portuguesa, 1495 a 1525. Serra Leoa Fotografia de Franko Khoury, 16 de fevereiro de 2006, National Museum of African Art, Smithsonian Institution para Walt Disney-Tishman Collection. Museu Nacional de Arte Africana (The Walt Disney Company, 2005-6-9), Washington D.C., Estados Unidos da América. Ostentando as armas de D. Manuel I, com a Cruz de Cristo, as esferas armilares e a divisa ALEU, que significa alodial, ou […]

Pormenor das armas de Castela e Aragão do olifante sapi-português do National Museum of African Art, Washington, Serra Leoa, 1495 a 1525, Washington D.C., Estados Unidos da América.

Pormenor das armas de Aragão e Castela do olifante do NMAfA. TANTO MONTA Hunting horn ou trompa de caça com as armas de D. Manuel I (1469-1521) e dos Reis Católicos. Marfim entalhado, 64,2 x 16,4 x 9 cm. Oficina sapi-portuguesa, 1495 a 1525. Serra Leoa Fotografia de Franko Khoury, 16 de fevereiro de 2006, National Museum of African Art, Smithsonian Institution para Walt Disney-Tishman Collection. Museu Nacional de Arte Africana (The Walt Disney Company, 2005-6-9), Washington D.C., Estados Unidos da América. Ostentando as armas de D. Manuel I, com a Cruz de Cristo, as esferas armilares e a divisa […]

Pormenor do olifante sapi-português do National Museum of African Art, Washington, Serra Leoa, 1495 a 1525, Washington D.C., Estados Unidos da América.

Pormenor da legenda intermédia do olifante do NMAfA. Rey Hunting horn ou trompa de caça com as armas de D. Manuel I (1469-1521) e dos Reis Católicos. Marfim entalhado, 64,2 x 16,4 x 9 cm. Oficina sapi-portuguesa, 1495 a 1525. Serra Leoa Fotografia de Franko Khoury, 16 de fevereiro de 2006, National Museum of African Art, Smithsonian Institution para Walt Disney-Tishman Collection. Museu Nacional de Arte Africana (The Walt Disney Company, 2005-6-9), Washington D.C., Estados Unidos da América. Ostentando as armas de D. Manuel I, com a Cruz de Cristo, as esferas armilares e a divisa ALEU, que significa alodial, […]

Olifante sapi-português do National Museum of African Art, Washington, Serra Leoa, 1495 a 1525, Washington D.C., Estados Unidos da América.

Olifante. Hunting horn Trompa de caça com as armas de D. Manuel I (1469-1521) e dos Reis Católicos. Marfim entalhado, 64,2 x 16,4 x 9 cm. Oficina sapi-portuguesa ou bini-portuguesa, 1495 a 1525. Serra Leoa Fotografia de Catface3, 7 de junho de 2007. Museu Nacional de Arte Africana (The Walt Disney Company, 2005-6-9), Washington D.C., Estados Unidos da América. Ostentando as armas de D. Manuel I, com a Cruz de Cristo, as esferas armilares e a divisa ALEU, que significa alodial, ou seja com propriedade anterior, foi uma das divisas utilizadas pela Casa de Avis e seus diretos colaboradores, como […]

Olifante sapi-português do National Museum of African Art, Washington, Serra Leoa, 1495 a 1525, Washington D.C., Estados Unidos da América.

Olifante. Hunting horn Trompa de caça com as armas de D. Manuel I (1469-1521) e dos Reis Católicos. Marfim de elefante entalhado, Oficina sapi-portuguesa ou bini-portuguesa, 1495 a 1525. Serra Leoa Fotografia de Franko Khoury, 16 de fevereiro de 2006, National Museum of African Art, Smithsonian Institution para Walt Disney-Tishman Collection. Museu Nacional de Arte Africana (NMAfA, 2005-6-9), Washington D.C., Estados Unidos da América. Ostentando as armas de D. Manuel I, com a Cruz de Cristo, as esferas armilares e a divisa ALEU, que significa alodial, ou seja com propriedade anterior, foi uma das divisas utilizadas pela Casa de Avis […]

Ilustração de Bernardo Marques da revista Panorama, Revista Portuguesa de Arte e Turismo, Número 8, Ano V, Lisboa, abril de 1942, Portugal

Ilustração de Bernardo Marques (1898-1962) Capa da revista Panorama, Revista Portuguesa de Arte e Turismo, Número 8, Ano V, Lisboa, abril de 1942, Portugal Bernardo Loureiro Marques (1898-1962). Nascido em Silves, foi um artista fundamental, renovador da tradição da ilustração e do desenho, com uma atividade diversificada que se estendeu da direção gráfica de destacados periódicos, à realização de capas para diversas publicações e criação de cenários e figurinos para espetáculos de dança e de teatro. Teve exposição retrospetiva no Museu do Chiado e no Centro de Arte Moderna da Fundação Calouste Gulbenkian em 1998 / 1999.

Tocador de gaita-de-foles, Paulo Ferreira, revista Panorama, Revista Portuguesa de Arte e Turismo, Número 7, Ano V, Lisboa, março de 1942, Portugal

Tocador de gaita-de-foles Ilustração de Paulo Ferreira (1911-1999), 1942. Capa da revista Panorama, Revista Portuguesa de Arte e Turismo, Número 7, Ano V, Lisboa, março de 1942, Portugal Paulo Ferreira (1911-1999), Paolo, foi pintor, decorador e ilustrador, integrando-se na segunda geração dos pintores modernistas portugueses, já no quadro do Estado Novo. Apresentou os seus primeiros trabalhos em 1921 e, em 1928, esteve em Madrid, iniciando-se depois como ilustrador em vários periódicos, em Lisboa. Em 1940 foi um dos fundadores e principal cenógrafo da companhia Bailados Portugueses Verde Gaio, da iniciativa de António Ferro (1895-1956), então diretor do Secretariado de Propaganda […]

Olifante ou trompa de caça de aparato sapi-portuguesa da Galeria Nacional da Austrália, em Canberra, 1498 (c.), Austrália.

Olifante. Face com as armas de Portugal, a esfera armilar  e a divisa ALEU utilizada pelo rei D. Manuel I (1469-1521) Na oura face com as armas de Castela e de Aragão e a divisa TANTO MONTA utilizada pelos Reis Católicos Marfim de elefante entalhado, 71 x 10,5 cm. Oficina sapi-portuguesa ou bini-portuguesa, 1495 a 1525, 1498 (c.). Serra Leoa ou Benim Proveniente da galeria Entwistle de Paris, França, que a vendeu, em novembro de 1978 Galeria Nacional da Austrália (Ass. N.º 79.2148.A-B), em Canberra, Austrália. A ficha de Canberra é bem mais convincente, mantendo a tradicional atribuição de haver […]

Olifante ou trompa de caça de aparato sapi-portuguesa da Galeria Nacional da Austrália, em Canberra, 1500 (c.), Austrália.

Olifante. Face com as armas de Castela e de Aragão e a divisa TANTO MONTA utilizada pelos Reis Católicos Marfim de elefante entalhado, 71 x 10,5 cm. Oficina sapi-portuguesa ou bini-portuguesa, 1495 a 1525, 1500 (c.). Serra Leoa ou Benim Proveniente da galeria Entwistle de Paris, França, que a vendeu, em novembro de 1978 Galeria Nacional da Austrália (Ass. N.º 79.2148.A-B), em Canberra, Austrália. A ficha de Canberra é bem mais convincente, mantendo a tradicional atribuição de haver pertencido a Fernando II (1452–1516), o Católico, rei de Aragão, Sicília e Nápoles e a Isabel, a Católica (1451–1504), rainha de Castela […]

Olifante ou trompa de caça de aparato sapi-portuguesa da Galeria Nacional da Austrália, em Canberra, 1500 (c.), Austrália.

Olifante ou trompa de caça de aparato. Marfim de elefante entalhado, 71 x 10,5 cm. Oficina sapi-portuguesa, 1495 a 1525, 1500 (c.). Serra Leoa Dada como tendo pertencido a Fernando II (1452–1516), rei de Aragão, Sicília e Nápoles e a Isabel, a Católica (1451–1504), rainha de Castela e Leão, depois ao neto Carlos V (1500–1566) e ao bisneto Filipe II (1527–1598) de Castela, passando depois a George Ashby (1539-1618) e descendentes. Não se entende, nem bem a articulação dos mesmos, nem a base documental, para a hipótese de ter ido com Filipe II para Inglaterra, em princípio, quando se casou […]

Trompa de caça ou olifante, Mangbetu, 1800 (c.), República Democrática do Congo, vendida na Suíça

Olifante, Mangbetu. Marfim esculpido, adaptado a instrumento de sopro, 91 cm. Artífice Kongo, etnia Mangbetu, 1800 (c.). Leilão Hammer Auktionen, Zurique, 21 de maio de 2016, lote 228, vendido por 2,432 CHF República Democrática do Congo, Kongo.

Trompa de caça ou olifante, Mangbetu, 1800 (c.), República Democrática do Congo, vendida na Suíça

Olifante, Mangbetu. Marfim esculpido, adaptado a instrumento de sopro, 91 cm. Artífice Kongo, etnia Mangbetu, 1800 (c.). Leilão Hammer Auktionen, Zurique, 21 de maio de 2016, lote 228, vendido por 2,432 CHF República Democrática do Congo, Kongo.

Trompa de caça ou olifante, Mangbetu, 1800 (c.), República Democrática do Congo, vendida na Suíça

Olifante, Mangbetu. Marfim esculpido, adaptado a instrumento de sopro, 91 cm. Artífice Kongo, etnia Mangbetu, 1800 (c.). Leilão Hammer Auktionen, Zurique, 21 de maio de 2016, lote 228, vendido por 2,432 CHF República Democrática do Congo, Kongo.

Pormenor da trompa ou flauta com as armas portugueses do British Museum, oficina bini-portuguesa do Benim, 1525 a 1600, 1530 (c.), Londres, Inglaterra

Pormenor da trompa ou flauta com as armas portugueses e flautista. Marfim de elefante, 39.40 x 6,5 cm. Oficina bini-portuguesa do Benim, 1525 a 1600, 1530 (c.) Proveniente de aquisição de Harry Geoffrey Beasley (1881-1939) em Copenhaga, a 26 de agosto de 1924 e adquirida depois à mulher e prima, Irene Marguerite Beasley (1882-1974) para o Museu em 1959 The British Museum (Af1959,14.2), Londres, Inglaterra.

Trompa ou flauta com as armas portugueses do British Museum, oficina bini-portuguesa do Benim, 1525 a 1600, 1530 (c.), Londres, Inglaterra

Trompa ou flauta com as armas portugueses . Marfim de elefante, 39.40 x 6,5 cm. Oficina bini-portuguesa do Benim, 1525 a 1600, 1530 (c.) Proveniente de aquisição de Harry Geoffrey Beasley (1881-1939) em Copenhaga, a 26 de agosto de 1924 e adquirida depois à mulher e prima, Irene Marguerite Beasley (1882-1974) para o Museu em 1959 The British Museum (Af1959,14.2), Londres, Inglaterra.

Pormenor do remate do saleiro de oficina bini-portuguesa da galeria Entwistle de Paris, Benim, 1525 a 1600, França.

Pormenor da nau do remate do saleiro com portugueses do Benim. Marfim de elefante, 29.30 x 11 cm. Oficina bini-portuguesa, 1525 a 1600, 1550 (c.) Vendido em 2018 ao Musee du quai Branly, Jacques Chirac, em Paris e, em 2019, cedido temporariamente ao Louvre de Abu Dahbi Galeria Entwistle de Paris, França. Exemplar semelhante, com cavaleiro de barbas com um colar com cruz e com remate com representação de nau com cesto de gávea existe também na coleção do British Museum (Af1878,1101.48.a-c), Londres, Inglaterra , tal como um fragmento (Af1879,0701.1), como no Museu Nacional de Arte Antiga de Lisboa e no […]

Saleiro de oficina bini-portuguesa da galeria Entwistle de Paris, Benim, 1525 a 1600, França.

Saleiro com portugueses e rematado por nau. Marfim de elefante, 29.30 x 11 cm. Oficina bini-portuguesa do Benim, 1525 a 1600, 1550 (c.) Vendido em 2018 ao Musee du quai Branly, Jacques Chirac, em Paris e, em 2019, cedido temporariamente ao Louvre de Abu Dahbi Galeria Entwistle de Paris, França. Exemplar semelhante, com cavaleiro de barbas com um colar com cruz e com remate com representação de nau com cesto de gávea existe também na coleção do British Museum (Af1878,1101.48.a-c), Londres, Inglaterra , tal como um fragmento (Af1879,0701.1), como no Museu Nacional de Arte Antiga de Lisboa e no Museu […]

Saleiro de oficina bini-portuguesa da galeria Entwistle de Paris, Benim, 1525 a 1600, França.

Saleiro com portugueses e rematado por nau. Marfim de elefante, 29.30 x 11 cm. Oficina bini-portuguesa do Benim, 1525 a 1600, 1550 (c.) Vendido em 2018 ao Musee du quai Branly, Jacques Chirac, em Paris e, em 2019, cedido temporariamente ao Louvre de Abu Dahbi Galeria Entwistle de Paris, França. Exemplar semelhante, com cavaleiro de barbas com um colar com cruz e com remate com representação de nau com cesto de gávea existe também na coleção do British Museum (Af1878,1101.48.a-c), Londres, Inglaterra , tal como um fragmento (Af1879,0701.1), como no Museu Nacional de Arte Antiga de Lisboa e no Museu […]

Saleiro de oficina bini-portuguesa do Benim do British Museum, Benim, 1525 a 1600, Londres, Inglaterra.

Saleiro com portugueses e rematado por nau. Marfim de elefante, 29.30 x 11 cm. Oficina bini-portuguesa do Benim, 1525 a 1600, 1550 (c.) Proveniente da coleção de Sir Samuel Rush Meyrick (1783-1848), adquirida ao primo, tenente-general Augustus William Henry Meyrick (1819-1891), em 1878 British Museum (Af1878,1101.48.a-c), Londres, Inglaterra. Exemplar semelhante, com cavaleiro de barbas com um colar com cruz e com remate com representação de nau com cesto de gávea existe também na coleção do Musee du quai Branly, Jacques Chirac, em Paris, proveniente de aquisição na galeria Entwistle de Paris, em 2018 e, em 2019, cedido temporariamente ao Louvre […]

Saleiro de oficina bini-portuguesa do Benim do British Museum, Benim, 1525 a 1600, Londres, Inglaterra.

Saleiro com portugueses e rematado por nau. Marfim de elefante, 29.30 x 11 cm. Oficina bini-portuguesa do Benim, 1525 a 1600, 1550 (c.) Proveniente da coleção de Sir Samuel Rush Meyrick (1783-1848), adquirida ao primo, tenente-general Augustus William Henry Meyrick (1819-1891), em 1878 British Museum (Af1878,1101.48.a-c), Londres, Inglaterra. Exemplar semelhante, com cavaleiro de barbas com um colar com cruz e com remate com representação de nau com cesto de gávea existe também na coleção do Musee du quai Branly, Jacques Chirac, em Paris, proveniente de aquisição na galeria Entwistle de Paris, em 2018 e, em 2019, cedido temporariamente ao Louvre […]

Saleiro de oficina bini-portuguesa do Benim do British Museum, Benim, 1525 a 1600, Londres, Inglaterra.

Saleiro com portugueses e rematado por nau. Marfim de elefante, 29.30 x 11 cm. Oficina bini-portuguesa do Benim, 1525 a 1600, 1550 (c.) Proveniente da coleção de Sir Samuel Rush Meyrick (1783-1848), adquirida ao primo, tenente-general Augustus William Henry Meyrick (1819-1891), em 1878 British Museum (Af1878,1101.48.a-c), Londres, Inglaterra. Exemplar semelhante, com cavaleiro de barbas com um colar com cruz e com remate com representação de nau com cesto de gávea existe também na coleção do Musee du quai Branly, Jacques Chirac, em Paris, proveniente de aquisição na galeria Entwistle de Paris, em 2018 e, em 2019, cedido temporariamente ao Louvre […]

Saleiro de oficina bini-portuguesa do Benim do British Museum, Benim, 1525 a 1600, Londres, Inglaterra.

Saleiro com portugueses e rematado por nau. Marfim de elefante, 29.30 x 11 cm. Oficina bini-portuguesa do Benim, 1525 a 1600, 1550 (c.) Proveniente da coleção de Sir Samuel Rush Meyrick (1783-1848), adquirida ao primo, tenente-general Augustus William Henry Meyrick (1819-1891), em 1878 British Museum (Af1878,1101.48.a-c), Londres, Inglaterra. Exemplar semelhante, com cavaleiro de barbas com um colar com cruz e com remate com representação de nau com cesto de gávea existe também na coleção do Musee du quai Branly, Jacques Chirac, em Paris, proveniente de aquisição na galeria Entwistle de Paris, em 2018 e, em 2019, cedido temporariamente ao Louvre […]

Saleiro com cavaleiros portugueses do Museu Nacional da Dinamarca, Benim, 1525 (c.), Dinamarca

Saleiro com cavaleiros portugueses. Marfim de elefante esculpido. Oficina bini-portuguesa do Benim, 1525 (c.). Nationalmuseet i Kobenhavn Nationalmuseet i København Etnografisk Samling Museu Nacional da Dinamarca, Copenhaga, Dinamarca.

Saleiro sapi-português de Bolonha, Serra Leoa, 1520 (c.), Itália.

Saleiro sapi-português. Marfim de elefante esculpido. Oficina sapi-portuguesa, 1495 a 1521, 1520 (c.) Serra Leoa Museo civico Archeologico de Bologna, Itália. Este grupo de peças tem sido atribuído às oficinas da Serra Leoa com base no relatório de 1506/10 do informador e editor Valentim Fernandes (c. 1450-1519), conhecido pelo manuscrito deste impressor, Códice da Biblioteca de Munique ou Relação de Diogo Gomes, que forneceu os dados, onde se escreveu que os habitantes desta área possuíam especial talento manual para a execução de saleiros de marfim e de colheres, executando as gravações com base em desenhos que lhes forneciam. As figuras […]

Saleiro sapi-português do Seattle Art Museum, oficina sapi-portuguesa da Serra Leoa, 1520 (c.), Seattle, Washington, Estados Unidos da América

Saleiro sapi-português. Marfim esculpido, 31 x 18.9 x 11.4 cm. Oficina sapi-portuguesa, 1495 a 1521, 1520 (c.) Serra Leoa Seattle Art Museum (Inv. 68.31.01), Seattle, Washington, Estados Unidos da América. Este grupo de peças tem sido atribuído às oficinas da Serra Leoa com base no relatório de 1506/10 do informador e editor Valentim Fernandes (c. 1450-1519), conhecido pelo manuscrito deste impressor, Códice da Biblioteca de Munique ou Relação de Diogo Gomes, que forneceu os dados, onde se escreveu que os habitantes desta área possuíam especial talento manual para a execução de saleiros de marfim e de colheres, executando as gravações […]

Saleiro bini-português do The British Museum, Benim, 1525 a 1600 (c.), Londres, Inglaterra.

Saleiro. Marfim esculpido, 22 cm x 11 cm. x 10 cm. Oficina bini-portuguesa do Benim, 1525 a 1600 (c.). Com militares portugueses a cavalo e de saiote com empregado africano atrás como base. Proveniente de aquisição ao Rev. William Maskell (1814–1890), em 1856. The British Museum (Af 1856,0623.162.a-c), Londres, Inglaterra. A ficha do British Museum refere a existência de uma peça aparentemente da mesma oficina no Museu Nacional da Escócia.

Saleiro sapi-português da Entwistle Gallery, Londres, Serra Leoa, 1500 (c.), Londres, Inglaterra.

Saleiro. Marfim de elefante esculpido, 23,1 cm. Oficina sapi-portuguesa da Serra Leoa, 1490 a 1530, talvez 1500 (c.). Fotografia de Dr. Marc Ghysels. Entwistle Gallery, Londres, Inglaterra. Este grupo de peças tem sido atribuído às oficinas da Serra Leoa com base no relatório de 1506/10 do informador e editor Valentim Fernandes (c. 1450-1519), conhecido pelo manuscrito deste impressor, Códice da Biblioteca de Munique ou Relação de Diogo Gomes, que forneceu os dados, onde se escreveu que os habitantes desta área possuíam especial talento manual para a execução de saleiros de marfim e de colheres, executando as gravações com base em […]

Saleiro sapi-português da Entwistle Gallery, Londres, Serra Leoa, 1500 (c.), Londres, Inglaterra.

Saleiro. Marfim de elefante esculpido, 23,1 cm. Oficina sapi-portuguesa da Serra Leoa, 1490 a 1530, talvez 1500 (c.). Entwistle Gallery, Londres, Inglaterra. Este grupo de peças tem sido atribuído às oficinas da Serra Leoa com base no relatório de 1506/10 do informador e editor Valentim Fernandes (c. 1450-1519), conhecido pelo manuscrito deste impressor, Códice da Biblioteca de Munique ou Relação de Diogo Gomes, que forneceu os dados, onde se escreveu que os habitantes desta área possuíam especial talento manual para a execução de saleiros de marfim e de colheres, executando as gravações com base em desenhos que lhes forneciam. As […]

Pormenor da base da taça ou copo de aparato de oficina sapi-portuguesa depois do Musée du quai Branly, Jacques Chirac,1500 (c.), Serra Leoa

Pormenor da base da taça ou copo de aparato. Marfim de elefante esculpido, 13,5 cm. (total) Oficina sapi-portuguesa da Serra Leoa, 1490 a 1530, talvez 1500 (c.). Dado como tendo pertencido a Edouard de Jullienne (Aix-en-Provence, 1807-1870) e, segundo a memória da família, tinha vindo por herança do tio avô, o mecenas e colecionador Jean de Jullienne (1686-1766), sendo transmitido de geração em geração. Peça que figurou depois na exposição Comptoirs du monde. Les feitorias portugaises, XVe-XVIIe siècles do château d’Angers, vale do Loire, junho de 2022, como propriedade do Musée du quai Branly, Jacques Chirac Leilão da Sothebys, Paris, […]

Taça ou copo de aparato de oficina sapi-portuguesa depois do Musée du quai Branly, Jacques Chirac,1500 (c.), Serra Leoa

Taça ou copo de aparato. Marfim de elefante esculpido, 13,5 cm. Oficina sapi-portuguesa da Serra Leoa, 1490 a 1530, talvez 1500 (c.). Dado como tendo pertencido a Edouard de Jullienne (Aix-en-Provence, 1807-1870) e, segundo a memória da família, tinha vindo por herança do tio avô, o mecenas e colecionador Jean de Jullienne (1686-1766), sendo transmitido de geração em geração. Peça que figurou depois na exposição Comptoirs du monde. Les feitorias portugaises, XVe-XVIIe siècles do château d’Angers, vale do Loire, junho de 2022, como propriedade do Musée du quai Branly, Jacques Chirac Leilão da Sothebys, Paris, 12 de junho de 2012, […]

Terrinas em forma de cabeça de javali, porcelana da China de oficina Qianlong, 1790 (c.), Fundação Prada de Milão, 2020, Itália.

Terrinas em forma de cabeça de javali. Porcelana da China dita Companhia das Índias, moldada, em forma de cabeça de javali com decoração realista de esmaltes da família rosa. 30 x 42 cm. Oficina Qianlong (1736-1795), 1790 (c.). Exposição The porcelain room, Chinese Export Porcelain, com curadoria de Jorge Welsh e Luísa Vinhais, na Fundação Prada de Milão,  
30.1 – 28.9.2020, em parte inspirada na célebre sala do Palácio de Santos dos marqueses de Abrantes, hoje Embaixada de França em Lisboa. Fotografia de Delfino Sisto Legnani/Designboom. Fundação Prada de Milão, Itália

Saleiro sapi-portuguesa da Serra Leoa da Galeria Estense de Modena, 1520 (c.), Modena, Itália.

Saleiro. Marfim de elefante esculpido. Oficina sapi-portuguesa da Serra Leoa, 1490 a 1530, talvez 1520 (c.). Galeria Estense, Modena, Itália. Este grupo de peças tem sido atribuído às oficinas da Serra Leoa com base no relatório de 1506/10 do informador e editor Valentim Fernandes (c. 1450-1519), conhecido pelo manuscrito deste impressor, Códice da Biblioteca de Munique ou Relação de Diogo Gomes, que forneceu os dados, onde se escreveu que os habitantes desta área possuíam especial talento manual para a execução de saleiros de marfim e de colheres, executando as gravações com base em desenhos que lhes forneciam. As figuras destes […]

Português, iluminura Mogol do Museum of Fine Arts, Boston, Norte da Índia, Mughal period, 1600 (c.), Estados Unidos da América.

Dignitário português a beber. Aguarela, guache e tinta de ouro sobre papel, 14 × 11.5 cm. Oficina Mogol, Norte da Índia, Mughal period, 1600 (c.). Aquisição pelo fundo de Francis Bartlett Donation de 1912 com outras contribuições, a 4 de junho de 1914, Em 1912 pertencia à coleção de Victor Goloubew (1879-1945), Paris, sendo vendida em 1914 por Goloubew através de M. Meyer-Riefstahl ao museu, por $76,999.81 (total price for 14.532-700). Museum of Fine Arts, Boston (14.661), Estados Unidos da América. Inscrição na frente em dois textos em persa, one consisting of a quartrain relating to wine (and hence to […]

Máscara de Mapiko do Museum of Fine Arts, Boston, escultor makonde de Moçambique, 1930 a 1955 (c.), Estados Unidos da América

Máscara elmo Makonde de mapiko. Madeira leve esculpida e patinada com aplicação de cabelo, 22.2 cm. Escultor makonde do Planalto de Mueda, Moçambique, 1930 a 1955 (c.). Doação William E. Teel, 26 de fevereiro de 2014. Dada como adquirida na Tanzânia e vindo para a Europe com um missionário português, tal como outra, hoje no Musée Barbier-Müller, Geneva (inv. no. 1027-10). Fez parte da venda de Leopold Häfliger (1929-1989), em Lucerne, 16 de dezembro de 1989, depois na Häfliger, Kunst-und Kongresshaus “Rigi-Saal” Lucerne, lot 13, 1996, passando à Sonnabend Gallery, New York e, a 5 de junho de 1997, seria […]

Chefe Tchokwe com quissanje do Musée du quai Branly, escultor Tchokwe ou Chokwe, 1900 (c.), Paris, França.

Chefe Tchokwe. Ao gosto de Tchibinda Ilunga com chapéu mutwe wa kayanda e quissanje. Madeira entalhada e patinada,. Escultor Tchokwe ou Chokwe, 1900 (c.), Lunda, Angola. Fotografia de Claude Germain Musée du quai Branly, Jacques Chirac (70 2010 18 1), Paris, França. A figura do Tshibinda Ilunga pertence à tradição Luba, representando o ancestral masculino dos Chokwe, Tchokwe ou Quiocos, como guerreiro-caçador e, por vezes, com duas pequenas figuras nas mãos, em sinal de proteção de toda a tribo, mas também com quissanje ou batendo palmas, em sinal de boas vindas.

Saleiro de oficina sapi-portuguesa do Museum of Fine Arts, Boston, Serra Leoa, 1520 (c.), Estados Unidos da América.

Saleiro. Marfim de elefante esculpido, 25.4 x 10.2 cm. Oficina sapi-portuguesa da Serra Leoa, 1490 a 1530, talvez 1520 (c.). Doação Robert Owen Lehman Collection, 2012, proveniente de leilão Sotheby’s, Londres, 8 de julho de 1974 lote 84, vendido por £6000. Museum of Fine Arts, Boston (L-G 7.18.2012), Estados Unidos da América. Este grupo de peças tem sido atribuído às oficinas da Serra Leoa com base no relatório de 1506/10 do informador e editor Valentim Fernandes (c. 1450-1519), conhecido pelo manuscrito deste impressor, Códice da Biblioteca de Munique ou Relação de Diogo Gomes, que forneceu os dados, onde se escreveu […]

Trompa de aparato ou olifante do Musée du quai Branly, oficina sapi-portuguesa da Serra Leoa, 1520 (c.), Paris, França.

Trompa de aparato ou olifante. Marfim de elefante esculpido, 79 cm. Oficina sapi-portuguesa da Serra Leoa, 1490 a 1530, talvez 1520 (c.). Fotografia de anúncio da exposição dos Marfins de África no Museu do Louvre em 2008. Musée du quai Branly, Jacques Chirac, Paris, França. Este grupo de peças tem sido atribuído às oficinas da Serra Leoa com base no relatório de 1506/10 do informador e editor Valentim Fernandes (c. 1450-1519), conhecido pelo manuscrito deste impressor, Códice da Biblioteca de Munique ou Relação de Diogo Gomes, que forneceu os dados, onde se escreveu que os habitantes desta área possuíam especial […]

Saleiro bini-português do Museu do Quai Branly, Chaques Chirac, Benim, 1575 (c.) ou posterior, Paris, França.

Saleiro bini-português, Benim. Marfim de elefante esculpido, 26 x 8 x 8,5 cm. Benim, 1575 (c.) ou posterior. Também dado genericamente como sapi-português. Fotografia de Thierry Olivier e Michel Hurtado. Museu do Quai Branly, Chaques Chirac (70.2008.14.1), Paris, França. Esta peça foi cedida em 2019 ao Louvre Abu Dhabi, encontrando-se na Sala das Cosmografias, onde a fotografamos a 11 de janeiro de 2019, na visita da campanha de arqueologia do IAP de 2019 na antiga fortaleza de Al Qasimi em Khor Kalba, antiga Quelba. Museu da ilha Saadiyat, emirado de Abu Dhabi, Emirados Árabes Unidos.

Trompa de aparato ou olifante, oficina sapi-portuguesa da Serra Leoa, 1520 (c.), Musée du quai Branly, Jacques Chirac, Paris, França

Trompa de aparato ou olifante. Marfim de elefante esculpido, 79 cm. Oficina sapi-portuguesa da Serra Leoa, 1490 a 1530, talvez 1520 (c.). Fotografia de anúncio da exposição dos Marfins de África no Museu do Louvre em 2008. Musée du quai Branly, Jacques Chirac, Paris, França. Este grupo de peças tem sido atribuído às oficinas da Serra Leoa com base no relatório de 1506/10 do informador e editor Valentim Fernandes (c. 1450-1519), conhecido pelo manuscrito deste impressor, Códice da Biblioteca de Munique ou Relação de Diogo Gomes, que forneceu os dados, onde se escreveu que os habitantes desta área possuíam especial […]

Trompa de aparato ou olifante, oficina sapi-portuguesa da Serra Leoa, 1520 (c.), Musée du quai Branly, Jacques Chirac, Paris, França

Trompa de aparato ou olifante. Marfim de elefante esculpido, 79 cm. Oficina sapi-portuguesa da Serra Leoa, 1490 a 1530, talvez 1520 (c.). Fotografia de 2008. Musée du quai Branly, Jacques Chirac, Paris, França. Este grupo de peças tem sido atribuído às oficinas da Serra Leoa com base no relatório de 1506/10 do informador e editor Valentim Fernandes (c. 1450-1519), conhecido pelo manuscrito deste impressor, Códice da Biblioteca de Munique ou Relação de Diogo Gomes, que forneceu os dados, onde se escreveu que os habitantes desta área possuíam especial talento manual para a execução de saleiros de marfim e de colheres, […]

Remate de trompa de aparato ou olifante, oficina sapi-portuguesa da Serra Leoa, 1520 (c.), Musée du quai Branly, Jacques Chirac, Paris, França

Remate de trompa de aparato ou olifante. Marfim de elefante esculpido, 79 cm. Oficina sapi-portuguesa da Serra Leoa, 1490 a 1530, talvez 1520 (c.). Fotografia de Sailko, 13 de dezembro de 2013, da exposição Arts of Africa in the Louvre. Musée du quai Branly, Jacques Chirac, Paris, França. Este grupo de peças tem sido atribuído às oficinas da Serra Leoa com base no relatório de 1506/10 do informador e editor Valentim Fernandes (c. 1450-1519), conhecido pelo manuscrito deste impressor, Códice da Biblioteca de Munique ou Relação de Diogo Gomes, que forneceu os dados, onde se escreveu que os habitantes desta […]

Trompa de aparato ou olifante, oficina sapi-portuguesa da Serra Leoa, 1520 (c.), Musée du quai Branly, Jacques Chirac, Paris, França

Trompa de aparato ou olifante. Marfim de elefante esculpido, 79 cm. Oficina sapi-portuguesa da Serra Leoa, 1490 a 1530, talvez 1520 (c.). Fotografia de Sailko, 13 de dezembro de 2013, da exposição Arts of Africa in the Louvre. Musée du quai Branly, Jacques Chirac, Paris, França. Este grupo de peças tem sido atribuído às oficinas da Serra Leoa com base no relatório de 1506/10 do informador e editor Valentim Fernandes (c. 1450-1519), conhecido pelo manuscrito deste impressor, Códice da Biblioteca de Munique ou Relação de Diogo Gomes, que forneceu os dados, onde se escreveu que os habitantes desta área possuíam […]

Bilhete de identidade de Dr. Manuel de Arriaga, Lisboa, 2 de janeiro de 1914, Museu da Presidência da República, Palácio de Belém, Lisboa, Portugal.

Bilhete de identidade de Dr. Manuel de Arriaga. (1840-1917) Governo Civil de Lisboa, 2 de janeiro de 1914. Primeiro bilhete de identidade da República Portuguesa. Museu da Presidência da República, Palácio de Belém, Lisboa, Portugal. Manuel José de Arriaga Brum da Silveira e Peyrelongue (Horta, ilha do Faial, 1840 – Lisboa, 5 mar. 1917). Advogado e escritor foi membro ativo do Partido Republicano e duas vezes deputado pela Madeira. Orador vigoroso de grande integridade e prestígio pessoal, contribuiu em grande parte, para o sucesso dos ideais republicanos junto das massas populares, vindo a ocupar o lugar de Presidente da República […]

Exposição The porcelain room, Chinese Export Porcelain, Fundação Prada de Milão, 30 de janeiro de 2020, Itália

Exposição The porcelain room, Chinese Export Porcelain Com curadoria de Jorge Welsh e Luísa Vinhais, na Fundação Prada de Milão,  
30.1 – 28.9.2020, em parte inspirada na célebre sala do Palácio de Santos dos marqueses de Abrantes, hoje Embaixada de França em Lisboa. Fotografia de Delfino Sisto Legnani. Fundação Prada de Milão, Itália

Marcha pela Liberdade, movimento civil “50 Anos do 25 de Abril 1974-2024”, JM, Funchal, 1 de abril de 2024, p. 9, ilha da Madeira

Marcha pela Liberdade Movimento civil “50 Anos do 25 de Abril 1974-2024” Entrevista com Teresa Nascimento, David Spranger, in JM, Jornal da Madeira, Funchal, 1 de abril de 2024, p. 9, ilha da Madeira. Fotografia da manifestação de 1 de maio de 1974, com o cartaz Marcelo, Tomás e Co. fora da ilha da Madeira. Não somos caixote de lixo!, criado por Vicente Jorge Silva, 1945-2020 e grupo do Comércio do Funchal. Professores do liceu do Funchal, Jorge e Carlos Reis, Costa Dias, Paula Henriques, Zeca Góis e outros. Fotografia da coleção Carlos Reis, Funchal, ilha da Madeira.

Marcha pela Liberdade, movimento civil “50 Anos do 25 de Abril 1974-2024”, JM, Funchal, 1 de abril de 2024, p. 8, ilha da Madeira

Marcha pela Liberdade Movimento civil “50 Anos do 25 de Abril 1974-2024” Fotografia Carlos Fotógrafo, Carlos da Silva Fernandes (1931-2017), 1.º de maio de 1974, Museu de Fotografia da Madeira, Atelier Vicente’s. Entrevista com Teresa Nascimento, David Spranger, in JM, Jornal da Madeira, Funchal, 1 de abril de 2024, p. 8, ilha da Madeira

50 Anos do 25 de Abril, Vozes do Povo/Reflexos de Abril, Anne Martina Emonts, Teresa Nascimento e Nicolau Fernandes, Comissão dos 50 Anos do 25 de Abril, Funchal, maio de 2024, ilha da Madeira.

50 Anos do 25 de Abril, Vozes do Povo/Reflexos de Abril Folheto bilingue divulgativo de Anne Martina Emonts, Comissão dos 50 Anos do 25 de Abril, Teresa Nascimento e Nicolau Fernandes, Funchal, maio de 2024, ilha da Madeira.

Insulana de Manuel Tomás, Teresa Nascimento, Coimbra, Centro Interuniversitário de Estudos Camonianos, 2024, Portugal

Teresa Nascimento, Insulana de Manuel Tomás, (1585-1665) Obra dedicada a Joam Gonçalves da Câmara (Lisboa, 1590-idem, Sacramento, 27 mar 1656), 4.º conde de Vila Nova da Calheta, pub. Joam Mevresio, Antuérpia, 1635. Coimbra, Centro Interuniversitário de Estudos Camonianos, 2024 Apresentação na Feira do Livro de Funchal, 2024, por Rui Carita. Manuel Tomás (Guimarães, 1585; Funchal, 10 abr. 1665). Filho do médico Luís Gomes de Medeiros e de D. Gracia Vaz Barbosa, aparece na Madeira com a função de intérprete dos navios estrangeiros em 1629, embora a propriedade do ofício fosse de Fernão Favila de Vasconcelos, filho de Martim Favila de […]

Agustina Bessa-Luís e Teresa Nascimento no Regency Madeira, Funchal, novembro de 2002, ilha da Madeira

Agustina e Teresa Nascimento no Regency Madeira Funchal, fotografia de Maria do Carmo Santos, 19 de novembro de 2002, ilha da Madeira Deslocação para, entre outros, um dos Jantares Literários do Golden, para a apresentação de “A Saudade de Ana D’Arfet” pela escritora Agustina Bessa-Luís (1922-2019), obra apresentada por Dr.ª Teresa Nascimento (Universidade da Madeira), Funchal, 19 de novembro de 2002. Com Miguel Albuquerque, presidente do GR, João Carlos Abreu e outros, de que houve notícia da Tribuna da Madeira, Funchal, 21 de novembro de 2002, ilha da Madeira. Agustina Bessa-Luís e a Madeira: 1986: Martha Telles: O Castelo onde […]

Gomil de porcelana da China com as armas dos Pacheco do Vitoria and Albert Museum, oficina do reinado de Jiajing, 1542 (c.), Londres, Inglaterra

Gomil de porcelana da China com as armas dos Pacheco. Armas de António Pacheco, que esteve nas costas da China em 1542 e que usaria as armas do pai Lopo Pacheco, ao qual lhe foram concedidas em 1511 Porcelana vidrada azul e branco, 23 x 33 x 12,7 x 21,5 cm Oficina da dinastia Ming (1368-1644), reinado de Jiajing (1521-1566), 1542 (c.) Ins.: ‘da ming Jiajing nian zhi‘ ; Feita no reinado de Jiajing, período do Grande Ming Fornos de Jingdezhen, província de Jiangxi, China. Crédito: Gulland Bequest Vitoria and Albert Museum (C.222-1931), Londres, Inglaterra Peça de que há exemplar […]

West Encounters East: A Cultural Conversation between Chinese and European Ceramics, Museu de Xangai, 29 outubro 2021 – 16 janeiro 2022, China.

West Encounters East: A Cultural Conversation between Chinese and European Ceramics. Cartaz da exposição do Museu de Xangai, com 4 peças da Fundação Medeiros e Almeida, 29 outubro 2021 – 16 janeiro 2022, China Gomil de porcelana da China com as armas dos Sá, como usaram depois os condes de Penaguião (1583) Oficina da dinastia Ming (1368-1644), reinado de Jiajing (1521-1566), 1540 a 1550. Fornos de Jingdezhen, província de Jiangxi, China. Fundação Medeiros e Almeida (inv. FMA 832-252 CER), Lisboa, Portugal Peça que no ano seguinte foi emprestada para a exposição Comptoirs du monde. Les feitorias portugaises, XVe-XVIIe siècles, no […]

Comptoirs du monde. Les feitorias portugaises, XVe-XVIIe siècles, catálogo de exposição no château d’Angers, vale do Loire, junho de 2022, França

Comptoirs du monde. Les feitorias portugaises, XVe-XVIIe siècles Exposição comissariada por Jean-François Chougnet, presidente do musée des civilisations de l’Europe et de la Méditerranée e Fernando António Baptista Pereira, presidente da faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa, Domaine National du château d’Angers, vale do Loire, junho de 2022, França. Taça ou base de saleiro em marfim de elefante esculpido do Musée du quai Branly, Jacques Chirac, Paris. Oficina sapi-portuguesa da Serra Leoa, 1490 a 1530, talvez 1500 (c.). Este grupo de peças tem sido atribuído às oficinas da Serra Leoa com base no relatório de 1506/10 do informador […]

Gomil de porcelana da China com as armas dos Pacheco da Fundação Medeiros e Almeida, reinado de Jiajing, 1540 a 1550, Lisboa, Portugal.

Gomil de porcelana da China com as armas dos Pacheco. Armas de António Pacheco, que esteve nas costas da China em 1542 e que usaria as armas do pai Lopo Pacheco, ao qual lhe foram concedidas em 1511 Porcelana vidrada azul e branco, 23 x 33 x 12,7 x 21,5 cm Oficina da dinastia Ming (1368-1644), reinado de Jiajing (1521-1566), 1542. Fornos de Jingdezhen, província de Jiangxi, China. Peça de que há exemplar no Vitoria and Albert Museum (C.222-1931), Londres, com a ligação ao bico inteira, com o mesmo também substituído por peça metálica. Fotografia de Múrcia Lessa para a […]

Taça ou base de saleiro de oficina sapi-portuguesa do Musée du quai Branly, Jacques Chirac, Serra Leoa, 1490 a 1530, talvez 1500 (c.), Paris, França.

Taça ou base de saleiro. Marfim de elefante esculpido, 13,5 cm. Oficina sapi-portuguesa da Serra Leoa, 1490 a 1530, talvez 1500 (c.). Fotografia de Claude Germain para a Connaissance des Arts da exposição Comptoirs du monde. Les feitorias portugaises, XVe-XVIIe siècles do château d’Angers, vale do Loire, junho de 2022. Musée du quai Branly, Jacques Chirac, Paris, França. Este grupo de peças tem sido atribuído às oficinas da Serra Leoa com base no relatório de 1506/10 do informador e editor Valentim Fernandes (c. 1450-1519), conhecido pelo manuscrito deste impressor, Códice da Biblioteca de Munique ou Relação de Diogo Gomes, que […]

Base de saleiro de oficina sapi-portuguesa do British Museum, Serra Leoa, 1490 a 1530 (c.), Londres, Inglaterra

Base de saleiro. Marfim esculpido, 19 cm x 13 x 14 cm. Oficina sapi-portuguesa da Serra Leoa, 1490 a 1530 (c.), talvez 1500 (c.). Proveniente da William Ockelford Oldman (1879-1949) de ca.1894-1926 e de doação de Dorothy Odman (1891-1973), em 1946. The British Museum (Af 1949,46.177), Londres, Inglaterra. Este grupo de peças tem sido atribuído às oficinas da Serra Leoa com base no relatório de 1506/10 do informador e editor Valentim Fernandes (c. 1450-1519), conhecido pelo manuscrito deste impressor, Códice da Biblioteca de Munique ou Relação de Diogo Gomes, que forneceu os dados, onde se escreveu que os habitantes desta […]

Base de saleiro de oficina sapi-portuguesa do British Museum, Serra Leoa, 1490 a 1530 (c.), Londres, Inglaterra

Base de saleiro. Marfim esculpido, 19 cm x 13 x 14 cm. Oficina sapi-portuguesa da Serra Leoa, 1490 a 1530 (c.), talvez 1500 (c.). Proveniente da William Ockelford Oldman (1879-1949) de ca.1894-1926 e de doação de Dorothy Odman (1891-1973), em 1946. The British Museum (Af 1949,46.177), Londres, Inglaterra. Este grupo de peças tem sido atribuído às oficinas da Serra Leoa com base no relatório de 1506/10 do informador e editor Valentim Fernandes (c. 1450-1519), conhecido pelo manuscrito deste impressor, Códice da Biblioteca de Munique ou Relação de Diogo Gomes, que forneceu os dados, onde se escreveu que os habitantes desta […]

Saleiro de oficina sapi-portuguesa do British Museum, Serra Leoa, 1490 a 1530 (c.), Londres, Inglaterra

Saleiro. Marfim esculpido, 28 cm x 11 x 11,5 cm. Oficina sapi-portuguesa da Serra Leoa ou da Costa do Marfim, 1490 a 1530 (c.), talvez 1520 (c.). Proveniente de doação de Sir Augustus Wollaston Franks (1826-1897), em 1869. The British Museum (Af 5117.a), Londres, Inglaterra. Este grupo de peças tem sido atribuído às oficinas da Serra Leoa com base no relatório de 1506/10 do informador e editor Valentim Fernandes (c. 1450-1519), conhecido pelo manuscrito deste impressor, Códice da Biblioteca de Munique ou Relação de Diogo Gomes, que forneceu os dados, onde se escreveu que os habitantes desta área possuíam especial […]

Saleiro de oficina sapi-portuguesa do British Museum, Serra Leoa, 1490 a 1530 (c.), Londres, Inglaterra

Saleiro. Marfim esculpido, 28 cm x 11 x 11,5 cm. Oficina sapi-portuguesa da Serra Leoa ou da Costa do Marfim, 1490 a 1530 (c.), talvez 1520 (c.). Proveniente de doação de Sir Augustus Wollaston Franks (1826-1897), em 1869. The British Museum (Af 5117.a), Londres, Inglaterra. Este grupo de peças tem sido atribuído às oficinas da Serra Leoa com base no relatório de 1506/10 do informador e editor Valentim Fernandes (c. 1450-1519), conhecido pelo manuscrito deste impressor, Códice da Biblioteca de Munique ou Relação de Diogo Gomes, que forneceu os dados, onde se escreveu que os habitantes desta área possuíam especial […]

Base de saleiro de oficina sapi-portuguesa do Brooklyn Museum, Serra Leoa, 1520 (c.), Nova Iorque, Estados Unidos da América.

Base de saleiro. Marfim de elefante esculpido, 16.2 x 11.7 x 11.7 cm. Oficina sapi-portuguesa da Serra Leoa, 1520 (c.) Doação de Mr. and Mrs. Alastair B. Martin, the Guennol Collection. Coleção do Brooklyn Museum (Inv. 52.169), Nova Iorque, Estados Unidos da América. Este grupo de peças tem sido atribuído às oficinas da Serra Leoa com base no relatório de 1506/10 do informador e editor Valentim Fernandes (c. 1450-1519), conhecido pelo manuscrito deste impressor, Códice da Biblioteca de Munique ou Relação de Diogo Gomes, que forneceu os dados, onde se escreveu que os habitantes desta área possuíam especial talento manual […]

Esfera armilar de trompa de caça ou olifante de oficina sapi-portuguesa do British Museum, 1490 a 1530 (c.), Londres, Inglaterra

Esfera armilar de trompa de caça de aparato ou olifante. Pormenor de marfim de elefante esculpido, 8,9 cm x 7,3 cm. x 44 cm. (total) Oficina sapi-portuguesa da Serra Leoa, 1490 a 1530 (c.). Proveniente de aquisição a Sir Hans Sloane (1660–1753) (?), 1753 (c.), dado constar das descrições da sua coleção (Miscellanies (Sl.723)). The British Museum (Af 1979,01.3156), Londres, Inglaterra. Este grupo de peças tem sido atribuído às oficinas da Serra Leoa com base no relatório de 1506/10 do informador e editor Valentim Fernandes (c. 1450-1519), conhecido pelo manuscrito deste impressor, Códice da Biblioteca de Munique ou Relação de […]

Trompa de caça ou olifante com esfera armilar de oficina sapi-portuguesa do British Museum, 1490 a 1530 (c.), Londres, Inglaterra

Trompa de caça de aparato ou olifante com esfera armilar. Marfim de elefante esculpido, 8,9 cm x 7,3 cm. x 44 cm. Oficina sapi-portuguesa da Serra Leoa, 1490 a 1530 (c.). Proveniente de aquisição a Sir Hans Sloane (1660–1753) (?), 1753 (c.), dado constar das descrições da sua coleção (Miscellanies (Sl.723)). The British Museum (Af 1979,01.3156), Londres, Inglaterra. Este grupo de peças tem sido atribuído às oficinas da Serra Leoa com base no relatório de 1506/10 do informador e editor Valentim Fernandes (c. 1450-1519), conhecido pelo manuscrito deste impressor, Códice da Biblioteca de Munique ou Relação de Diogo Gomes, que […]

Base de saleiro sapi-português com flor-de-lis do Pitt Rivers Museum, oficina sapi-portuguesa, Serra Leoa, 1520 (c.), Universidade de Oxford, Inglaterra

Base de saleiro sapi-português com flor-de-lis. Marfim de elefante, 20,2 x 10,5 cm. Oficina sapi-portuguesa, Serra Leoa, 1520 (c.). A ficha desta peça atribuiu a autoria ao mesmo mestre do saleiro da Galeria Estense de Modena, Itália Pitt Rivers Museum (Inv. Nr.: 1884.68.73), Universidade de Oxford, Inglaterra. Este grupo de peças tem sido atribuído às oficinas da Serra Leoa com base no relatório de 1506/10 do informador e editor Valentim Fernandes (c. 1450-1519), conhecido pelo manuscrito deste impressor, Códice da Biblioteca de Munique ou Relação de Diogo Gomes, que forneceu os dados, onde se escreveu que os habitantes daquela área […]

Base de saleiro sapi-português com flor-de-lis do Pitt Rivers Museum, oficina sapi-portuguesa, Serra Leoa, 1520 (c.), Universidade de Oxford, Inglaterra

Base de saleiro sapi-português com flor-de-lis. Marfim de elefante, 20,2 x 10,5 cm. Oficina sapi-portuguesa, Serra Leoa, 1520 (c.). A ficha desta peça atribuiu a autoria ao mesmo mestre do saleiro da Galeria Estense de Modena, Itália Pitt Rivers Museum (Inv. Nr.: 1884.68.73), Universidade de Oxford, Inglaterra. Este grupo de peças tem sido atribuído às oficinas da Serra Leoa com base no relatório de 1506/10 do informador e editor Valentim Fernandes (c. 1450-1519), conhecido pelo manuscrito deste impressor, Códice da Biblioteca de Munique ou Relação de Diogo Gomes, que forneceu os dados, onde se escreveu que os habitantes daquela área […]

Remate do saleiro sapi-português com fumador com cachimbo flamengo do Weltmuseum Wien, oficina sapi-portuguesa, Serra Leoa, 1530 (c.), Viena de Áustria

Remate de saleiro sapi-português com fumador com cachimbo flamengo. Marfim de elefante. Oficina sapi-portuguesa, Serra Leoa ou Costa do Marfim, 1530 (c.). Weltmuseum Wien (Inv. Nr.: 63468 col. Sub-Saharan Africa), Viena de Áustria. Este grupo de peças tem sido atribuído às oficinas da Serra Leoa com base no relatório de 1506/10 do informador e editor Valentim Fernandes (c. 1450-1519), conhecido pelo manuscrito deste impressor, Códice da Biblioteca de Munique ou Relação de Diogo Gomes, que forneceu os dados, onde se escreveu que os habitantes desta área possuíam especial talento manual para a execução de saleiros de marfim e de colheres, […]

Base do saleiro sapi-português com fumador com cachimbo flamengo do Weltmuseum Wien, oficina sapi-portuguesa, Serra Leoa, 1530 (c.), Viena de Áustria

Base de saleiro sapi-português com fumador com cachimbo flamengo. Marfim de elefante. Oficina sapi-portuguesa, Serra Leoa ou Costa do Marfim, 1530 (c.). Weltmuseum Wien (Inv. Nr.: 63468 col. Sub-Saharan Africa), Viena de Áustria. Este grupo de peças tem sido atribuído às oficinas da Serra Leoa com base no relatório de 1506/10 do informador e editor Valentim Fernandes (c. 1450-1519), conhecido pelo manuscrito deste impressor, Códice da Biblioteca de Munique ou Relação de Diogo Gomes, que forneceu os dados, onde se escreveu que os habitantes desta área possuíam especial talento manual para a execução de saleiros de marfim e de colheres, […]

Saleiro sapi-português com fumador com cachimbo flamengo do Weltmuseum Wien, oficina sapi-portuguesa, Serra Leoa, 1530 (c.), Viena de Áustria

Saleiro sapi-português com fumador com cachimbo flamengo. Marfim de elefante. Oficina sapi-portuguesa, Serra Leoa ou Costa do Marfim, 1530 (c.). Weltmuseum Wien (Inv. Nr.: 63468 col. Sub-Saharan Africa), Viena de Áustria. Este grupo de peças tem sido atribuído às oficinas da Serra Leoa com base no relatório de 1506/10 do informador e editor Valentim Fernandes (c. 1450-1519), conhecido pelo manuscrito deste impressor, Códice da Biblioteca de Munique ou Relação de Diogo Gomes, que forneceu os dados, onde se escreveu que os habitantes desta área possuíam especial talento manual para a execução de saleiros de marfim e de colheres, executando as […]

Saleiro sapi-português com fumador com cachimbo flamengo do Weltmuseum Wien, oficina sapi-portuguesa, Serra Leoa, 1530 (c.), Viena de Áustria

Saleiro sapi-português com fumador com cachimbo flamengo. Marfim de elefante. Oficina sapi-portuguesa, Serra Leoa ou Costa do Marfim, 1530 (c.). Weltmuseum Wien (Inv. Nr.: 63468 col. Sub-Saharan Africa), Viena de Áustria. Este grupo de peças tem sido atribuído às oficinas da Serra Leoa com base no relatório de 1506/10 do informador e editor Valentim Fernandes (c. 1450-1519), conhecido pelo manuscrito deste impressor, Códice da Biblioteca de Munique ou Relação de Diogo Gomes, que forneceu os dados, onde se escreveu que os habitantes desta área possuíam especial talento manual para a execução de saleiros de marfim e de colheres, executando as […]

Base de saleiro sapi-português com casal europeu e africano de Berlim, Serra Leoa, 1550 (c.), Alemanha.

Base de saleiro sapi-português com casal europeu e africano. (Pormenor do africano) Marfim de elefante, 8,7 x 10,5 x 10,5 cm. Oficina sapi-portuguesa, Serra Leoa ou Costa do Marfim, 1550 (c.). Proveniente da coleção Ankauf, 1852. Museu Etnográfico de Berlim, Ethnologisches Museum (Ident. Nr.: III C 168), Berlim, Alemanha. Este grupo de peças tem sido atribuído às oficinas da Serra Leoa com base no relatório de 1506/10 do informador e editor Valentim Fernandes (c. 1450-1519), conhecido pelo manuscrito deste impressor, Códice da Biblioteca de Munique ou Relação de Diogo Gomes, que forneceu os dados, onde se escreveu que os habitantes […]

Base de saleiro sapi-português com casal europeu e africano de Berlim, Serra Leoa, 1550 (c.), Alemanha.

Base de saleiro sapi-português com casal europeu e africano. (Pormenor do europeu) Marfim de elefante, 8,7 x 10,5 x 10,5 cm. Oficina sapi-portuguesa, Serra Leoa ou Costa do Marfim, 1550 (c.). Proveniente da coleção Ankauf, 1852. Museu Etnográfico de Berlim, Ethnologisches Museum (Ident. Nr.: III C 168), Berlim, Alemanha. Este grupo de peças tem sido atribuído às oficinas da Serra Leoa com base no relatório de 1506/10 do informador e editor Valentim Fernandes (c. 1450-1519), conhecido pelo manuscrito deste impressor, Códice da Biblioteca de Munique ou Relação de Diogo Gomes, que forneceu os dados, onde se escreveu que os habitantes […]

Saleiro sapi-português de Berlim, Serra Leoa, 1500 (c.), Alemanha.

Saleiro sapi-português encimado por mulher africana. Marfim de elefante, 32 x 10 x 10 cm. Oficina sapi-portuguesa, Serra Leoa ou Costa do Marfim, 1500 (c.). Museu Etnográfico de Berlim, Ethnologisches Museum (Ident. Nr.: III C 4886 a,b), Berlim, Alemanha. Este grupo de peças tem sido atribuído às oficinas da Serra Leoa com base no relatório de 1506/10 do informador e editor Valentim Fernandes (c. 1450-1519), conhecido pelo manuscrito deste impressor, Códice da Biblioteca de Munique ou Relação de Diogo Gomes, que forneceu os dados, onde se escreveu que os habitantes desta área possuíam especial talento manual para a execução de […]

Saleiro sapi-português de Berlim, Serra Leoa, 1500 (c.), Alemanha.

Saleiro sapi-português. Marfim de elefante, 27 x 11 x 11 cm. Oficina sapi-portuguesa, Serra Leoa, 1500 (c.). Proveniente da coleção de Ankauf von S. Einstein 1883. Fotografia de Claudia Obrocki. Museu Etnográfico de Berlim, Ethnologisches Museum (Ident. Nr.: III C 4888 a,b), Berlim, Alemanha. Este grupo de peças tem sido atribuído às oficinas da Serra Leoa com base no relatório de 1506/10 do informador e editor Valentim Fernandes (c. 1450-1519), conhecido pelo manuscrito deste impressor, Códice da Biblioteca de Munique ou Relação de Diogo Gomes, que forneceu os dados, onde se escreveu que os habitantes desta área possuíam especial talento […]

Base de saleiro sapi-português do MET, 1500 (c.), Serra Leoa, Estados Unidos da América.

Base de saleiro. Marfim esculpido, 15.9 × 11.7 cm. Oficina sapi-portuguesa da Serra Leoa, 1500 (c.). Oferta de Mr. and Mrs. Klaus G. Perls, 1991. Museu Metropolitano de Nova Yorque (MET 1991.17.144), Estados Unidos da América. Este grupo de peças tem sido atribuído às oficinas da Serra Leoa com base no relatório de 1506/10 do informador e editor Valentim Fernandes (c. 1450-1519), conhecido pelo manuscrito deste impressor, Códice da Biblioteca de Munique ou Relação de Diogo Gomes, que forneceu os dados, onde se escreveu que os habitantes desta área possuíam especial talento manual para a execução de saleiros de marfim […]

Saleiro sapi-português de Berlim, Serra Leoa, 1500 (c.), Alemanha.

Saleiro sapi-português. Marfim de elefante, 27 x 11 x 11 cm. Oficina sapi-portuguesa, Serra Leoa, 1500 (c.). Proveniente da coleção de Ankauf von S. Einstein 1883. Fotografia de Claudia Obrocki. Museu Etnográfico de Berlim, Ethnologisches Museum (Ident. Nr.: III C 4888 a,b), Berlim, Alemanha. Este grupo de peças tem sido atribuído às oficinas da Serra Leoa com base no relatório de 1506/10 do informador e editor Valentim Fernandes (c. 1450-1519), conhecido pelo manuscrito deste impressor, Códice da Biblioteca de Munique ou Relação de Diogo Gomes, que forneceu os dados, onde se escreveu que os habitantes desta área possuíam especial talento […]

Saleiro sapi-português do MET, 1500 (c.), Serra Leoa, Estados Unidos da América.

Saleiro. Marfim esculpido, 29,8 cm. Oficina sapi-portuguesa da Serra Leoa, 1500 (c.). Oferta de Paul e Ruth W. Tishman, 1991. Museu Metropolitano de Nova Yorque (MET 1991.435a,b), Estados Unidos da América. Este grupo de peças tem sido atribuído às oficinas da Serra Leoa com base no relatório de 1506/10 do informador e editor Valentim Fernandes (c. 1450-1519), conhecido pelo manuscrito deste impressor, Códice da Biblioteca de Munique ou Relação de Diogo Gomes, que forneceu os dados, onde se escreveu que os habitantes desta área possuíam especial talento manual para a execução de saleiros de marfim e de colheres, executando as […]

Saleiro sapi-português do MET, 1500 (c.), Serra Leoa, Estados Unidos da América.

Saleiro. Marfim esculpido, 29,8 cm. Oficina sapi-portuguesa da Serra Leoa, 1500 (c.). Oferta de Paul e Ruth W. Tishman, 1991. Museu Metropolitano de Nova Yorque (MET 1991.435a,b), Estados Unidos da América. Este grupo de peças tem sido atribuído às oficinas da Serra Leoa com base no relatório de 1506/10 do informador e editor Valentim Fernandes (c. 1450-1519), conhecido pelo manuscrito deste impressor, Códice da Biblioteca de Munique ou Relação de Diogo Gomes, que forneceu os dados, onde se escreveu que os habitantes desta área possuíam especial talento manual para a execução de saleiros de marfim e de colheres, executando as […]

Pormenor do saleiro sapi-português da Sotheby’s Paris, 2023, Serra Leoa, 1500 (c.), França.

Remate do saleiro sapi-português. Marfim de elefante esculpido, 25 cm. Serra Leoa, séculos XV – XVI, 1500 (c.). Proveniente da coleção G. C. Marsiletti, Vicence, adquirido no início dos anos 1980. Leilão Sotheby’s Paris, Art d’Afrique, d’Océanie, d’Indonésie et des Amériques, 28 de novembro de 2023 (Lote 60), com uma base de licitação de 250 mil euros, foi vendido por 889.000 euros. Pub. Lucinda Canelas, Público, 29 de novembro de 2023. Este grupo de peças tem sido atribuído às oficinas da Serra Leoa com base no relatório de 1506/10 do informador e editor Valentim Fernandes (c. 1450-1519), conhecido pelo manuscrito […]

Saleiro sapi-português da Sotheby’s Paris, 2023, Serra Leoa, 1500 (c.), França.

Saleiro sapi-português. Marfim de elefante esculpido, 25 cm. Serra Leoa, séculos XV – XVI, 1500 (c.). Proveniente da coleção G. C. Marsiletti, Vicence, adquirido no início dos anos 1980. Leilão Sotheby’s Paris, Art d’Afrique, d’Océanie, d’Indonésie et des Amériques, 28 de novembro de 2023 (Lote 60), com uma base de licitação de 250 mil euros, foi vendido por 889.000 euros. Este grupo de peças tem sido atribuído às oficinas da Serra Leoa com base no relatório de 1506/10 do informador e editor Valentim Fernandes (c. 1450-1519), conhecido pelo manuscrito deste impressor, Códice da Biblioteca de Munique ou Relação de Diogo […]

Saleiro sapi-português do Allen Memorial Art Museum Oberlin College, 1500 (c.), Ohio, Estados Unidos da América.

Saleiro sapi-português encimado por Senhora e Menino africanos. Marfim de elefante esculpido, 33.3 × 13.7 cm. Serra Leoa, séculos XV – XVI, 1500 (c.). Doação de Gustave Schindler (1910-1988), New York, 1956. Allen Memorial Art Museum Oberlin College (1956.5A-B), Ohio, Estados Unidos da América. Este grupo de peças tem sido atribuído às oficinas da Serra Leoa com base no relatório de 1506/10 do informador e editor Valentim Fernandes (c. 1450-1519), conhecido pelo manuscrito deste impressor, Códice da Biblioteca de Munique ou Relação de Diogo Gomes, que forneceu os dados, onde se escreveu que os habitantes desta área possuíam especial talento […]

Saleiro do Benim do British Museum, 1525 a 1600 (c.), Londres, Inglaterra.

Saleiro. Marfim esculpido, 22 cm x 11 cm. x 10 cm. Oficina bini-portuguesa do Benim, 1525 a 1600 (c.). Com militares portugueses a cavalo e de saiote com empregado africano atrás como base. Proveniente de aquisição ao Rev. William Maskell (1814–1890), em 1856. The British Museum (Af 1856,0623.162.a-c), Londres, Inglaterra. A ficha do British Museum refere a existência de uma peça aparentemente da mesma oficina no Museu Nacional da Escócia.

Saleiro do Benim do British Museum, 1525 a 1600 (c.), Londres, Inglaterra.

Saleiro. Marfim esculpido, 22 cm x 11 cm. x 10 cm. Oficina bini-portuguesa do Benim, 1525 a 1600 (c.). Com militares portugueses a cavalo e de saiote com empregado africano atrás como base. Proveniente de aquisição ao Rev. William Maskell (1814–1890), em 1856. The British Museum (Af 1856,0623.162.a-c), Londres, Inglaterra. A ficha do British Museum refere a existência de uma peça aparentemente da mesma oficina no Museu Nacional da Escócia.

Saleiro do Benim do British Museum, 1525 a 1600 (c.), Londres, Inglaterra.

Saleiro. Marfim esculpido, 22 cm x 11 cm. x 10 cm. Oficina bini-portuguesa do Benim, 1525 a 1600 (c.). Com militares portugueses a cavalo e de saiote com empregado africano atrás como base. Proveniente de aquisição ao Rev. William Maskell (1814–1890), em 1856. The British Museum (Af 1856,0623.162.a-c), Londres, Inglaterra. A ficha do British Museum refere a existência de uma peça aparentemente da mesma oficina no Museu Nacional da Escócia.    

Saleiro de leilão da Sotheby’s de Paris, 2008, Serra Leoa (atr.), 1490 a 1530 (c.), França

Saleiro. Marfim esculpido, 19,5 cm. Oficina sapi-portuguesa da Serra Leoa ou da Costa do Marfim, 1490 a 1530 (c.). Com comerciantes portugueses e mulheres africanas como base. Proveniente da coleção de Jean Roudillon (1923-2020), Paris, Sotheby’s Londres, 27 juin 1983, depois da do príncipe Sadruddin Aga Khan (2033-2003), Collection of African Art, n° 23 e depois de uma privada de Lisboa. Leilão Sotheby’s de Paris, Important African and Oceanic Art: Collection of Governor Guyon, Adolf Hoffmeister, Chrisitna and Rolf Miehler and Vaious Owners, 11 de junho de 2008, lote 120, avaliado em 400.000 a 600.000 euros, sendo sido vendido por […]

Saleiro do British Museum aberto, Serra Leoa (atr.), 1490 a 1530 (c.), Londres, Inglaterra

Saleiro aberto. Marfim esculpido, 15 cm x 14 cm.; 1.40 quilogramas Oficina sapi-portuguesa da Serra Leoa ou da Costa do Marfim, 1490 a 1530 (c.). Com comerciantes portugueses e mulheres africanas como base. Proveniente de aquisição a William Wareham, em 1867. The British Museum (Af 1867,0325.1.a), Londres, Inglaterra. Exemplar executado provavelmente pelo mesmo artista que executou o saleiro do Museu ‘Luigi Pigorini’ de Rome. Este grupo de peças tem sido atribuído às oficinas da Serra Leoa com base no relatório de 1506/10 do informador e editor Valentim Fernandes (c. 1450-1519), conhecido pelo manuscrito deste impressor, Códice da Biblioteca de Munique […]

Saleiro de oficina sapi-portuguesado British Museum, Serra Leoa, 1490 a 1530 (c.), Londres, Inglaterra

Saleiro. Marfim esculpido, 15 cm x 14 cm.; 1.40 quilogramas Oficina sapi-portuguesa da Serra Leoa ou da Costa do Marfim, 1490 a 1530 (c.). Com comerciantes portugueses e mulheres africanas como base. Proveniente de aquisição a William Wareham, em 1867. The British Museum (Af 1867,0325.1.a), Londres, Inglaterra. Exemplar executado provavelmente pelo mesmo artista que executou o saleiro do Museu ‘Luigi Pigorini’ de Rome. Este grupo de peças tem sido atribuído às oficinas da Serra Leoa com base no relatório de 1506/10 do informador e editor Valentim Fernandes (c. 1450-1519), conhecido pelo manuscrito deste impressor, Códice da Biblioteca de Munique ou […]

Saleiro do British Museum, Serra Leoa (atr.), 1490 a 1530 (c.), Londres, Inglaterra

Saleiro. Marfim esculpido, 15 cm x 14 cm.; 1.40 quilogramas Oficina sapi-portuguesa da Serra Leoa ou da Costa do Marfim, 1490 a 1530 (c.). Com comerciantes portugueses e mulheres africanas como base. Proveniente de aquisição a William Wareham, em 1867. The British Museum (Af 1867,0325.1.a), Londres, Inglaterra. Exemplar executado provavelmente pelo mesmo artista que executou o saleiro do Museu ‘Luigi Pigorini’ de Rome. Este grupo de peças tem sido atribuído às oficinas da Serra Leoa com base no relatório de 1506/10 do informador e editor Valentim Fernandes (c. 1450-1519), conhecido pelo manuscrito deste impressor, Códice da Biblioteca de Munique ou […]

Saleiro do British Museum, Serra Leoa (atr.), 1490 a 1530 (c.), Londres, Inglaterra

Saleiro. Marfim esculpido, 15 cm x 14 cm.; 1.40 quilogramas Oficina sapi-portuguesa da Serra Leoa ou da Costa do Marfim, 1490 a 1530 (c.). Com comerciantes portugueses e mulheres africanas como base. Proveniente de aquisição a William Wareham, em 1867. The British Museum (Af 1867,0325.1.a), Londres, Inglaterra. Exemplar executado provavelmente pelo mesmo artista que executou o saleiro do Museu ‘Luigi Pigorini’ de Rome. Este grupo de peças tem sido atribuído às oficinas da Serra Leoa com base no relatório de 1506/10 do informador e editor Valentim Fernandes (c. 1450-1519), conhecido pelo manuscrito deste impressor, Códice da Biblioteca de Munique ou […]

Saleiro bini-português, Benim, 1575 (c.), Museu do Quai Branly, Chaques Chirac, Paris, França.

Saleiro bini-português, Benim. Marfim de elefante esculpido, 26 x 8 x 8,5 cm. Benim, 1575 (c.) ou posterior. Também dado genericamente como sapi-português. Museu do Quai Branly, Chaques Chirac (70.2008.14.1), Paris, França. Esta peça foi cedida em 2019 ao Louvre Abu Dhabi, encontrando-se na Sala das Cosmografias, onde a fotografamos a 11 de janeiro de 2019, na visita da campanha de arqueologia do IAP de 2019 na antiga fortaleza de Al Qasimi em Khor Kalba, antiga Quelba. Museu da ilha Saadiyat, emirado de Abu Dhabi, Emirados Árabes Unidos.

Pendente de marfim de Oba do Seattle Art Museum,, oficina Edo da corte do Benim, 1550 (c.), Benim, Nigéria, Seattle, Washington, Estados Unidos da América

Pendente de marfim de Oba. Marfim, 12 x 23.3cm. Oficina Edo da corte do Benim, 1850 (c.) Doação de Katherine White (1929-1980) e the Boeing Company, Proveniência: retirada de uma caixa do quarto de dormir do Oba no palácio real da cidade de Benin pelo Dr. Robert Allman, médico principal da British Punitive Expedition, de 16 de fevereiro de 1897; [Sotheby’s, London, Important African Sculpture, South American & Oceanic Art, 27 de junho de 1960, lote 120, reproduzida no catálogo]; adquirida nesse leilão por K.J. Hewett (1919-1994), Londres, Inglaterra; passou depois a John Wise (1902-1981), New York; sendo vendida a […]

Saleiro sapi-português, 1550 (c.), Serra Leoa, Museu Pré-histórico e Etnográfico Luigi Pigorini, Roma, Itália.

Saleiro sapi-português. Marfim, 43 cm. Oficina sapi-portuguesa, Serra Leoa, 1550 (c.). Museu Pré-histórico e Etnográfico Luigi Pigorini, Roma, Itália. Este grupo de peças tem sido atribuído às oficinas da Serra Leoa com base no relatório de 1506/10 do informador e editor Valentim Fernandes (c. 1450-1519), conhecido pelo manuscrito deste impressor, Códice da Biblioteca de Munique ou Relação de Diogo Gomes, que forneceu os dados, onde se escreveu que os habitantes desta área possuíam especial talento manual para a execução de saleiros de marfim e de colheres, executando as gravações com base em desenhos que lhes forneciam. As figuras destes saleiros […]

Saleiro sapi-português, 1550 (c.), Serra Leoa, Museu Pré-histórico e Etnográfico Luigi Pigorini, Roma, Itália.

Saleiro sapi-português. Marfim, 43 cm. Oficina sapi-portuguesa, Serra Leoa, 1550 (c.). Museu Pré-histórico e Etnográfico Luigi Pigorini, Roma, Itália. Este grupo de peças tem sido atribuído às oficinas da Serra Leoa com base no relatório de 1506/10 do informador e editor Valentim Fernandes (c. 1450-1519), conhecido pelo manuscrito deste impressor, Códice da Biblioteca de Munique ou Relação de Diogo Gomes, que forneceu os dados, onde se escreveu que os habitantes desta área possuíam especial talento manual para a execução de saleiros de marfim e de colheres, executando as gravações com base em desenhos que lhes forneciam. As figuras destes saleiros […]

Saleiro sapi-português do Seattle Art Museum, 1495 a 1521 (c.), Serra Leoa, Seattle, Washington, Estados Unidos da América

Saleiro sapi-português. Marfim esculpido, 31 x 18.9 x 11.4 cm. Oficina sapi-portuguesa, 1495 a 1521 (c.), Serra Leoa Gift of Katherine White and the Boeing Company Proveniência: Coleção de John Wise (1902-1981), New York; vendido a Katherine White (1929-1980), Seattle, Washington, em 1961; doação ao Seattle Art Museum, Seattle, Washington, 1981 Seattle Art Museum (Inv. 81.17.189), Seattle, Washington, Estados Unidos da América Este grupo de peças tem sido atribuído às oficinas da Serra Leoa com base no relatório de 1506/10 do informador e editor Valentim Fernandes (c. 1450-1519), conhecido pelo manuscrito deste impressor, Códice da Biblioteca de Munique ou Relação […]

Saleiro sapi-português do British Museum, 1490 a 1530 (c.), Serra Leoa (?), Londres, Inglaterra

Saleiro encimado por Nossa Senhora e o Menino. Marfim esculpido, 15.25 cm x 26.01 cm. Oficina sapi-portuguesa da Serra Leoa ou da Costa do Marfim, 1490 a 1530 (c.). Com as armas portuguesas invertidas. The British Museum (Af 1981.45.1 a-b), Londres, Inglaterra. Este grupo de peças tem sido atribuído às oficinas da Serra Leoa com base no relatório de 1506/10 do informador e editor Valentim Fernandes (c. 1450-1519), conhecido pelo manuscrito deste impressor, Códice da Biblioteca de Munique ou Relação de Diogo Gomes, que forneceu os dados, onde se escreveu que os habitantes desta área possuíam especial talento manual para […]

Escrivaninha de viagem de D. Pedro, duque de Bragança, Paris, 1826 a 1831, Museu Tesouro Real do Palácio Nacional da Ajuda, Lisboa, Portugal

Escrivaninha de viagem de D. Pedro, duque de Bragança (1789-1834) Paris, Alphonse Giroux et Cie, 1826 a 1831. Couro, prata dourada, ouro, madrepérola, cerda (?) tingida, vidro, pau-santo, aço, metal, seda, papel, 35 x 43,4 x c.9 cm. Insc.: “A PARIS / CHEZ ALPH. GIROUX / RUE DU COQ St. HONORÉ“; “J. BRAMAH“; monograma imperial “P“; “PI / FUNDADOR DO IMPERIO DO BRAZIL“. Museu Tesouro Real na nova fachada poente do Palácio Nacional da Ajuda (Inv. 51084/C), Lisboa, Portugal D. Pedro de Alcântara e Bragança (Queluz, 1789; idem, 1834) acompanhara os pais, o então príncipe regente D. João VI (1767-1826) […]

Dobrão de 24 escudos de D. João V, 1731, Casa da Moeda de Lisboa, 1863, Museu Tesouro Real do Palácio Nacional da Ajuda, Lisboa, Portugal

Dobrão de 24 escudos de D. João V D. João V (1706-1750), 24.000 réis Classificada como dobra (12.800 reis), trata-se de um dobrão. Lisboa, Portugal, 1731 Ouro, Ø 55,1 mm; 229,29 gr. Cunhagem da Casa da Moeda de Lisboa de 1863. Museu Tesouro Real na nova fachada poente do Palácio Nacional da Ajuda (Inv. 4886), Lisboa, Portugal O inicial dobrão de ouro, 33 mm. de diâmetro; 53,78 grs. de peso, foi a moeda de ouro brasileira de maior peso, que se cunhou na Casa da Moeda de Vila Rica, Minas Gerais, a partir de 1724, com um valor facial de […]

Gomil de prata lavrada e dourada, 1490 a 1510, Museu Tesouro Real do Palácio Nacional da Ajuda, Lisboa, Portugal

Gomil Prata lavrada e dourada, 46,5 × 31 × 18,5 cm; 3620 gr. Oficina portuguesa, 1490 a 1510. Insc.: Monograma “FF” gótico coroado; “N 25” Heráldica: Escudo esquartelado com as armas dos Mendonça no 1º e no 4º quartel e dos Silva ou Castelo-Branco no 2º e 3º Existe exemplar algo semelhante no Museu Nacional de Machado de Castro (N.º Inv. 6092), Coimbra. Museu Tesouro Real na nova fachada poente do Palácio Nacional da Ajuda (Inv. 5156), Lisboa, Portugal

Prato fundo dito “água-às-mãos”, 1540 a 1550, Museu Tesouro Real do Palácio Nacional da Ajuda, Lisboa, Portugal

Bacia ou prato fundo dito “água-às-mãos” Prata lavrada e dourada, 6,5 cm × 53 cm; 3920 gr. Oficina portuguesa, 1540 a 1550, com provável reposição no séc. XVII e Insc.: «5». Representações da História de Mui nobre Vespasiano Imperador de Roma, romance de cavalaria impresso em Lisboa por Valentim Fernandes (c. 1450-1519), em 1496. Museu Tesouro Real na nova fachada poente do Palácio Nacional da Ajuda (Inv. 4818), Lisboa, Portugal

Par de salvas de pé alto com as armas dos Sá, 1510 a 1520, Museu Tesouro Real do Palácio Nacional da Ajuda, Lisboa, Portugal.

Par de salvas de pé alto com as armas dos Sá. Prata lavrada e dourada, 18 cm × 35 cm; 2600 gr. Oficina portuguesa, 1510 a 1520. Heráldica: Armas plenas dos Sá, condes de Penaguião (1588), marqueses de Fontes (1659) e de Abrantes (1718); escudo ogival posto «au ballon» enxaquetado de prata e de azul, de 8 peças em faixa e 6 em pal. Par de salvas idênticas (6.17 e 6.18) representando cenas de combate no Norte de África, com possível alusão à Tomada de Arzila em 1471, no reinado de D. Afonso V Museu Tesouro Real na nova fachada […]

Salva de pé alto com as armas dos Portugal, 1530 a 1550 e seguintes, Museu Tesouro Real do Palácio Nacional da Ajuda, Lisboa, Portugal.

Salva de pé alto com as armas dos Portugal, duques de Cadaval ou de Bragança. Prata lavrada e dourada, 21 × 34,2 cm; 3245 gr. Oficina portuguesa, 1530 a 1550, com reposição no século XVIII. Heráldica: Armas de Portugal Antigo encimadas por coroa de duque; em campo de prata uma aspa de vermelho carregado de cinco escudetes das armas do reino, alternados com quatro cruzes florenciadas e vazias do primeiro esmalte. Estas armas foram usadas pela Casa de Cadaval e pelos primeiros duques de Bragança Museu Tesouro Real na nova fachada poente do Palácio Nacional da Ajuda (Inv. 4812), Lisboa, […]

Museu Nacional Soares dos Reis, Palácio dos Carrancas, 1795 e seguintes, Porto, Portugal

Museu Nacional Soares dos Reis. (1847-1889) Palácio dos Carrancas, 1795, de Manuel Mendes de Morais e Castro (um dos Carrancas), depois propriedade da Misericórdia do Porto, que o vendeu ao Estado, em 1940. Inaugurado como Museu Soares dos Reis, em 1942 Remodelação do arquiteto Fernando Távora (1923-2005), de 1992 a 2001. Fotografia de 2023. Porto, Portugal

Domus Municipalis de Bragança, 1220 a 1320 (c.), castelo de Bragança, Portugal.

Domus Municipalis. Alvenaria de pedra esculpida, 1220 a 1320 (c.) e seguintes. Fotografia de Lourenço de Almada, 2023. Castelo de Bragança, Portugal Cronologia: Séc. 13, 1ª metade – época provável de construção como cisterna; 1501 – segundo o Abade de Baçal, existia um documento de memórias, no qual Martim Anes referia a construção do edifício durante a sua existência, servindo de ponto de reunião para os Homens Bons do concelho; 1503– remodelação do edifício, com divisão do salão em duas dependências, para o tornar Paço do Concelho; 1912– o edifício encontrava-se em elevado estado de degradação, sem coberturas; séc. 20, […]

Arquivo do Paço de Lanheses, desembargador Dr. Frei José Ricalde Pereira de Castro (e outros), 1750 (c.), Viana do Castelo, Portugal

Arquivo do Paço de Lanheses. Paço com campanha de 1580 (c.) com reformas várias, especialmente por 1740 a 1770 (c.) Desembargador Dr. Frei José Ricalde Pereira de Castro (1715-c. 1795) e outros. Propriedade da família Ricalde e, depois, Almada. Fotografia de Lourenço de Almada, 2024. Lanheses, Viana do Castelo, Portugal O portão da entrada do terreiro está sobrepujado por escudo esquartelado, com as armas dos Abreus, Castros e dos Pereiras, inserindo o brasão da varanda da entrada principal pedra de armas dos Castros e Pereiras.

Paço de Lanheses, 1580 (c.) com reformas várias, especialmente por 1740 a 1770 (c.), Viana do Castelo, Portugal.

Paço de Lanheses. Campanha de 1580 (c.) com reformas várias, especialmente por 1740 a 1770 (c.) Brasão da varanda da entrada principal insere pedra de armas dos Castros e Pereiras. Propriedade da família Ricalde e, depois, Almada. Lanheses, Viana do Castelo, Portugal O portão da entrada do terreiro está sobrepujado por escudo esquartelado, com as armas dos Abreus, Castros e dos Pereiras.

Placa da Ordem Militar de Nossa Senhora da Conceição de Vila Viçosa, António Gomes da Silva (atrib.), Rio de Janeiro, 1818, Museu Tesouro Real do Palácio Nacional da Ajuda, Lisboa, Portugal

Placa da Ordem Militar de Nossa Senhora da Conceição de Vila Viçosa. Réplica da insígnia original, executada em 1808-1809 e desfeita na segunda metade do século XIX. Diamantes, prata, ouro, esmalte, 10 × 6,9 × 1,6 cm; 100,9 gr. António Gomes da Silva (atrib.), Brasil, Rio de Janeiro, 1818. Insc.: “PADROEIRA DO REINO“;”AM” Museu Tesouro Real na nova fachada poente do Palácio Nacional da Ajuda (Inv. 4770), Lisboa, Portugal

Placa da Ordem Militar da Torre e Espada, José Rosas Júnior, 1949, Museu Tesouro Real do Palácio Nacional da Ajuda, Lisboa, Portugal

Placa da Ordem Militar da Torre e Espada. Réplica da insígnia original, executada em 1808-1809 e desfeita na segunda metade do século XIX. Diamantes, rubis, esmeraldas, prata, ouro, esmalte, 12 × 11,4 × 2,6 cm; 296,5 gr. José Rosas Júnior (1885-1958) e Alexandre Silva, 1949. Insc.: “RESTAURADO | Alexandre Silva | em 6-5-949 | e | José Rosas & Comp. | R.” Museu Tesouro Real na nova fachada poente do Palácio Nacional da Ajuda (Inv. 4783), Lisboa, Portugal

Insígnia dita do pequeno uniforme das Três Ordens, David Ambrosio Gottlieb Pollet (atr.), 1790 (c.), Museu Tesouro Real do Palácio Nacional da Ajuda, Lisboa, Portugal

Insígnia dita do pequeno uniforme das Três Ordens. Banda das Ordens de Cristo, Avis e Santiago da Espada, atributo dos reis e chefes de Estado. Diamantes, rubis, esmeraldas, prata, ouro, 5,4 × 3,1 × 1,1 cm; 21,1 gr. David Ambrosio Gottlieb Pollet (1745-act. 1785-1796) (atr.), 1790 (c.) Museu Tesouro Real na nova fachada poente do Palácio Nacional da Ajuda (Inv. 4772), Lisboa, Portugal

Placa das Três Ordens, David Ambrosio Gottlieb Pollet, 1789, Museu Tesouro Real do Palácio Nacional da Ajuda, Lisboa, Portugal

Placa das Três Ordens. Banda das Ordens de Cristo, Avis e Santiago da Espada, atributo dos reis e chefes de Estado. Diamantes, rubis, espinelas, granada esmeraldas, prata, ouro, 13 × 12,2 × 2,2 cm; 203,3 gr. David Ambrosio Gottlieb Pollet (1745-act. 1785-1796), 1789. Museu Tesouro Real na nova fachada poente do Palácio Nacional da Ajuda (Inv. 4777), Lisboa, Portugal

Coroa real portuguesa, António Gomes da Silva e Inácio Luís da Costa, Rio de Janeiro, 1817, Brasil, Palácio Nacional da Ajuda, Lisboa, Portugal.

Coroa real portuguesa. Ouro, seda, algodão, prata, 30 × 40 cm; 2.402 g Insc.: “Ignacio Luis da Costa o fes no Rio de Janeiro 1817” António Gomes da Silva (act. 1798 – c. 1842), de que conhecemos os pagamentos e oficina de Inácio Luís da Costa, que a assina Brasil, Rio de Janeiro, 1817 Museu Tesouro Real na nova fachada poente do Palácio Nacional da Ajuda (Inv. 4863), Lisboa, Portugal  

Insígnia ou medalha das Três Ordens, David Ambrosio Gottlieb Pollet, 1790 (c.), Museu Tesouro Real do Palácio Nacional da Ajuda, Lisboa, Portugal.

Insígnia ou medalha das Três Ordens. Pendente da Banda das Ordens de Cristo, Avis e Santiago da Espada, atributo dos reis e chefes de Estado. Diamantes, rubis, granadas, crisoberilo, esmeraldas, prata, ouro, 16 × 10,2 × 2 cm; 279,2 gr. David Ambrosio Gottlieb Pollet (1745-act. 1785-1796), 1790 (c.). Museu Tesouro Real na nova fachada poente do Palácio Nacional da Ajuda (Inv. 4784), Lisboa, Portugal  

Ofertas diplomáticas do Museu Tesouro Real do Palácio Nacional da Ajuda, 2022, Lisboa, Portugal.

Ofertas diplomáticas à Coroa Portuguesa. Projeto de Museologia de Francisco Providência, conjunto inaugurado a 1 de junho de 2022. Museu Tesouro Real na nova fachada poente do Palácio Nacional da Ajuda, Lisboa, Portugal O Tesouro Real é a principal estrutura na nova ala do Palácio Nacional da Ajuda, como uma caixa-forte que alberga, entre outros, 900 exemplares de joalharia real, 830 de joias do quotidiano, pratas utilitárias e decorativas que pertenceram à casa real portuguesa é, também, um percurso expositivo, circular, que acontece entre o terceiro e quarto pisos do novo edifício, tirando partido dos 12 metros de pé direito […]

Pormenor da insígnia da Ordem do Tosão de Ouro, 1790 (c.), Museu Tesouro Real do Palácio Nacional da Ajuda, Lisboa, Portugal.

Pormenor da insígnia da Ordem do Tosão de Ouro. Pendente da Ordem do Tosão de Ouro. Ouro, prata, brilhantes, rubis e safira de Ceilão, 27,2 x 12,2 x 2,7 cm. David Ambrosio Gottlieb Pollet (act. 1785-1796), 1790 (c.). Reformulada no Rio de Janeiro ?. Usada pelo rei D. João VI (1767-1826) e, depois, pelo rei D. Miguel I (1802-1866). Museu Tesouro Real na nova fachada poente do Palácio Nacional da Ajuda (Inv. 4774), Lisboa, Portugal O Tesouro Real é a principal estrutura na nova ala do Palácio Nacional da Ajuda, como uma caixa-forte que alberga, entre outros, 900 exemplares de […]

Insígnia da Ordem do Tosão de Ouro, 1790 (c.), Museu Tesouro Real do Palácio Nacional da Ajuda, Lisboa, Portugal.

Insígnia da Ordem do Tosão de Ouro. Pendente da Ordem do Tosão de Ouro. Ouro, prata, brilhantes, rubis e safira de Ceilão, 27,2 x 12,2 x 2,7 cm. David Ambrosio Gottlieb Pollet (act. 1785-1796), 1790 (c.). Reformulada no Rio de Janeiro ?. Usada pelo rei D. João VI (1767-1826) e, depois, pelo rei D. Miguel I (1802-1866). Museu Tesouro Real na nova fachada poente do Palácio Nacional da Ajuda (Inv. 4774), Lisboa, Portugal O Tesouro Real é a principal estrutura na nova ala do Palácio Nacional da Ajuda, como uma caixa-forte que alberga, entre outros, 900 exemplares de joalharia real, […]

Guarnição de corpete, Espanha, 1750 (c.), Museu Tesouro Real do Palácio Nacional da Ajuda, Lisboa, Portugal.

Guarnição de corpete. Também laço ou laça de guarnição Esmeralda hexagonal com 47.91 ct, outras quadrangulares, restantes diamantes, 253,53 ct, Montagem em prata e prata dourada, 19,0 cm x 4,0 cm (dimensão total); 452,9 g Espanha, 1750 (c.), com borla reposta em Portugal, 1944-1951 Parece ter pertencido à infanta D. Maria Ana de Portugal (1763-1813), que nunca casou, irmã de D. Maria I (1734-1816), integrando depois a coleção real portuguesa Museu Tesouro Real na nova fachada poente do Palácio Nacional da Ajuda (Inv. 4779), Lisboa, Portugal O Tesouro Real é a principal estrutura na nova ala do Palácio Nacional da […]

Cetro real português, António Gomes da Silva e Inácio Luís da Costa (atrib.), Rio de Janeiro, 1817, Brasil.

Ceptro real português. Ouro, 84,3 × 5,3 cm; 648 g António Gomes da Silva (act. 1798 – c. 1842), ao qual se conhecem os pagamentos e oficina de Inácio Luís da Costa (atrib.), que assina a coroa Brasil, Rio de Janeiro, 1817 Museu Tesouro Real na nova fachada poente do Palácio Nacional da Ajuda (Inv. 4868), Lisboa, Portugal O Tesouro Real é a principal estrutura na nova ala do Palácio Nacional da Ajuda, como uma caixa-forte que alberga, entre outros, 900 exemplares de joalharia real, 830 de joias do quotidiano, pratas utilitárias e decorativas que pertenceram à casa real portuguesa […]

Coroa real portuguesa, António Gomes da Silva e Inácio Luís da Costa, Rio de Janeiro, 1817, Brasil, Palácio Nacional da Ajuda, 2021, Lisboa, Portugal.

Coroa real portuguesa. Ouro, seda, algodão, prata, 30 × 40 cm; 2.402 g Insc.: “Ignacio Luis da Costa o fes no Rio de Janeiro 1817” António Gomes da Silva (act. 1798 – c. 1842), de que conhecemos os pagamentos e oficina de Inácio Luís da Costa, que a assina Brasil, Rio de Janeiro, 1817 Em fundo o retrato a óleo de John Simpson (1782-1847), 1837 (c.) do Museu Imperial de Petrópolis, Brasil Exposição D. Maria II; De princesa brasileira a rainha de Portugal. 1819-1853, Palácio Nacional da Ajuda, 2021, Lisboa, Portugal. Coroa depois apresentada no Museu Tesouro Real na nova […]

Thomas Germain e Anne-Denise Gauchelet, óleo de Nicolas de Largilliere, Paris, 1736, Museu Calouste Gulbenkian, Lisboa, Portugal

Thomas Germain e Anne-Denise Gauchelet. (1673-1748) Óleo sobre tela, 146 x 113 cm. Nicolas de Largilliere (1656-1746), 1736.

Coroa real portuguesa, António Gomes da Silva e Inácio Luís da Costa, Rio de Janeiro, 1817, Brasil, Palácio Nacional da Ajuda, Lisboa, Portugal.

Coroa real portuguesa. Ouro, seda, algodão, prata, 30 × 40 cm; 2.402 g Insc.: “Ignacio Luis da Costa o fes no Rio de Janeiro 1817” António Gomes da Silva (act. 1798 – c. 1842), de que conhecemos os pagamentos e oficina de Inácio Luís da Costa, que a assina Brasil, Rio de Janeiro, 1817 Projeto de Museologia de Francisco Providência, conjunto inaugurado a 1 de junho de 2022. Museu Tesouro Real na nova fachada poente do Palácio Nacional da Ajuda (Inv. 4863), Lisboa, Portugal O Tesouro Real é a principal estrutura na nova ala do Palácio Nacional da Ajuda, como […]

Manto, cetro e coroa real portuguesa, Rio de Janeiro, 1817, Palácio Nacional da Ajuda, Lisboa, Portugal.

Manto, cetro e coroa real portuguesa. Com o manto da coroação no Rio de Janeiro, os retratos de D. João VI (1767-1826) de Albert Jacob Frans Gregorius (1774-1853) e alegoria à aclamação de D. Miguel (1802-1866) Cetro de ouro, 84,3 × 5,3 cm; 648 g António Gomes da Silva (act. 1798 – c. 1842), ao qual se conhecem os pagamentos e oficina de Inácio Luís da Costa (atrib.), que assina a coroa Coroa de ouro, seda, algodão, prata, 30 × 40 cm; 2.402 g Insc.: “Ignacio Luis da Costa o fes no Rio de Janeiro 1817” António Gomes da Silva […]

Manto, cetro e coroa real portuguesa, Rio de Janeiro, 1817, Palácio Nacional da Ajuda, Lisboa, Portugal.

Manto, cetro e coroa real portuguesa. Com o manto da coroação no Rio de Janeiro, os retratos de D. João VI (1767-1826) de Albert Jacob Frans Gregorius (1774-1853) e alegoria à aclamação de D. Miguel (1802-1866) Cetro de ouro, 84,3 × 5,3 cm; 648 g António Gomes da Silva (act. 1798 – c. 1842), ao qual se conhecem os pagamentos e oficina de Inácio Luís da Costa (atrib.), que assina a coroa Coroa de ouro, seda, algodão, prata, 30 × 40 cm; 2.402 g Insc.: “Ignacio Luis da Costa o fes no Rio de Janeiro 1817” António Gomes da Silva […]

Ceptro e coroa real portuguesa, Rio de Janeiro, António Gomes da Silva e Inácio Luís da Costa, 1817, Palácio Nacional da Ajuda, Lisboa, Portugal.

Ceptro e coroa real portuguesa. Ouro, 84,3 × 5,3 cm; 648 g António Gomes da Silva (act. 1798 – c. 1842), ao qual se conhecem os pagamentos e oficina de Inácio Luís da Costa (atrib.), que assina a coroa Coroa de ouro, seda, algodão, prata, 30 × 40 cm; 2.402 g Insc.: “Ignacio Luis da Costa o fes no Rio de Janeiro 1817” António Gomes da Silva (act. 1798 – c. 1842), oficina de Inácio Luís da Costa Brasil, Rio de Janeiro, 1817 Projeto de Museologia de Francisco Providência, conjunto inaugurado a 1 de junho de 2022. Museu Tesouro Real […]

Anjo de Calvário, oficina portuguesa, 1770 (c.), Funchal, ilha da Madeira.

Anjo de Calvário. Madeira esculpida, estofada e policromada, 97 cm.; base, 28 x 19 cm. Oficina portuguesa, 1770 (c.). Adquirido nas antigas Galerias da Madeira de João Wetzler (1896-1966) em finais de 1974. Fotografia de 8 de maio de 2024. Casa do Funchal, ilha da Madeira. Grande peça de escultura, proveniente das antigas Galerias da Madeira de João Wetzler (Viena de Áustria, 10 jun. 1896; Funchal, Quinta da Saudade, 11 jun. 1966), dadas as mãos articuladas, parece ter feito parte antigo Calvário, ou do recheio de uma grande igreja, servindo de peça de acompanhamento de montagens religiosas, de apoio a […]

Tamborete-perfumador chinês do reinado Jiajing, 1550 (c.), China.

Tamborete-perfumador. Garden seat ou garden stool Porcelana chinesa de decoração azul e branca com mascarões relevados como pegas ou alças, pavões e perónios, 36 cm. Dinastia Ming (1368-1644), reinado Jiajing (1521-1567), 1550 (c.) Fornos de Fugian ou Jingdezhen. Proveniente de leilão na Sotheby’s Paris, 9 june 2010, lot 69 e coleção de Francis Golding (1944-2013). Leilão Christie’s, Fine Chinese Ceramics & Works of Art, Londres, 1o novembro 2015, Lote 210, estimado £8,000 – £12,000  e vendido por £20,000 (€ 23,2654) Exemplares algo semelhantes, mas mais antigos, de 1520 (c.), fazem parte do Museu Nacional da China, Beijin, da Col. CRPH, […]

Tamborete-perfumador com mascarões relevados como pegas ou alças, cavalos e aves, 1570 a 1580, China

Tamborete-perfumador. Garden seat ou garden stool Porcelana chinesa de decoração azul e branca com mascarões relevados como pegas ou alças, dragão imperial, aves e cavalos, 35,6 cm. Dinastia Ming (1368-1644), reinado Zhuāngdì (1566-1572) ou Wanli (1572-1620), 1570 a 1580 Fornos de Fugian ou Jingdezhen. Leilão Bonhams, Fine Chinese Art, Londres, 14 maio 2015, Lote 193, estimado £30,000-50,000 e vendido por £37,500 (€ 41,966) Exemplares algo semelhantes, mas mais antigos, de 1520 (c.), fazem parte do Museu Nacional da China, Beijin, da Col. CRPH, encontrando-se publicado pela Larousse num artigo sobre porcelanas chinesas, tal como outro, proveniente de leilão na Christie’s […]

Tamborete-perfumador com mascarões relevados como pegas ou alças, cavalos e dragão imperial, 1570 a 1580, China

Tamborete-perfumador. Garden seat ou garden stool Porcelana chinesa de decoração azul e branca com mascarões relevados como pegas ou alças, dragão imperial, aves e cavalos, 35,6 cm. Dinastia Ming (1368-1644), reinado Zhuāngdì (1566-1572) ou Wanli (1572-1620), 1570 a 1580 Fornos de Fugian ou Jingdezhen. Leilão Bonhams, Fine Chinese Art, Londres, 14 maio 2015, Lote 193, estimado £30,000-50,000 e vendido por £37,500 (€ 41,966) Exemplares algo semelhantes, mas mais antigos, de 1520 (c.), fazem parte do Museu Nacional da China, Beijin, da Col. CRPH, encontrando-se publicado pela Larousse num artigo sobre porcelanas chinesas, tal como outro, proveniente de leilão na Christie’s […]

Tamborete-perfumador com mascarões relevados como pegas ou alças, cavalos e dragão imperial, 1570 a 1580, China

Tamborete-perfumador. Garden seat ou garden stool Porcelana chinesa de decoração azul e branca com mascarões relevados como pegas ou alças, dragão imperial, aves e cavalos, 35,6 cm. Dinastia Ming (1368-1644), reinado Zhuāngdì (1566-1572) ou Wanli (1572-1620), 1570 a 1580 Fornos de Fugian ou Jingdezhen. Leilão Bonhams, Fine Chinese Art, Londres, 14 maio 2015, Lote 193, estimado £30,000-50,000 e vendido por £37,500 (€ 41,966) Exemplares algo semelhantes, mas mais antigos, de 1520 (c.), fazem parte do Museu Nacional da China, Beijin, da Col. CRPH, encontrando-se publicado pela Larousse num artigo sobre porcelanas chinesas, tal como outro, proveniente de leilão na Christie’s […]

Tamborete-perfumador com aplicações relevadas e leões do Museu Nacional da China, reinado Zhengde, 1520 (c.), Beijin, China

Tamborete-perfumador. Garden seat ou garden stool Porcelana chinesa de decoração azul e branca com grandes mascarões relevados como pegas ou alças e leões. Dinastia Ming (1368-1644), reinado Zhengde (1506-1521), 1520 (c.) Fornos de Fugian ou Jingdezhen, ca. 1520, China. Museu Nacional da China, Beijin, China Um exemplar muito semelhante faz parte da Col. CRPH, encontrando-se publicado pela Larousse num artigo sobre porcelanas chinesas, tal como outro, proveniente de leilão na Christie’s de Londres, por 2015, onde foi vendido por 15.000 euros, passou a uma coleção privada. Este tipo de tamborete oriundo da China, utilizados como perfumadores, gozaram da fama de […]

Tamborete-perfumador com aplicações relevadas e leões da col. CRPH, reinado Zhengde, 1520 (c.), China

Tamborete-perfumador. Garden seat ou garden stool Porcelana chinesa de decoração azul e branca com grandes mascarões relevados como pegas ou alças e leões. Dinastia Ming (1368-1644), reinado Zhengde (1506-1521), 1520 (c.) Fornos de Fugian ou Jingdezhen, ca. 1520, China. Dado como da Col. CRPH, encontra-se publicado pela Larousse num artigo sobre porcelanas chinesas Um exemplar muito semelhante faz parte das coleções do Museu Nacional da China, Beijin, tal como outro, proveniente de leilão na Christie’s de Londres, por 2015, onde foi vendido por 15.000 euros, passou a uma coleção privada. Este tipo de tamborete oriundo da China, utilizados como perfumadores, […]

Face superior do tamborete-perfumador chinês do MET, reinado Zhuāngdì (atr.), 1570 (c.), China.

Face superior do tamborete-perfumador do MET com leões. Garden seat ou garden stool Porcelana chinesa de decoração azul e branca com mascarões relevados como pegas ou alças, garças e plantas lotus, 36,2 cm x 31,1 e 35,6 cm. (diam.) Dinastia Ming (1368-1644), reinado Zhuāngdì (1566-1572), 1570 (c.) Fornos de Fugian ou Jingdezhen, China, ca. 1570. Bequest of Marie-Louise Garbáty, NY, 1993, 1993.386.33. 1993.386.33The Metropolitan Museum of Art, Nova Iorque, Estados Unidos da América Este tipo de tamborete oriundo da China, utilizados como perfumadores, gozaram da fama de se terem inspirado nas barricas e pipas portuguesas de madeira, que teriam despertado […]

Tamborete-perfumador chinês do MET, reinado Zhuāngdì (atr.), 1570 (c.), China.

Tamborete-perfumador. Garden seat ou garden stool Porcelana chinesa de decoração azul e branca com mascarões relevados como pegas ou alças, garças e plantas lotus, 36,2 cm x 31,1 e 35,6 cm. (diam.) Dinastia Ming (1368-1644), reinado Zhuāngdì (1566-1572), 1570 (c.) Fornos de Fugian ou Jingdezhen, China, ca. 1570. Bequest of Marie-Louise Garbáty, NY, 1993, 1993.386.33. 1993.386.33The Metropolitan Museum of Art, Nova Iorque, Estados Unidos da América Este tipo de tamborete oriundo da China, utilizados como perfumadores, gozaram da fama de se terem inspirado nas barricas e pipas portuguesas de madeira, que teriam despertado enorme admiração no Oriente, pois que alguns […]

Tamborete-perfumador com aplicações relevadas e leões, reinado Zhengde, 1520 (c.), China

Tamborete-perfumador. Garden seat ou garden stool Porcelana chinesa de decoração azul e branca com grandes mascarões relevados como pegas ou alças e leões. Dinastia Ming (1368-1644), reinado Zhengde (1506-1521), 1520 (c.) Fornos de Fugian ou Jingdezhen, ca. 1520, China. Proveniente de leilão na Christie’s de Londres, por 2015, onde foi vendido por 15.000 euros, passou a uma coleção privada. Um exemplar muito semelhante faz parte das coleções do Museu Nacional da China, Beijin, tal como outro, dado como da Col. CRPH, encontra-se publicado pela Larousse num artigo sobre porcelanas chinesas. Este tipo de tamborete oriundo da China, utilizados como perfumadores, […]

Tamborete-perfumador chinês do MET, reinado Zhuāngdì (atr.), 1570 (c.), China.

Tamborete-perfumador. Garden seat ou garden stool Porcelana chinesa de decoração azul e branca com mascarões relevados como pegas ou alças, garças e plantas lotus, 36,2 cm x 31,1 e 35,6 cm. (diam.) Dinastia Ming (1368-1644), reinado Zhuāngdì (1566-1572), 1570 (c.) Fornos de Fugian ou Jingdezhen, China, ca. 1570. Bequest of Marie-Louise Garbáty, NY, 1993, 1993.386.33. 1993.386.33The Metropolitan Museum of Art, Nova Iorque, Estados Unidos da América Este tipo de tamborete oriundo da China, utilizados como perfumadores, gozaram da fama de se terem inspirado nas barricas e pipas portuguesas de madeira, que teriam despertado enorme admiração no Oriente, pois que alguns […]

Face superior de tamborete-perfumador chinês de um par, reinado de Xianfeng, 1860 (c.), China

Face superior de tamborete-perfumador de um par. Garden seats ou garden stools Porcelana chinesa de decoração azul e branca com dragão imperial e plantas, 46 x 36 cm. (diam.) Oficina chinesa do final da dinastia Qing (1644-1912), reinado de Xianfeng (nascido Yizhu, 1831-1851-1861), 1860 (c.). Vendidos em Brighton, GB, em 2015, por €7,570.36 Este tipo de tamborete oriundo da China, utilizados como perfumadores, gozaram da fama de se terem inspirado nas barricas e pipas portuguesas de madeira, que teriam despertado enorme admiração no Oriente, pois que alguns exemplares repetem mesmo as cintas metálicas e os pregos das pipas em que […]

Tamborete-perfumador chinês de um par, reinado de Xianfeng, 1860 (c.), China

Tamborete-perfumador de um par. Garden seats ou garden stools Porcelana chinesa de decoração azul e branca com dragão imperial e plantas, 46 x 36 cm. (diam.) Oficina chinesa do final da dinastia Qing (1644-1912), reinado de Xianfeng (nascido Yizhu, 1831-1851-1861), 1860 (c.). Vendidos em Brighton, GB, em 2015, por €7,570.36 Este tipo de tamborete oriundo da China, utilizados como perfumadores, gozaram da fama de se terem inspirado nas barricas e pipas portuguesas de madeira, que teriam despertado enorme admiração no Oriente, pois que alguns exemplares repetem mesmo as cintas metálicas e os pregos das pipas em que se teriam inspirado. […]

Tamborete-perfumador chinês de um par, reinado de Xianfeng, 1860 (c.), China

Tamborete-perfumador de um par. Garden seats ou garden stools Porcelana chinesa de decoração azul e branca com dragão imperial e plantas, 46 x 36 cm. (diam.) Oficina chinesa do final da dinastia Qing (1644-1912), reinado de Xianfeng (nascido Yizhu, 1831-1851-1861), 1860 (c.). Vendidos em Brighton, GB, em 2015, por €7,570.36 Este tipo de tamborete oriundo da China, utilizados como perfumadores, gozaram da fama de se terem inspirado nas barricas e pipas portuguesas de madeira, que teriam despertado enorme admiração no Oriente, pois que alguns exemplares repetem mesmo as cintas metálicas e os pregos das pipas em que se teriam inspirado. […]

Par de tamboretes-perfumadores chineses, reinado de Xianfeng, 1860 (c.), China

Par de tamboretes-perfumadores. Garden seats ou garden stools Porcelana chinesa de decoração azul e branca com dragão imperial e plantas, 46 x 36 cm. (diam.) Oficina chinesa do final da dinastia Qing (1644-1912), reinado de Xianfeng (nascido Yizhu, 1831-1851-1861), 1860 (c.). Vendidos em Brighton, GB, em 2015, por €7,570.36 Este tipo de tamborete oriundo da China, utilizados como perfumadores, gozaram da fama de se terem inspirado nas barricas e pipas portuguesas de madeira, que teriam despertado enorme admiração no Oriente, pois que alguns exemplares repetem mesmo as cintas metálicas e os pregos das pipas em que se teriam inspirado. No […]

Par de tamboretes-perfumadores chineses, reinado de Xianfeng, 1860 (c.), China

Par de tamboretes-perfumadores. Garden seats ou garden stools Porcelana chinesa de decoração azul e branca com aves e plantas, 46 x 36 cm. (diam.) Oficina chinesa do final da dinastia Qing (1644-1912), reinado de Xianfeng (nascido Yizhu, 1831-1851-1861), 1860 (c.). Coleção particular, Inglaterra Este tipo de tamborete oriundo da China, utilizados como perfumadores, gozaram da fama de se terem inspirado nas barricas e pipas portuguesas de madeira, que teriam despertado enorme admiração no Oriente, pois que alguns exemplares repetem mesmo as cintas metálicas e os pregos das pipas em que se teriam inspirado. No entanto, trata-se de um modelo muito […]

Tamborete-perfumador chinês do período Jianjing, 1550 (c.), Estados Unidos da América

Tamborete-perfumador. Garden seat ou garden stool Porcelana chinesa de decoração azul e branca com mascarões relevados como pegas ou alças, aves e plantas, 39,3 cm. Oficina chinesa do final da dinastia Ming (1368-1644), período Jianjing (1522-1566), 1550 (c.). Leilão Sotheby’s Nova Iorque, 19 de março 2013, lote 120, avaliado entre 40,000 – 60,000 USD, Estados Unidos da América Este tipo de tamborete oriundo da China, utilizados como perfumadores, gozaram da fama de se terem inspirado nas barricas e pipas portuguesas de madeira, que teriam despertado enorme admiração no Oriente, pois que alguns exemplares repetem mesmo as cintas metálicas e os […]

Par de tamboretes-perfumadores do reinado de Xuantong, 1908 (c.), China

Par de tamboretes-perfumadores. Garden seats ou garden stools Porcelana chinesa de decoração azul e branca com aves e plantas, 46,6 cm. Oficina chinesa do final da dinastia Qing (1644-1912), reinado de Xuantong (1908-1912), 1908 (c.). Leilão Christie’s Hong Kong, 6 de abril 2015, lote 217, avaliado entre HK$30,000 – HK$50,000 e vendido por HK$93,750 Este tipo de tamborete oriundo da China, utilizados como perfumadores, gozaram da fama de se terem inspirado nas barricas e pipas portuguesas de madeira, que teriam despertado enorme admiração no Oriente, pois que alguns exemplares repetem mesmo as cintas metálicas e os pregos das pipas em […]

David de Pury, óleo de Thomas Hickey, Lisboa, 1750 (c.), Hôtel de ville Neuchâtel, Suiça

David de Pury (1709-1786) Pormenor de óleo sobre tela de Thomas Hickey (1741–1824), 1750 (c.) Hôtel de ville Neuchâtel, Suiça. Levantamento para O Palácio Ratton e os fidalgos da rua Formosa, de Hélder Carita, Lisboa, Caleidoscópio, 2023, lançado depois a 12 de abril de 2024, no Tribunal Constitucional. David de Pury (Neuchâtel, 19 jan. 1709-Lisboa, 31 maio 1786), depois barão de Pury, fixou-se em Lisboa em 1736, com negócios de importação do Brasil, especialmente, diamantes, mas também madeiras raras, como mognos e jacarandá, que colocava em Londres, tal como importação e exportação de escravos, comércio que o tornaram lendário, sendo, […]

David de Pury, óleo de Thomas Hickey, Lisboa, 1750 (c.), Hôtel de ville Neuchâtel, Suiça

David de Pury (1709-1786) Pormenor de óleo sobre tela de Thomas Hickey (1741–1824), 1750 (c.) Hôtel de ville Neuchâtel, Suiça. Levantamento para O Palácio Ratton e os fidalgos da rua Formosa, de Hélder Carita, Lisboa, Caleidoscópio, 2023, lançado depois a 12 de abril de 2024, no Tribunal Constitucional. David de Pury (Neuchâtel, 19 jan. 1709-Lisboa, 31 maio 1786), depois barão de Pury, fixou-se em Lisboa em 1736, com negócios de importação do Brasil, especialmente, diamantes, mas também madeiras raras, como mognos e jacarandá, que colocava em Londres, tal como importação e exportação de escravos, comércio que o tornaram lendário, sendo, […]

David de Pury, óleo de Thomas Hickey, Lisboa, 1750 (c.), Hôtel de ville Neuchâtel, Suiça

David de Pury (1709-1786) Óleo sobre tela de Thomas Hickey (1741–1824), 1750 (c.) Hôtel de ville  Suiça. Levantamento para O Palácio Ratton e os fidalgos da rua Formosa, de Hélder Carita, Lisboa, Caleidoscópio, 2023, lançado depois a 12 de abril de 2024, no Tribunal Constitucional. David de Pury (Neuchâtel, 19 jan. 1709-Lisboa, 31 maio 1786), depois barão de Pury, fixou-se em Lisboa em 1736, com negócios de importação do Brasil, especialmente, diamantes, mas também madeiras raras, como mognos e jacarandá, que colocava em Londres, tal como importação e exportação de escravos, comércio que o tornaram lendário, sendo, em 1762, referido […]

O Palácio Ratton e os fidalgos da rua Formosa, Hélder Carita, Lisboa, Caleidoscópio, 2023, Portugal.

Hélder Carita, O Palácio Ratton e os fidalgos da rua Formosa, Lisboa, Caleidoscópio, 2023. Lançamento depois a 12 de abril de 2024, no Tribunal Constitucional. Jácome Ratton (Monestier de Briançon, 7 jul. 1736; Lisboa, 1821 a 1822) veio muito cedo, em 1747, com os pais para Lisboa, onde continuou a educação. Veio a naturalizar-se português em 1764 e, pouco depois, investia em várias indústrias desde a tecelagem à exploração do sal, em Alcochete, tendo a sua fábrica de fiação de Tomar, pouco depois de 1789, sido a primeira a utilizar em Portugal uma máquina a vapor. Foi, entretanto, deputado do […]

Teto do gabinete de trabalho da rainha D. Amélia no Palácio da Pena, Eugénio Cotrim, 1917, Palácio da Pena, Sintra, Portugal.

Teto do gabinete de trabalho da rainha D. Amélia no Palácio da Pena (1865-1951). Campanha de pintura decorativa de Eugénio Cotrim (1849-1937), 1917. Campanha romântica inicial com supervisão de D. Fernando II (1816-1885) e execução de projeto do brigadeiro engenheiro militar Wilhelm Ludwing (1777-1855), barão von Eschwege, entre 1836 e 1840, mas obras que nessa fase duraram até 1860. Fotografia de Parques de Sintra, Monte da Lua, 2014. Palácio da Pena, Sintra, Portugal. Na campanha de reabilitação deste espaço, em 2014 e até 2016, foi levado em conta a ocupação do mesmo pela Condessa d’Edla (Elise Friederike Hensler, 1836-1929), entre […]

Gabinete de trabalho da rainha D. Amélia no Palácio da Pena, reposição de 2016, Sintra, Portugal

Gabinete de trabalho da rainha D. Amélia no Palácio da Pena (1865-1951). Campanha romântica inicial com supervisão de D. Fernando II (1816-1885) e execução de projeto do brigadeiro engenheiro militar Wilhelm Ludwing (1777-1855), barão von Eschwege, entre 1836 e 1840, mas obras que nessa fase duraram até 1860. Campanha de pintura decorativa de Eugénio Cotrim (1849-1937), 1917. Fotografia de Parques de Sintra, Monte da Lua, 2016. Palácio da Pena, Sintra, Portugal. Na campanha de reabilitação deste espaço, em 2014 e até 2016, foi levado em conta a ocupação do mesmo pela Condessa d’Edla (Elise Friederike Hensler, 1836-1929), entre cerca de […]

Maria Campina, Lisboa (?), 1940 (c.), Portugal

Maria Campina, (1914-1984). Maria de Sousa Pereira Campina Ruivo (Loulé, 1914; Faro, 1984). Aluna de composição de Luís de Freitas Branco (1890-1955) e de outros, veio a terminar o curso superior de piano com a classificação máxima de 20 valores em 7 de julho de 1933 e ganhando todos os concursos em que participou nesses anos, tornando-se um caso inédito. Em novembro de 1946 convidaram-na para fundar a Academia de Música da Madeira, onde foi professora e diretora, tendo estado no Funchal nove anos, onde deu concertos no Posto Emissor do Funchal, no Teatro Municipal Baltazar Dias, tanto a solo […]

Aspirante José Calisto Ferreira, Funchal, 3 de março de 1891, Funchal, ilha da Madeira

José Calisto Ferreira (1848-1928) Acompanhado, provavelmente, da mãe e de uma irmã, pois não temos informação do seu casamento Funchal, 3 de março de 1891 Museu de Fotografia da Madeira, Atelier Vicente’s, VIC/8065, Funchal, ilha da Madeira José Calisto Ferreira (Funchal, 20 out. 1848-idem, 13 set. 1928) assentou praça a 23 de setembro de 1869, tendo sido promovido a alferes a 20 de agosto de 1896 e reformou-se no posto de major a 23 de junho de 1910, desempenhando durante muitos anos as funções de comandante da Companhia n.º 1 da Guarda Fiscal e as de comissário da Polícia, tendo […]

Aspirante José Calisto Ferreira, Funchal, 7 de novembro de 1885, ilha da Madeira

José Calisto Ferreira (1848-1928) Funchal, 7 de novembro de 1885 Museu de Fotografia da Madeira, Atelier Vicente’s, VIC/R/001-001/000900, Funchal, ilha da Madeira José Calisto Ferreira (Funchal, 20 out. 1848-idem, 13 set. 1928) assentou praça a 23 de setembro de 1869, tendo sido promovido a alferes a 20 de agosto de 1896 e reformou-se no posto de major a 23 de junho de 1910, desempenhando durante muitos anos as funções de comandante da Companhia n.º 1 da Guarda Fiscal e as de comissário da Polícia, tendo também sido tesoureiro da delegação da Cruz Vermelha no Funchal. Amador teatral, entrou como ator […]

Ator madeirense Pato Moniz, Lisboa, 1900 (c.), Portugal

Ator madeirense Pato Moniz, (Calheta, 1863-1922). Fotografia de Lisboa, 1900 (c.) Pub. Paulo Miguel Rodrigues, in Teatro Municipal de Baltazar Dias, Funchal, Imprensa Académica, abril de 2019, p. 126. Funchal, ilha da Madeira. Como as grandes cidades europeias, também o Funchal, ao longo do século XIX, lutou pela construção de um teatro municipal, para servir de palco às principais manifestações culturais da cidade, sociais e até políticas. A localização escolhida foi a parte Sul da antiga cerca do Convento de São Francisco, onde funcionava um mercado, tendo já então a parte Norte dado origem ao chamado “jardim novo”, hoje Jardim […]

Avenida Arriaga com os Perestrellos Fotógrafos, Sociedade de Concertos e Academia de Música da Madeira, 1945 (c.), Funchal, ilha da Madeira.

Avenida Arriaga com o edifício dos Perestrellos Fotógrafos e o jardim da Sociedade de Concertos e Academia de Música da Madeira. Fotografia Perestrellos (atr.), 1945 (c.). Espaço do atual edifício Marina Forum ou Edifício do Infante. Funchal, ilha da Madeira. Manuel de Olim Perestrelo (1854-1929), fundador da emblemática casa “Perestrellos Photographos”, nascido em Machico a 28 de setembro de 1854, iniciou a sua atividade profissional em 1876 como funcionário do estúdio de João Francisco Camacho (1833-1898) e, posteriormente, em 1879, abriu o seu próprio estúdio fotográfico na sua residência situada à rua do Mosteiro Novo (atualmente rua do Seminário). A […]

Anthony Miles, fotografia de Paulo Camacho de 2002, Funchal, ilha da Madeira.

Anthony Miles. (1937-2019) Fotografia de Paulo Camacho de 2002. Funchal, ilha da Madeira. Anthony Peter de Bianchi Cossart Miles (Funchal, 30 set. 1937-idem, 25 dez. 2019), era filho de Cecil Herbert Miles (Funchal, 29 out. 1909-c. 1969) e de Margaret Bianchi Cossart, neto de Henry Alfred Miles (1876-1952) e bisneto de Henry Price Miles (1853; ?), co-proprietários e administradores da Empresa de Cervejas da Madeira e da H. P. Miles & Co., que viveram na Quinta da Cova, à Rua da Torrinha. Anthony Miles, durante muitos anos presidente da ACIF, foi um dos principais promotores de marcas como a cerveja […]

A Glimpse of Madeira, Cecil Herbert Miles, Londres, Peter Garnett, 1949, Inglaterra

A Glimpse of Madeira. Fotografia do bronze do Infante D. Henrique, 170 cm., de Leopoldo de Almeida (1898-1975), 1941, inaugurado a 28 de maio de 1947. Cecil Herbert Miles (1909-). Londres, Peter Garnett, 1949, Inglaterra. Cecil Herbert Miles (Funchal, 29 out. 1909-) era filho de Henry Alfred Miles (1876-1952) e neto de Henry Price Miles (1853; ?), co-proprietários e administradores da Empresa de Cervejas da Madeira e da H. P. Miles & Co., que viveram na Quinta da Cova, à Rua da Torrinha, onde Cecil nasceu. Veio a casar no Funchal com Margaret Bianchi Cossart, sendo pai de Anthony Peter […]

A Glimpse of Madeira, Cecil Herbert Miles, Londres, Peter Garnett, 1949, Inglaterra.

A Glimpse of Madeira. Litografia a partir de aguarela de Max Römer (1878-1960), 1945 (c.) Cecil Herbert Miles (1909-). Londres, Peter Garnett, 1949, Inglaterra. Cecil Herbert Miles (Funchal, 29 out. 1909-) era filho de Henry Alfred Miles (1876-1952) e neto de Henry Price Miles (1853; ?), co-proprietários e administradores da Empresa de Cervejas da Madeira e da H. P. Miles & Co., que viveram na Quinta da Cova, à Rua da Torrinha, onde Cecil nasceu. Veio a casar no Funchal com Margaret Bianchi Cossart, sendo pai de Anthony Peter de Bianchi Cossart Miles (Funchal, 30 set. 1937-idem, 25 dez. 2019), […]

Menino Jesus Salvatori Mundi, oficina portuguesa, 1790 (c.), Funchal, ilha da Madeira.

Menino Jesus Salvatori Mundi. Madeira entalhada, dourada e pintada, 53 cm. Oficina portuguesa de finais do século XVIII a inícios do XIX,  1790 (c.) Coroa de prata filigranada, XIX/XX Oratório de oficina do Funchal dos finais do século XVIII ou inícios do XIX dentro do gosto da oficina Estêvão Teixeira de Nóbrega (1746-1833). Fotografia de 8 de maio de 2024. Colecção Rui e Joana Carita, Funchal, ilha da Madeira. Figura dentro da iconografia dos Salvador Mundi, assenta em peanha dourada encimada pelo Mundo num artificialismo algo insólito. O braço foi restaurada pelo mestre Julian Gracia Rosado, por altura da exposição […]

Menino Jesus Salvatori Mundi, oficina portuguesa, 1790 (c.), Funchal, ilha da Madeira.

Menino Jesus Salvatori Mundi. Madeira entalhada, dourada e pintada, 53 cm. Oficina portuguesa de finais do século XVIII a inícios do XIX,  1790 (c.) Coroa de prata filigranada, XIX/XX Oratório de oficina do Funchal dos finais do século XVIII ou inícios do XIX dentro do gosto da oficina Estêvão Teixeira de Nóbrega (1746-1833). Fotografia de 8 de maio de 2024. Colecção Rui e Joana Carita, Funchal, ilha da Madeira. Figura dentro da iconografia dos Salvador Mundi, assenta em peanha dourada encimada pelo Mundo num artificialismo algo insólito. O braço foi restaurada pelo mestre Julian Gracia Rosado, por altura da exposição […]

Barrete do infante Fernando de la Cerda, oficina da Andaluzia (atr.), 1255 a 1275, Mosteiro das Huelgas, Burgos, Espanha.

Barrete do infante Fernando de la Cerda. (1255-1275) Cerda bordada com pedraria. Artista moçárabe (?) da Andaluzia, 1255 a 1275. Mosteiro das Huelgas, Burgos, Espanha. Barrete bordado com as armas de Fernando de la Cerda, por certo por artista moçárabe. Exposto in Vestiduras ricas. El Monasteiro de las Huelgas y su época (1170 – 1340), 16 de março a 16 de junho de 2005, Palácio Real de Madrid.

Barrete do infante Fernando de la Cerda, oficina da Andaluzia (atr.), 1255 a 1275, Mosteiro das Huelgas, Burgos, Espanha.

Barrete do infante Fernando de la Cerda. (1255-1275) Cerda bordada com pedraria. Artista moçárabe (?) da Andaluzia, 1255 a 1275. Mosteiro das Huelgas, Burgos, Espanha. Barrete bordado com as armas de Fernando de la Cerda, por certo por artista moçárabe. Exposto in Vestiduras ricas. El Monasteiro de las Huelgas y su época (1170 – 1340), 16 de março a 16 de junho de 2005, Palácio Real de Madrid.

António Nobre, Funchal, 15 de abril de 1899, ilha da Madeira

António Nobre (1867-1900) Fotografia de 15 de abril de 1899. Photographia-Museu Vicentes, VIC/13252, Funchal. Ilha da Madeira. António Nobre (Porto, 16 ago. 1867-idem, 18 mar. 1900), nasceu no meio de uma abastada família nortenha. Tentou, primeiro, uma carreira diplomática, mas acabou por se dedicar à sua paixão – a poesia, tendo a sua obra mais emblemática, Só, sido publicada em 1892, em Paris e que em reedição de, já apresenta com a reprodução deste trabalho de Tomás Costa (1861-1932). Na sequência do seu estado débil de saúde, esteve na Madeira, de 3 de fevereiro de 1898 a 24 de abril […]

Inauguração do busto de António Nobre, Funchal, 28 de dezembro de 1941, ilha da Madeira

Inauguração do busto de António Nobre (1867-1900) Bronze de Tomás Costa, Paris, 1898, reproduzido em 1941 Museu de Fotografia da Madeira, Atelier Vicente‘s, Coleção Perestrellos, PER 4458,  28 de dezembro de 1941. Insc. A António Nobre, que aqui viveu e cantou. Homenagem da Câmara Municipal do Funchal, Dezembro de 1941. Jardim António Nobre, Funchal, ilha da Madeira. António Nobre (Porto, 16 ago. 1867-idem, 18 mar. 1900), nasceu no meio de uma abastada família nortenha. Tentou, primeiro, uma carreira diplomática, mas acabou por se dedicar à sua paixão – a poesia, tendo a sua obra mais emblemática, Só, sido publicada em […]

Guilhermina da Luz, Funchal, 2015 (c.), ilha da Madeira

Guilhermina da Luz   (Ponta do Sol, 1947-Funchal, 15 de fevereiro de 2019). Fotografia de 2015 (c.). Funchal, ilha da Madeira. Guilhermina da Luz Camacho da Silva, nasceu na Ponta de Sol, Madeira, em 1947. Viveu alguns anos em Angola e, desde os anos setenta, no Funchal. Concluiu o Curso Superior de Artes Plásticas/Pintura no Instituto Superior de Artes Plásticas da Madeira (ISAPM), mais tarde Instituto Superior de Arte e Design (ISAD) da Universidade da Madeira, onde foi docente de 1981 a 2006. De 1985 a 1993 desenvolveu um plano de investigação serigráfica denominado “A Serigrafia Artística, ou a Técnica […]

Jaz Morto e Arrefece O Menino de Sua Mãe, Clara Menéres, 1973, Fundação Calouste Gulbenkian, maio de 2018, Lisboa, Portugal

Jaz Morto e Arrefece O Menino de Sua Mãe, Clara Menéres (Braga, 22 ago. 1943-Lisboa, 10 maio 2018), 1973. Museu do Santuário de Fátima. Exposição Pós-Pop, Fora do Lugar Comum, na galeria principal da Fundação Calouste Gulbenkian, maio de 2018. Lisboa, Portugal A exposição Pós-Pop, Fora do Lugar Comum, na galeria principal da Fundação Calouste Gulbenkian, maio de 2018, exibiu obras realizadas por artistas portugueses e ingleses no período entre os anos 1965 e 1975. Duas datas que definem um período em que Portugal vivia o tempo dramático das guerras coloniais, a de Angola tinha começado em 1961, Guiné-Bissau 1963, Moçambique 1964, até à Revolução de Abril […]

Paquetes no Porto do Funchal, novembro de 2018, ilha da Madeira.

Paquetes no Porto do Funchal. Fotografia de novembro de 2018. Funchal. Ilha da Madeira.

Tamborete-perfumador de um par, China, 1965 a 1970, proveniente de Moçambique.

Tamborete-perfumador de um par. Garden seat ou garden stool Porcelana chinesa de decoração azul e branca, 37 x 24 cm. (diam.) Oficina chinesa de 1965 a 1970, adquirido no Man Kay em Lourenço Marques, hoje Maputo, Moçambique, em 1970. Fotografia de 8 de maio de 2024. Coleção Rui e Joana Carita, casa do Funchal, ilha da Madeira. Este tipo de tamborete oriundo da China, utilizados como perfumadores, gozaram da fama de se terem inspirado nas barricas e pipas portuguesas de madeira, que teriam despertado enorme admiração no Oriente, pois que alguns exemplares repetem mesmo as cintas metálicas e os pregos […]

Jaz Morto e Arrefece O Menino de Sua Mãe, Clara Menéres, Clara Menéres, 1973, Museu do Santuário de Fátima, 1 de maio de 2024, Portugal

Jaz Morto e Arrefece O Menino de Sua Mãe, Clara Menéres (Braga, 22 ago. 1943-Lisboa, 10 maio 2018), 1973. Visita temática, Fátima e a Guerra Colonial a partir de uma escultura hiper-realista Museu do Santuário de Fátima, 1 de maio de 2024. Fátima, Portugal Peça que, entre outros eventos, integrou a exposição Pós-Pop, Fora do Lugar Comum, na galeria principal da Fundação Calouste Gulbenkian, maio de 2018, que exibiu obras realizadas por artistas portugueses e ingleses no período entre os anos 1965 e 1975. Duas datas que definem um período em que Portugal vivia o tempo dramático das guerras coloniais, a de Angola […]

Jaz Morto e Arrefece O Menino de Sua Mãe, Clara Menéres, 1973, Fundação Calouste Gulbenkian, maio de 2018, Lisboa, Portugal

Jaz Morto e Arrefece O Menino de Sua Mãe, Clara Menéres (Braga, 22 ago. 1943-Lisboa, 10 maio 2018), 1973. Museu do Santuário de Fátima. Exposição Pós-Pop, Fora do Lugar Comum, na galeria principal da Fundação Calouste Gulbenkian, maio de 2018. Lisboa, Portugal A exposição Pós-Pop, Fora do Lugar Comum, na galeria principal da Fundação Calouste Gulbenkian, maio de 2018, exibiu obras realizadas por artistas portugueses e ingleses no período entre os anos 1965 e 1975. Duas datas que definem um período em que Portugal vivia o tempo dramático das guerras coloniais, a de Angola tinha começado em 1961, Guiné-Bissau 1963, Moçambique 1964, até à Revolução de Abril […]

Carlo de Bianchi, desenho de Luís Bernes, Semana Ilustrada, Funchal, 1900 (c.), ilha da Madeira

Carlos de Bianchi, (1833-1910). Carlo de Bianchi (Funchal, 17 nov. 1834; idem, 2 jun. 1910). Filho de João António Bianchi, da Lombardia e de Nicoleta Bianchi, de Génova, estudou na casa dos familiares de sua mãe, vindo para a Madeira encarregado de montar o consulado austríaco, cargo que exerceria durante 55 anos, dado que a Lombardia, à época, dependia daquele Império. Exerceu ainda os lugares de vice-cônsul e cônsul de Espanha e da Bélgica. Gravura da Semana Ilustrada, Luís António Bernes (1865-1936), Funchal, 1900 (c.) Pub. Paulo Miguel Rodrigues, in Teatro Municipal de Baltazar Dias, Funchal, Imprensa Académica, abril de […]

Manuel dos Passos Freitas, Re-Nhau-Nhau, Funchal, 1933, ilha da Madeira

Manuel dos Passos Freitas, (1872-1952). Manuel dos Passos Freitas (Calheta, 03/03/1872 – 20/04/1952) Advogado, proprietário, bandolinista, regente musical e secretário da Associação Comercial do Funchal destacou-se pela fundação e direção artística do grupo musical Dr. Passos Freitas e do Orfeão Madeirense. Foi igualmente uma personalidade de relevo na difusão do bandolim na Madeira e na promoção de um repertório musical clássico, que se distinguia da música ligeira de teatro que dominava a prática musical na sua época. Natural do concelho da Calheta, Manuel dos Passos Freitas (1872-1952) destacou-se no domínio musical pela sua liderança e capacidade de organização, tendo fundado […]

Cartaz do Teatro D. Maria Pia de espetáculo da Companhia de Variedades de Francisco Franco, Funchal, 27 de janeiro de 1898, ilha da Madeira

Cartaz do Teatro D. Maria Pia de espetáculo da Companhia de Variedades de Francisco Franco Funchal, 27 de janeiro de 1898. Pub. Paulo Miguel Rodrigues, in Teatro Municipal de Baltazar Dias, Funchal, Imprensa Académica, abril de 2019, p. 325. Funchal, ilha da Madeira. Como as grandes cidades europeias, também o Funchal, ao longo do século XIX, lutou pela construção de um teatro municipal, para servir de palco às principais manifestações culturais da cidade, sociais e até políticas. A localização escolhida foi a parte Sul da antiga cerca do Convento de São Francisco, onde funcionava um mercado, tendo já então a […]

Carnaval de 1898, cartaz do Teatro D. Maria Pia dos espetáculos da Companhia de Variedades Francisco Franco, Funchal, março de 1898, ilha da Madeira

Carnaval de 1898, Cartaz do Teatro D. Maria Pia dos espetáculos da Companhia de Variedades Francisco Franco, março de 1898. Pub. Paulo Miguel Rodrigues, in Teatro Municipal de Baltazar Dias, Funchal, Imprensa Académica, abril de 2019, p. 322. Funchal, ilha da Madeira. Como as grandes cidades europeias, também o Funchal, ao longo do século XIX, lutou pela construção de um teatro municipal, para servir de palco às principais manifestações culturais da cidade, sociais e até políticas. A localização escolhida foi a parte Sul da antiga cerca do Convento de São Francisco, onde funcionava um mercado, tendo já então a parte […]

Edmundo Lomelino, Funchal, 1940 (c.), ilha da Madeira

Edmundo Lomelino, (1886-1962). Edmundo da Conceição Lomelino, nascido no Funchal, a 8 dez. 1886, entrou para o Exército e para a arma de Infantaria, integrando o Corpo Expedicionário Português em França (1916-1918), mas tendo-se dedicado quase desde sempre à música e ao teatro, como compositor e intérprete, especialmente de obras para piano. Participou em quase todas as principais revistas e outras obras teatrais musicais levadas à cena nas décadas de 20 a 60 no Funchal. Faleceu também no Funchal, a 15 de abril de 1962. Funchal, 1940 (c.) Pub. Paulo Miguel Rodrigues, in Teatro Municipal de Baltazar Dias, Funchal, Imprensa […]

A Virgem de Goa, 1630 (c.), folheto Dar a Ver, 11 de maio de 2024, Casa Colombo, Museu do Porto Santo e dos Descobrimentos Portugueses, Porto Santo

Folheto Dar a Ver da DSMPC/DRC, A Virgem de Goa, para 11 de maio de 2024, às 18h:00. Visita orientada por Francisco Clode, Marfim de oficina de Goa, 1630 (c.) Casa Colombo, Museu do Porto Santo e dos Descobrimentos Portugueses. Porto Santo, Região Autónoma da Madeira. Desde meados do século XVI e por todo o século XVII, Goa será a sede do comercio português no Oriente, mas também a ancora da missionação. Os artífices locais interpretaram novos conceitos e novas imagens, que nascem dessa simbiose entre oriente e ocidente.

Noli me tangere, óleo de Martim Conrado, 1653, folheto Dar a Ver, 10 de maio de 2024, igreja matriz de Nossa Senhora da Piedade do Porto Santo

Folheto Dar a Ver da DSMPC/DRC,  Noli me tangere, para 10 de maio de 2024, às 19h:00. Visita orientada por Rita Rodrigues, Pintura a óleo de Martim Conrado, 1653. Fotografia de Fábio Brito de 2024. Retábulo do Santíssimo da igreja matriz de Nossa Senhora da Piedade do Porto Santo. Largo do Pelourinho, Porto Santo, Região Autónoma da Madeira. Pintura do século XVII, «Noli me tangere» (“Não me toques”), assinada, em 1653, pelo pintor protobarroco português Martim Conrado e que se encontra exposta numa capela lateral da igreja, evoca o episódio descrito por São Marcos e São João, nos seus Evangelhos, […]

Noli me tangere, óleo de Martim Conrado, 1653, folheto Dar a Ver, 10 de maio de 2024, igreja matriz de Nossa Senhora da Piedade do Porto Santo

Noli me tangere. Pintura a óleo de Martin Conrado, 1653. Fotografia de Fábio Brito de 2024. Visita orientada por Rita Rodrigues, Folheto Dar a Ver da DSMPC/DRC, para 10 de maio de 2024, às 19h:00. Retábulo do Santíssimo da igreja matriz de Nossa Senhora da Piedade do Porto Santo. Largo do Pelourinho, Porto Santo, Região Autónoma da Madeira. Pintura do século XVII, «Noli me tangere» (“Não me toques”), assinada, em 1653, pelo pintor protobarroco português Martim Conrado e que se encontra exposta numa capela lateral da igreja, evoca o episódio descrito por São Marcos e São João, nos seus Evangelhos, […]

História da Ilha da Madeira do doutor Manuel Constantino, tradução do P.e João Baptista de Afonseca com prefácio e anotações do P.e Fernando Augusto da Silva, Funchal, 1930, ilha da Madeira

Doutor Manuel Constantino, História da Ilha da Madeira Versão portuguesa do P.e João Baptista de Afonseca (1877-1947) com prefácio e anotações do P.e Fernando Augusto da Silva (1863-1949) Tipografia do Diário da Madeira, Funchal, 1930. Tradução da obra Insulae Materiae Historia, dedicada a Filipe II de Espanha (I de Portugal), Roma, 1599, Itália. Padre Manuel Constantino (?-1614), humanista, poeta e prosador, nasceu no Funchal, em data que se desconhece, e faleceu a 28 de novembro de 1614 em Roma, cidade onde foram publicadas, em latim, todas as suas obras. Cursou Filosofia na Univ. de Coimbra e doutorou-se em Teologia na […]

Banda Distrital do Funchal, Guerrilhas, Funchal, 1922, ilha da Madeira.

Banda Distrital do Funchal, Guerrilhas. (Fundada em 1875). Funchal, 1922. Pub. Paulo Miguel Rodrigues, in Teatro Municipal de Baltazar Dias, Funchal, Imprensa Académica, abril de 2019, p. 295. Funchal, ilha da Madeira. Como as grandes cidades europeias, também o Funchal, ao longo do século XIX, lutou pela construção de um teatro municipal, para servir de palco às principais manifestações culturais da cidade, sociais e até políticas. A localização escolhida foi a parte Sul da antiga cerca do Convento de São Francisco, onde funcionava um mercado, tendo já então a parte Norte dado origem ao chamado “jardim novo”, hoje Jardim Municipal. […]

Círculo Bandolinístico da Madeira com Carlos Santos, Funchal, 1929, ilha da Madeira.

Círculo Bandolinístico da Madeira com Carlos Santos, (1893-1955). Carlos Maria dos Santos (Funchal, 22 jul. 1893; idem, 6 out. 1955). Filho de João Pontes dos Santos e de Maria Teodora dos Santos, cursou a Escola Comercial do Funchal, quando ainda anexa à Associação Comercial do Funchal, trabalhando na indústria de bordados. Desde muito cedo com especial apetência para a música, veio a fundar um grupo de bandolins, que atuou pelos arquipélagos atlânticos, assim como grupos folclóricos, como o da Camacha, tendo sido o primeiro autor a dedicar-se de uma forma segura ao folclore madeirense, quer música, como letras e indumentárias, […]

Carlos Santos, Funchal, 1930 (c.), ilha da Madeira.

Carlos Santos. (1893-1955). Carlos Maria dos Santos (Funchal, 22 jul. 1893; idem, 6 out. 1955). Filho de João Pontes dos Santos e de Maria Teodora dos Santos, cursou a Escola Comercial do Funchal, quando ainda anexa à Associação Comercial do Funchal, trabalhando na indústria de bordados. Desde muito cedo com especial apetência para a música, veio a fundar um grupo de bandolins, que atuou pelos arquipélagos atlânticos, assim como grupos folclóricos, como o da Camacha, tendo sido o primeiro autor a dedicar-se de uma forma segura ao folclore madeirense, quer música, como letras e indumentárias, sendo uma das referências insulares […]

A Madrugada dos Generais, António de Spínola e o Programa do Movimento das Forças Armadas, Público Magazine, n. 207, Lisboa, 20 de fevereiro de 1994, Portugal.

A Madrugada dos Generais. Público Magazine, n. 207, Lisboa, 20 de fevereiro de 1994 Apresentação do general António de Spínola do Programa do Movimento das Forças Armadas perante os elementos da Junta de Salvação Nacional. Rádio Televisão Portuguesa, Luís Ramos, 26 de Abril de 1974, Portugal. António Sebastião Ribeiro de Spínola (Estremoz, 11 abr. 1910; Lisboa, 13 ago. 1996). Aluno do Colégio Militar, seguiu a carreira militar até aos mais altos postos, sendo governador da Guiné em 1968 e, novamente, em 1972, onde desenvolve intensa atividade militar e diplomática, contactando com diversos líderes africanos, como Leopoldo Sedar Senghor (1906-2001). Regressa […]

Carta da costa de África, Pedro Reinel, 1485 (c.), Arquivos da Gironda, Bordéus, França

Carta da costa de África. Pergaminho iluminado 71,1 x 94,8 cm. Pedro Reinel me fez, 1485 (c.) (c. 1462-c. 1542) Arquivos da Gironda, Bordéus, França. Trata-se, em princípio da mais antiga carta náutica portuguesa assinada.

Poema de Sofia de Melo Breiner Andresen, 1974, entrada da Biblioteca da Nazaré, Portugal

Esta é a madrugada que eu esperava O dia inicial inteiro e limpo Onde emergimos da noite e do silêncio E livres habitamos a substância do tempo Poema de Sofia de Mello Breyner Andresen (1919-2004), do livro “O Nome das Coisas” (1977), in Obra Poética, da editora Assírio e Alvim, 2015. Fotografia de Teresa Nascimento. Entrada da Biblioteca da Nazaré, Portugal

Dr. Adolfo de Sousa Brazão, antigo Hospital dos Marmeleiros, 9 de junho de 1962, Monte, Funchal, ilha da Madeira

Dr. Adolfo de Sousa Brazão (1923-2008), Consulta com um dador de sangue no Hospital da Santa Casa da Misericórdia do Funchal (atual Hospital dos Marmeleiros), freguesia do Monte. Perestrellos Photographos, 9 de junho de 1962 6 x 6 cm | Negativo simples, película | Gelatina sais de prata MFM-AV, Inv. PER/9367, em depósito no ABM. Museu de Fotografia da Madeira – Atelier Vicente’s, Funchal, ilha da Madeira Dr. Adolfo de Sousa Brazão (n. 17/01/1923; f. 25/10/2008), foi um prestigiado médico madeirense de medicina geral, que foi o primeiro diretor do serviço de imunohemoterapia na Madeira e Comendador da Ordem do […]

Adolfo e Teresa de Freitas Brazão, fardados da Mocidade Portuguesa e das Guias de Portugal, Funchal, 1964 (c.), ilha da Madeira.

Adolfo e Teresa de Freitas Brazão () e (1952-): Fardados da Mocidade Portuguesa e das Guias de Portugal, 1964 (c.). Funchal, ilha da Madeira. O advogado Dr. Adolfo de Freitas Brazão e a pintora Teresa de Freitas Brazão (1952-) eram filhos do Dr. Adolfo de Sousa Brazão (n. 17/01/1923; f. 25/10/2008), que foi um prestigiado médico madeirense de medicina geral, primeiro diretor do serviço de imunohemoterapia na Madeira e comendador da Ordem do Mérito (1994).

Costa Norte da Madeira, óleo de Teresa Brazão, abril de 2024, São Vicente, ilha da Madeira.

Costa Norte da Madeira. Óleo sobre tela. Teresa de Freitas Brazão (1952-), abril de 2024. Ginjas, São Vicente, ilha da Madeira.

Convite para a apresentação de A Lapinha de Francisco Ferreira, o Caseiro, Museu Etnográfico da Ribeira Brava, 12 de março de 2024, ilha da Madeira

Convite para a apresentação de A Lapinha de Francisco Ferreira, o Caseiro (1848-1931) Museu Etnográfico da Ribeira Brava, 12 de março de 2024, ilha da Madeira. A mais célebre lapinha da Madeira teria sido a do Caseiro do Monte, Francisco Ferreira (1848-1931), por alcunha “o Caseiro“, dado ter sido caseiro das freiras de Santa Clara, que construiu ele próprio a sua lapinha, em madeira entalhada a canivete e depois pintada com tintas que o próprio fabricava, tendo esculpido as suas primeiras imagens aos 14 anos de idade. Viria a casar com Maria Augusta Fernandes (1851-1937), natural da Calheta, a qual […]

Casamento de Danilo e Violante Saramago de Matos, Diário de Notícias, Funchal, 1971, ilha da Madeira

Casamento de Danilo e Violante Saramago de Matos (1942-) e (1947-). Diário de Notícias, Funchal, 1971, ilha da Madeira Danilo de Matos (Santa Cruz, 1942-). Filho de José Nicolau Tolentino de Matos e de Maria da Graça Matias Matos, licenciou-se em Engenharia Civil, em Lisboa, mas desenvolvendo desde muito novo uma certa intervenção política, especialmente na inspiração do irmão mais velho, o advogado Arnaldo de Matos (1939-2019), depois fundador do mítico PCTP/MRPP, o “grande educador da classe operária”, epíteto que lhe foi dado por Natália Correia (1923-1983). Veio a desenvolver grande parte da sua atividade profissional na Câmara Municipal do […]

João Pedro Fins do Lago, embaixador de Portugal em Caracas, Rainer Sousa, português na Venezuela, 9 de junho de 2022, Venezuela

João Pedro Fins do Lago, embaixador de Portugal em Caracas. Cartaz de entrevista de Rainer Sousa, português na Venezuela Caracas, 9 de junho de 2022, Venezuela

Convite do embaixador João Pedro Fins do Lago para as celebrações do Dia de Portugal em Caracas, 13 de junho de 2022, Venezuela.

Convite do embaixador João Pedro Fins do Lago e Seu Marido, Jorge Gameiro, para as celebrações do Dia de Portugal em Caracas. Caracas, 13 de junho de 2022. Caracas, Venezuela.  

50 Anos, 50 Vozes, 50 Mulheres, coordenação de Violante Saramago Matos, Lisboa, Edições Esgotadas, abril de 2024, Portugal.

50 Anos, 50 Vozes, 50 Mulheres, coordenação de Violante Saramago Matos, Lisboa, Edições Esgotadas, abril de 2024, Portugal. Neste livro, com coordenação de Violante Saramago Matos, 50 mulheres partilham com os leitores a forma como viveram a revolução de Abril, com os seus testemunhos enquadrados num passado em que não conseguiam fazer ouvir a sua voz. Eu fiquei, por opção, de fora. Basta que aqui diga que era estudante universitária com militância partidária; que nesse dia 25 tinha (porque foi cancelada) uma jornada de propaganda para a convocação do 1º de Maio; que o meu marido estava na clandestinidade e […]

A arte caricatural de Paulo Sá Braz, Luís Rocha in Revista do Diário, Funchal, 4 de fevereiro de 1996, p. 11, ilha da Madeira.

A arte caricatural de Paulo Sá Braz (1919-2003) Pub. Luís Rocha in Revista do Diário, Funchal, 4 de fevereiro de 1996, p. 11. Artur Rubinstein (1887-1982), Francisco Lucas Pires (1944-1998) e Augusto Cid (1941-2019), Paulo Sá Braz , 1982 a 1993. Exemplar do ABM, ilha da Madeira Manuel Paulo Sá Braz (Fx. 16 set. 1919-2003) Começou por estudar Desenho na então Escola Industrial e Comercial do Funchal, na Rua de Santa Maria Maior, com os pintores Alfredo Miguéis (1883-1943) e Américo Tavares, mas curso que acabou por não concluir, embora profissionalmente fosse a área que seguiria, a de desenhador de […]

A arte caricatural de Paulo Sá Braz, Luís Rocha in Revista do Diário, Funchal, 4 de fevereiro de 1996, p. 10, ilha da Madeira.

A arte caricatural de Paulo Sá Braz (1919-2003) Pub. Luís Rocha in Revista do Diário, Funchal, 4 de fevereiro de 1996, p. 10. Jorge Nuno Pinto da Costa (1937-), Álvaro Siza Vieira (1933-), Roberto Merino (1952-) e Rui Carita (1946-), Paulo Sá Braz , 1979 a 1993. Exemplar do ABM, ilha da Madeira Manuel Paulo Sá Braz (Fx. 16 set. 1919-2003) Começou por estudar Desenho na então Escola Industrial e Comercial do Funchal, na Rua de Santa Maria Maior, com os pintores Alfredo Miguéis (1883-1943) e Américo Tavares, mas curso que acabou por não concluir, embora profissionalmente fosse a área […]

A arte caricatural de Paulo Sá Braz, Luís Rocha in Revista do Diário, Funchal, 4 de fevereiro de 1996, p. 9, ilha da Madeira.

A arte caricatural de Paulo Sá Braz (1919-2003) Pub. Luís Rocha in Revista do Diário, Funchal, 4 de fevereiro de 1996, p. 9. Alberto João Jardim (1943-), Paulo Sá Braz , 1993. Exemplar do ABM, ilha da Madeira Manuel Paulo Sá Braz (Fx. 16 set. 1919-2003) Começou por estudar Desenho na então Escola Industrial e Comercial do Funchal, na Rua de Santa Maria Maior, com os pintores Alfredo Miguéis (1883-1943) e Américo Tavares, mas curso que acabou por não concluir, embora profissionalmente fosse a área que seguiria, a de desenhador de arquitetura e de construção civil. Num curto tempo viria […]

O Manuel Paulo das caricaturas, Luís Rocha in Revista do Diário, Funchal, 4 de fevereiro de 1996, ilha Madeira

O Manuel Paulo das caricaturas Luís Rocha in Revista do Diário, Funchal, 4 de fevereiro de 1996, ilha Madeira D. Duarte de Bragança (1945-), Paulo Sá Braz (1919-2003), 1993. Exemplar do ABM, ilha da Madeira Manuel Paulo Sá Braz (Fx. 16 set. 1919-2003) Começou por estudar Desenho na então Escola Industrial e Comercial do Funchal, na Rua de Santa Maria Maior, com os pintores Alfredo Miguéis (1883-1943) e Américo Tavares, mas curso que acabou por não concluir, embora profissionalmente fosse a área que seguiria, a de desenhador de arquitetura e de construção civil. Num curto tempo viria a colaborar no […]

Projeto de reconstrução e regularização da Ribeira de Santa Luzia, dezembro de 2015, Funchal, ilha da Madeira.

Projeto de reconstrução e regularização da Ribeira de Santa Luzia. Campanha de obras de 1900 e seguintes. Projeto de dezembro de 2015. Fotografia do Eng.º Danilo de Matos, 9 de julho de 2016. Rua dos Netos e antiga Rua do Príncipe (D. João VI, 1767-1826), depois Rua 5 de Outubro, São Pedro, e antiga Rua da Princesa (D. Carlota Joaquina, 1775-1830), depois Rua 31 de Janeiro, Santa Luzia, Funchal, ilha da Madeira. Ponte Nova da Rua dos Netos de que há fotografia da sua construção em 1900.

Arco da Ponte Nova da Ribeira de Santa Luzia, campanha de obras de 1900 e seguintes, Funchal, ilha da Madeira.

Arco da Ponte Nova da Ribeira de Santa Luzia. Campanha de obras de 1900 e seguintes. Fotografia do Eng.º Danilo de Matos, 9 de julho de 2016. Rua dos Netos e antiga Rua do Príncipe (D. João VI, 1767-1826), depois Rua 5 de Outubro, São Pedro, Funchal, ilha da Madeira. Ponte Nova da Rua dos Netos de que há fotografia da sua construção em 1900.

Obras na Ponte Nova da Ribeira de Santa Luzia, 9 de julho de 2016, Funchal, ilha da Madeira.

Obras na Ponte Nova da Ribeira de Santa Luzia. Fotografia do Eng.º Danilo de Matos, 9 de julho de 2016. Rua dos Netos e antiga Rua do Príncipe (D. João VI, 1767-1826), depois Rua 5 de Outubro, São Pedro, Funchal, ilha da Madeira. Ponte Nova da Rua dos Netos de que há fotografia da sua construção em 1900.

Obras na Ponte Nova da Ribeira de Santa Luzia, 9 de julho de 2016, Funchal, ilha da Madeira.

Obras na Ponte Nova da Ribeira de Santa Luzia. Fotografia do Eng.º Danilo de Matos, 9 de julho de 2016. Rua dos Netos e antiga Rua do Príncipe (D. João VI, 1767-1826), depois Rua 5 de Outubro, São Pedro, Funchal, ilha da Madeira. Ponte Nova da Rua dos Netos de que há fotografia da sua construção em 1900.

Obras na Ponte Nova da Ribeira de Santa Luzia, 9 de julho de 2016, Funchal, ilha da Madeira.

Obras na Ponte Nova da Ribeira de Santa Luzia. Fotografia do Eng.º Danilo de Matos, 9 de julho de 2016. Rua da Ponte Nova e antiga Rua da Princesa (D. Carlota Joaquina, 1775-1830), depois Rua 31 de Janeiro, Santa Luzia, Funchal, ilha da Madeira. Ponte Nova da Rua dos Netos de que há fotografia da sua construção em 1900.

Ponte Nova da Rua dos Netos sobre a Ribeira de Santa Luzia, bilhete-postal animado, 1905 (c.), Funchal, ilha da Madeira.

Ponte Nova da Rua dos Netos sobre a Ribeira de Santa Luzia. Antiga Rua do Príncipe (D. João VI, 1767-1826), hoje Rua 5 de Outubro, Funchal. Bilhete-postal animado, 1905 (c.). Coleção particular, Funchal, ilha da Madeira. Ponte de que há fotografia da sua construção em 1900.

Ponte Nova da Rua dos Netos sobre a Ribeira de Santa Luzia, bilhete-postal, 1905 (c.), Funchal, ilha da Madeira.

Ponte Nova da Rua dos Netos sobre a Ribeira de Santa Luzia. Antiga Rua da Princesa (D. Carlota Joaquina, 1775-1830), hoje Rua 31 de Janeiro, Funchal. Bilhete-postal animado, 1905 (c.). Coleção particular, Funchal, ilha da Madeira. Ponte de que há fotografia da sua construção em 1900.

Efeitos da aluvião de 20 de fevereiro de 2010 na Rua 31 de Janeiro, Funchal, ilha da Madeira

Efeitos da aluvião de 20 de fevereiro de 2010 na Rua 31 de Janeiro Em fundo a Ponte de D. Manuel Portugal e Castro, projeto do tenente-coronel Paulo Dias de Almeida (1787-1854) e execução do engenheiro camarário Vicente de Paula Teixeira de Nóbrega (1785-1855) (atr.), 1824 a 1828. Fotografia da tarde de 20 de fevereiro de 2010. Antiga Rua da Princesa (D. Carlota Joaquina, 1775-1830), hoje Rua 31 de Janeiro, Funchal, ilha da Madeira. Esta aluvião da manhã de 20 de fevereiro de 2010 arrasou especialmente as vias de comunicação da baixa do Funchal, fazendo saltar várias das pontes das […]

Quinta de Santa Luzia, 1826 (c.), 1890 (c.) e seguintes, Funchal, ilha da Madeira.

Quinta de Santa Luzia. Campanha de 1826 (c.) com reforma de mestre local de 1890 (c.) e seguintes. Fotografia Villa Quinta de Santa Luzia de 2020. Rua de Santa Luzia, 113, Funchal, ilha da Madeira. Teria sido adquirida por John Blandy (1783-1855), em 1826, passando depois a residência da família. Entre outros, ali residia John Ernest Blandy (1866-1930) em 1926 (ci. Noël Cossart (1907-1987), Madeira the island vineyard, Londres, 1984, p. 44)

Rua da Levada de Santa Luzia, 1940 (c.), Funchal, ilha da Madeira

Rua da Levada de Santa Luzia. Cruzamento com a Rua de Santa Luzia Mestre camarário, 1940 (c.) e seguintes. Fotografia de Danilo de Matos, 27 de setembro de 2010. Rua da Levada de Santa Luzia, Funchal, ilha da Madeira.

Fonte de parede com bacia e reservatório, porcelana chinesa com decoração família verde de exportação do reinado Kangxi, 1700 a 1720 (c.), China.

Fonte de parede com bacia e reservatório. Fonte e bacia de porcelana chinesa, família verde Porcelana branca com decoração policromada. Fonte: Alt.: 42 cm.; Bacia: 32,7 cm. Oficina da dinastia Qing, período Kangxi (1662; 1722), 1700 a 1720 (c.). Christie’s, Nova Iorque, Art of Asia, lote 93, 25 nov – 10 dec 2021, tendo sido vendida por 6,625 USD. Fonte de parede, bacia e reservatório com tampa em porcelana chinesa dita Companhia das Índias, feita para exportação para o mercado europeu no reinado Kangxi. Decoração com ricos esmaltes em tons de rouge de fer e da família verde, representando grandes […]

Fonte de parede com bacia e reservatório, porcelana chinesa com decoração família verde de exportação do reinado Kangxi, 1700 a 1720 (c.), China.

Fonte de parede com bacia e reservatório. Fonte e bacia de porcelana chinesa, família verde Porcelana branca com decoração policromada. Fonte: Alt.: 42 cm.; Bacia: 32,7 cm. Oficina da dinastia Qing, período Kangxi (1662; 1722), 1700 a 1720 (c.). Christie’s, Nova Iorque, Art of Asia, lote 93, 25 nov – 10 dec 2021, tendo sido vendida por 6,625 USD. Fonte de parede, bacia e reservatório com tampa em porcelana chinesa dita Companhia das Índias, feita para exportação para o mercado europeu no reinado Kangxi. Decoração com ricos esmaltes em tons de rouge de fer e da família verde, representando grandes […]

Fonte de parede com bacia e reservatório, porcelana chinesa de exportação do reinado Kangxi, 1700 a 1720 (c.), Funchal, ilha da Madeira.

Fonte de parede com bacia e reservatório. Fonte e bacia de porcelana chinesa, família verde Porcelana branca com decoração policromada. Fonte: Alt.: 45 cm.; Bacia: 42,2 x 33,5 cm. Oficina da dinastia Qing, período Kangxi (1662; 1722), 1700 a 1720 (c.). Pub. in Exposição de porcelanas da Companhia das Índias, catálogo com coordenação do Dr. Frederico de Freitas (1894-1978), Dr. José Leite Monteiro (II) (1898-1963) e Eng. Luís Peter Clode (1904-1990); cooperação de Cecil Herbert Miles e George Welsh (1895-1981) Museu da Quinta das Cruzes, setembro a outubro de 1960, exposição integrada nas Comemorações do Quinto Centenário da Morte do […]

Exposição de porcelanas da Companhia das Índias, catálogo, Museu da Quinta das Cruzes, setembro a outubro de 1960, Funchal, JGDAF, 1960, ilha da Madeira

Exposição de porcelanas da Companhia das Índias Catálogo com coordenação do Dr. Frederico de Freitas (1894-1978), Dr. José Leite Monteiro (II) (1898-1963) e Eng. Luís Peter Clode (1904-1990); Cooperação de Cecil Herbert Miles e George Welsh (1895-1981) Museu da Quinta das Cruzes, setembro a outubro de 1960, exposição integrada nas Comemorações do Quinto Centenário da Morte do Infante D. Henrique Funchal, Junta Geral do Distrito Autónomo do Funchal, 1960, ilha da Madeira.

Ilha 3 lançada na CMF, in Diário de Notícias, Funchal, 29 de maio de 1991, p. 5, ilha da Madeira.

Ilha 3 lançada na CMF Coordenação e notas de José António Gonçalves (1954-2005), Capa de Luís Bento Freitas da Silva, edição Poesia 2000, composição e impressão Tipografia do Jornal da Madeira Maria Aurora (1939-2010) apresentação Ilha 3 no Salão Nobre  da CMF, na presença de autores que foram felicitados por João Dantas e João Carlos Abreu. Fotografia de Manuel Nicolau, in Diário de Notícias, Funchal, 29 de maio de 1991, p. 5 Manuel Nicolau (Machico, 15 mar. 1943; idem, 13 maio 2020) Funchal, ilha da Madeira. José António Gonçalves (de seu nome completo José António de Freitas Gonçalves), natural de […]

Poet’Art 90 Antologia, coordenação de José António Gonçalves, Associação de Escritores da Madeira, Funchal, agosto de 1990, ilha da Madeira

Poet’Art 90 Antologia Coordenação de José António Gonçalves (1954-2005) Capa de Maurício Fernandes (1951-2001) Associação de Escritores da Madeira, Funchal, Imprensa Regional da Madeira, EP, agosto de 1990 Funchal, ilha da Madeira. José António Gonçalves (de seu nome completo José António de Freitas Gonçalves), natural de S. Martinho, Funchal, 13.06.54, falecido a 30 de março de 2005, poeta e organizador de várias antologias, pertenceu aos órgãos diretivos da Associação Portuguesa de Escritores (APE) e foi presidente da Associação de Escritores da Madeira (AEM), da qual foi cofundador (1989).

Ilha 3, coordenação e notas de José António Gonçalves, Câmara Municipal do Funchal, maio de 1991, ilha da Madeira.

Ilha 3 Coordenação e notas de José António Gonçalves (1954-2005), Capa de Luís Bento Freitas da Silva, edição Poesia 2000, composição e impressão Tipografia do Jornal da Madeira Apresentação na Câmara Municipal do Funchal por Maria Aurora (1939-2010) a 28 de maio de 1991 Câmara Municipal do Funchal, ilha da Madeira. José António Gonçalves (de seu nome completo José António de Freitas Gonçalves), natural de S. Martinho, Funchal, 13.06.54, falecido a 30 de março de 2005, poeta e organizador de várias antologias, pertenceu aos órgãos diretivos da Associação Portuguesa de Escritores (APE) e foi presidente da Associação de Escritores da […]

Danilo de Matos nos seus 50 anos, desenho de Maurício Fernandes, 1992 e aguarela de Rui Carita, abril de 2024, ilha da Madeira

Danilo de Matos nos seus 50 anos. (1942-) Desenho de Maurício Fernandes (1951-2001), 1992 e aguarela de Rui Carita, abril de 2024. Convite para festa no Madeira Palácio, segunda-feira, 30 de novembro de 1992. Funchal, ilha da Madeira

A Filha de Tristão das Damas, João dos Reis Gomes, 1ª edição, Funchal, Heraldo da Madeira, 1909, Funchal, ilha da Madeira.

J. Reis Gomes, da Academia das Ciências de Lisboa, A Filha de Tristam das Damas, 1ª edição, Funchal, Heraldo da Madeira, 1909, Funchal, ilha da Madeira. (1869-1950) Doação dos herdeiros ao Museu Quinta das Cruzes, 27 de junho de 2011. João dos Reis Gomes (Fx. 5 jan. 1869-Id. 21 jan. 1950), oficial de Artilharia e escritor, interessou-se, sobretudo, pelo teatro, de que recolheu um importante acervo fotográfico e bibliográfico na sua Quinta Esmeraldo, a São Martinho, onde faleceu, infelizmente, parcialmente perdido com o seu falecimento, dado se encontrar no andar térreo e a propriedade ter ficado muitos anos inabitada. Frequentou […]

A Filha de Tristão das Damas, João dos Reis Gomes, 1ª edição, Funchal, Heraldo da Madeira, 1909, Funchal, ilha da Madeira

J. Reis Gomes, da Academia das Ciências de Lisboa, A Filha de Tristam das Damas, 1ª edição, Funchal, Heraldo da Madeira, 1909, Funchal, ilha da Madeira. (1869-1950) Coleção privada. Existe exemplar no Museu Quinta das Cruzes, doação dos herdeiros , 27 de junho de 2011. João dos Reis Gomes (Fx. 5 jan. 1869-Id. 21 jan. 1950), oficial de Artilharia e escritor, interessou-se, sobretudo, pelo teatro, de que recolheu um importante acervo fotográfico e bibliográfico na sua Quinta Esmeraldo, a São Martinho, onde faleceu, infelizmente, parcialmente perdido com o seu falecimento, dado se encontrar no andar térreo e a propriedade ter […]

Fernando Nascimento, Outras Raízes, pedras e…, exposição na Galeria do Turismo 31 de janeiro a 15 de fevereiro de 1989, Funchal, ilha da Madeira

Outras Raízes, pedras e… de Fernando Nascimento, (1928-1999) Introdução de Maurício Fernandes (1951-2001) e Ode em dois tempos a Fernando Nascimento, poema de José António Gonçalves (1954-2005) Catálogo e exposição com fotografias de Celso Caires (1958-2016) Galeria do Turismo  31 de janeiro a 15 de fevereiro de 1989, Funchal, ilha da Madeira. Fernando Nascimento (1975 a 1984), proveniente dos quadros da então ainda Delegação de Turismo, foi nomeado pela vereação Virgílio Pereira (1941-2021), chefe dos Serviços Culturais da CMF, lugar que ocupou entre 1975 e 1984, ao mesmo se devendo a criação da Comissão dos Assuntos Culturais, que vem a […]

Fernando Nascimento, Outras Raízes, pedras e…, exposição na Galeria do Turismo 31 de janeiro a 15 de fevereiro de 1989, Funchal, ilha da Madeira

Fernando Nascimento, Outras Raízes, pedras e… (1928-1999) Exposição com introdução de Maurício Fernandes (1951-2001), poema de José António Gonçalves (1954-2005) e fotografias de Celso Caires (1958-2016) Galeria do Turismo  31 de janeiro a 15 de fevereiro de 1989, Funchal, ilha da Madeira. Fernando Nascimento (1975 a 1984), proveniente dos quadros da então ainda Delegação de Turismo, foi nomeado pela vereação Virgílio Pereira (1941-2021), chefe dos Serviços Culturais da CMF, lugar que ocupou entre 1975 e 1984, ao mesmo se devendo a criação da Comissão dos Assuntos Culturais, que vem a instalar no Teatro Municipal de Baltazar Dias e que marcou […]

Poemêtos da Ilha. Insulares, Jayme Câmara, Funchal, tipografia do Bazar do Povo, 1929, ilha da Madeira.

Jayme Câmara, Poemêtos da Ilha. Insulares (1881-1946) Funchal, tipografia do Bazar do Povo, 1929, ilha da Madeira. Capa de Fernando Augusto Câmara (1880-1949) Biblioteca Rui e Joana Carita, Funchal, ilha da Madeira Jaime Sanches Câmara (Funchal, 13 mar. 1881; idem, 24 dez. 1946). Filho de António José Câmara e de Helena Celina Gomes Câmara, foi chefe da Estação Meteorológica do Funchal e ajudante de conservador do Registo Predial, tendo-se dedicado à poesia e ao jornalismo, com larga obra editada, mantendo acesas polémicas com outros poetas locais.

Danilo de Matos nos seus 50 anos, desenho de Maurício Fernandes, 1992, ilha da Madeira

Danilo de Matos nos seus 50 anos. (1942-) Desenho de Maurício Fernandes (1951-2001). Convite para festa no Madeira Palácio, segunda-feira, 30 de novembro de 1992. Funchal, ilha da Madeira

Convite de Danilo de Matos para os seus 50 anos, desenho de Maurício Fernandes, 1992, ilha da Madeira

Convite de Danilo de Matos para os seus 50 anos. (1942-) Desenho de Maurício Fernandes (1951-2001). Madeira Palácio, segunda-feira, 30 de novembro de 1992. Funchal, ilha da Madeira

Carlos Luz, exposição na Funchália, galeria de arte, 18 a 31 de março de 1990, Funchal, ilha da Madeira.

Carlos Luz. Exposição de pintura de Carlos Luz (1951-) Design de Maurício Fernandes (1951-2001). Funchália, galeria de arte, 18 a 31 de março de 1990. Funchal, ilha da Madeira José Carlos de Sousa Vieira da Luz nasceu no Funchal em 1951. Frequentou o Instituto Superior de Artes Plásticas do Funchal, fez cenografia no Teatro Municipal do Funchal e em Lisboa, no Teatro Municipal de Maria Matos. Desde dezembro de 1974, em que participou Exposição Coletiva de Artes Plásticas C.T.I. Madeira, no Teatro Municipal do Funchal, com Rui Carita (1946-) e Maurício Fernandes (1951-2001), seguiram-se inúmeras exposições individuais e coletivas, tendo […]

Guiomar Teixeira, João dos Reis Gomes, Funchal, 2.ª edição, Oficinas do Heraldo da Madeira, 1914, ilha da Madeira

Guiomar Teixeira por J. Reis Gomes (1869-1950) Funchal, 2.ª edição, Oficinas do Heraldo da Madeira, 1914. Biblioteca de Rui e Joana Carita. Funchal, ilha da Madeira. Em 1913 teve o Teatro Funchalense as várias representações da peça do capitão João dos Reis Gomes, intitulada Guiomar Teixeira, sendo introduzido pela primeira vez o cinema como apoio a ação representada. Esta peça tinha por base a novela histórica A Filha de Tristão das Damas, que o autor publicara em 1909, logo noticiada em Lisboa, como então a versão para teatro. Entraram em cena elementos da família Reis Gomes, como o próprio autor, […]

Malangatana. Morreu o pintor da identidade moçambicana, in Público, Lisboa, 6 de janeiro de 2011, Portugal.

Malangatana. Morreu o pintor da identidade moçambicana. Malangatana Valente (1936-2011). In Público, Lisboa, 6 de janeiro de 2011, Portugal. Malangatana Valente Nguenha (Matalana, distrito de Marracuene, 1936; Matosinhos, 5 jan. 2011) foi um dos pintores moçambicanos mais conhecidos. Trabalhou em vários ofícios humildes, tendo entrado no Núcleo de Arte da então cidade de Lourenço Marques (atual Maputo) na década de 60, onde começou por aprender a pintar com alguns dos artistas residentes, como João Garizo do Carmo (1917-1974) e Pancho Miranda Guedes (1925-2015), mas mantendo sempre uma agressividade especificamente africana que o projetaria internacionalmente.

Journal of a visit to Madeira and Portugal, 1853-1854, Isabella de França, Junta Geral do Distrito Autónomo do Funchal, 1970, ilha da Madeira.

Isabella de França, Journal of a visit to Madeira and Portugal, 1853-1854, transcrição e introdução de Cabral do Nascimento, notas e comentários de Santos Simões, Junta Geral do Distrito Autónomo do Funchal, 1970, ilha da Madeira. (1797-1880), (1897-1978) e (1907-1972). Original da Casa-Museu Dr. Frederico de Freitas, Funchal, ilha da Madeira Isabella Hurst de França (1797; 20 de julho de 1880) casara recentemente (3 ago. 1852) com o morgado José Henrique de França (Covent Garden, Londres, 1802; Southanpton, 15 de dezembro de 1886), proprietário na Calheta, mas já radicado como o pai em Inglaterra como comerciante e que, pontualmente, já […]

Journal of a visit to Madeira and Portugal, 1853-1854, Isabella de França, Junta Geral do Distrito Autónomo do Funchal, 1970, ilha da Madeira.

Isabella de França, Journal of a visit to Madeira and Portugal, 1853-1854, transcrição e introdução de Cabral do Nascimento, notas e comentários de Santos Simões, Junta Geral do Distrito Autónomo do Funchal, 1970, ilha da Madeira. (1797-1880), (1897-1978) e (1907-1972). Original da Casa-Museu Dr. Frederico de Freitas, Funchal, ilha da Madeira Isabella Hurst de França (1797; 20 de julho de 1880) casara recentemente (3 ago. 1852) com o morgado José Henrique de França (Covent Garden, Londres, 1802; Southanpton, 15 de dezembro de 1886), proprietário na Calheta, mas já radicado como o pai em Inglaterra como comerciante e que, pontualmente, já […]

Regresso de pic-nic na Camacha, Isabella de França, 25 de março de 1854, ilha da Madeira.

Regresso de pic-nic na Camacha. Returning from a Picnic at Camacha Aguarela, 2 x 25,5 x 33 cm. Isabella de França (1797-1880), 25 de março de 1854. Pub. in Isabella de França, Jornal de uma visita à Madeira e a Portugal, 1853-1854, tradução e introdução de Cabral do Nascimento, notas e comentários de Santos Simões, Junta Geral do Distrito Autónomo do Funchal, 1970, pp. 192-193 Casa-Museu Dr. Frederico de Freitas, Funchal, ilha da Madeira. Isabella Hurst de França (1797; 20 de julho de 1880) casara recentemente (3 ago. 1852) com o morgado José Henrique de França (Covent Garden, Londres, 1802; […]

Porta de residência senhorial urbana, reforma de 1800 (c.) e seguintes, Rua da Carreira, n.º 215, Funchal, ilha da Madeira

Porta de residência senhorial urbana. Reforma de 1800 (c.) e seguintes Residência da família de Manuel Pimenta de Aguiar (1765-1832), onde, em 1853, ficou Isabella de França (1797-1880) e o marido José Henrique de França (1802-1886); passando depois à família do Dr. Manuel José Vieira (1836-1912), chegando este troço da Rua da Carreira e ter o seu nome. Consulado do Brasil. Fotografia de Paulo Santos Perneta, 18 de março de 2012. Rua da Carreira, n.º 215, Funchal, ilha da Madeira. Isabella Hurst de França (1797; 20 de julho de 1880) casara recentemente (3 ago. 1852) com o morgado José Henrique […]

Residência senhorial urbana, reforma de 1800 (c.) e seguintes, Rua da Carreira, n.º 215, Funchal, ilha da Madeira

Residência senhorial urbana. Reforma de 1800 (c.) e seguintes Residência da família de Manuel Pimenta de Aguiar (1765-1832), onde, em 1853, ficou Isabella de França (1797-1880) e o marido José Henrique de França (1802-1886); passando depois à família do Dr. Manuel José Vieira (1836-1912), chegando este troço da Rua da Carreira e ter o seu nome. Fotografia de Paulo Santos Perneta, 25 de agosto de 2020. Rua da Carreira, n.º 215, Funchal, ilha da Madeira. Isabella Hurst de França (1797; 20 de julho de 1880) casara recentemente (3 ago. 1852) com o morgado José Henrique de França (Covent Garden, Londres, […]

Cabeça partida, Isabella de França, Quinta dos Alecrins a Santo Amaro, 23 de janeiro de 1854, Funchal, ilha da Madeira.

Cabeça partida. The Broken Head, P. 205 Aguarela, 25,5 x 33 cm. Isabella de França (1797-1880), 23 de janeiro de 1854. Quinta dos Alecrins a Santo Amaro, Funchal. Pub. in Isabella de França, Jornal de uma visita à Madeira e a Portugal, 1853-1854, tradução e introdução de Cabral do Nascimento, notas e comentários de Santos Simões, Junta Geral do Distrito Autónomo do Funchal, 1970, pp. 176-177 e Cristina Trindade, “Isabella de França, Rua da Carreira”, in Diário de Notícias, Funchal, 16 de julho de 2021, ilha da Madeira Casa-Museu Dr. Frederico de Freitas, Funchal, ilha da Madeira. Isabella Hurst de […]

Pormenor de Cabeça partida, Isabella de França a cavalo, Santo Amaro, 23 de janeiro de 1854, Funchal, ilha da Madeira.

Pormenor de Cabeça partida. The Broken Head Aguarela, 25,5 x 33 cm. Isabella de França (1797-1880), 23 de janeiro de 1854. Quinta dos Alecrins a Santo Amaro, Funchal. Pub. in Isabella de França, Jornal de uma visita à Madeira e a Portugal, 1853-1854, tradução e introdução de Cabral do Nascimento, notas e comentários de Santos Simões, Junta Geral do Distrito Autónomo do Funchal, 1970, pp. 176-1773 Casa-Museu Dr. Frederico de Freitas, Funchal, ilha da Madeira. Isabella Hurst de França (1797; 20 de julho de 1880) casara recentemente (3 ago. 1852) com o morgado José Henrique de França (Covent Garden, Londres, […]

Pormenor de The Lazaretto, Isabella de França em palanquim, 15 de outubro de 1853, Funchal, ilha da Madeira.

Pormenor de The Lazaretto. Isabella de França em palanquim Aguarela, 25,5 x 33 cm. Isabella de França (1797-1880), 15 de outubro de 1853. Pub. in Isabella de França, Jornal de uma visita à Madeira e a Portugal, 1853-1854, tradução e introdução de Cabral do Nascimento, notas e comentários de Santos Simões, Junta Geral do Distrito Autónomo do Funchal, 1970, pp. 144-145. Casa-Museu Dr. Frederico de Freitas, Funchal, ilha da Madeira. Isabella Hurst de França (1797; 20 de julho de 1880) casara recentemente (3 ago. 1852) com o morgado José Henrique de França (Covent Garden, Londres, 1802; Southanpton, 15 de dezembro […]

Pormenor da Ladeira das Neves. Estrada do Caniço, Isabella de França, 15 de novembro de 1853, Funchal, ilha da Madeira.

Pormenor da Ladeira das Neves. Estrada do Caniço. Aguarela, 25,5 x 33 cm. Isabella de França (1797-1880), 15 de novembro de 1853. Sítio das Neves, São Gonçalo, Funchal. Pub. in Isabella de França, Jornal de uma visita à Madeira e a Portugal, 1853-1854, tradução e introdução de Cabral do Nascimento, notas e comentários de Santos Simões, Junta Geral do Distrito Autónomo do Funchal, 1970, pp. 150-151. Casa-Museu Dr. Frederico de Freitas, Funchal, ilha da Madeira. Isabella Hurst de França (1797; 20 de julho de 1880) casara recentemente (3 ago. 1852) com o morgado José Henrique de França (Covent Garden, Londres, […]

Pormenor de Os Pinheiros. 3000 pés sobre o mar, Isabella de França, 28 de setembro de 1853, Funchal, ilha da Madeira

Pormenor de The Pinheiros. 3000 Feet above the Sea (900 metros) Aguarela, 25,5 x 33 cm. Isabella de França (1797-1880), 28 de setembro de 1853. Pub. in Isabella de França, Jornal de uma visita à Madeira e a Portugal, 1853-1854, tradução e introdução de Cabral do Nascimento, notas e comentários de Santos Simões, Junta Geral do Distrito Autónomo do Funchal, 1970, pp. 138-139. Casa-Museu Dr. Frederico de Freitas, Funchal, ilha da Madeira. Isabella Hurst de França (1797; 20 de julho de 1880) casara recentemente (3 ago. 1852) com o morgado José Henrique de França (Covent Garden, Londres, 1802; Southanpton, 15 […]

Pormenor de Os Pinheiros. 3000 pés sobre o mar, Isabella de França, 28 de setembro de 1853, Funchal, ilha da Madeira

Pormenor de The Pinheiros. 3000 Feet above the Sea (900 metros) Aguarela, 25,5 x 33 cm. Isabella de França (1797-1880), 28 de setembro de 1853. Pub. in Isabella de França, Jornal de uma visita à Madeira e a Portugal, 1853-1854, tradução e introdução de Cabral do Nascimento, notas e comentários de Santos Simões, Junta Geral do Distrito Autónomo do Funchal, 1970, pp. 138-139. Casa-Museu Dr. Frederico de Freitas, Funchal, ilha da Madeira. Isabella Hurst de França (1797; 20 de julho de 1880) casara recentemente (3 ago. 1852) com o morgado José Henrique de França (Covent Garden, Londres, 1802; Southanpton, 15 […]

Pormenor de Descendo em rede para o Rabaçal, Isabella de França, 9 de setembro de 1853, Calheta, ilha da Madeira

Pormenor de Descendo em rede para o Rabaçal. Descent to the Rabaçal Aguarela, 25,5 x 33 cm. Isabella de França (1797-1880), 9 de setembro de 1853. Casa-Museu Dr. Frederico de Freitas, Funchal. Pub. in Isabella de França, Jornal de uma visita à Madeira e a Portugal, 1853-1854, tradução e introdução de Cabral do Nascimento, notas e comentários de Santos Simões, Junta Geral do Distrito Autónomo do Funchal, 1970, pp. 106-107. Isabella Hurst de França (1797; 20 de julho de 1880) casara recentemente (3 ago. 1852) com o morgado José Henrique de França (Covent Garden, Londres, 1802; Southanpton, 15 de dezembro […]

Pormenor da Homenagem do Feitor, Isabella de França, 30 de agosto de 1853, Funchal, ilha da Madeira.

Pormenor da Homenagem do Feitor. The Feithor’s Homage Aguarela, 33 x 25,5 cm. Isabella de França (1797-1880), 30 de agosto de 1853. Pub. in Isabella de França, Jornal de uma visita à Madeira e a Portugal, 1853-1854, tradução e introdução de Cabral do Nascimento, notas e comentários de Santos Simões, Junta Geral do Distrito Autónomo do Funchal, 1970, pp. 74-75. Casa-Museu Dr. Frederico de Freitas, Funchal, ilha da Madeira. Isabella Hurst de França (1797; 20 de julho de 1880) casara recentemente (3 ago. 1852) com o morgado José Henrique de França (Covent Garden, Londres, 1802; Southanpton, 15 de dezembro de […]

Casal França em carro de cesto do Monte, Isabella de França, 23 de agosto de 1853; Funchal, ilha da Madeira

Casal França em carro de cesto do Monte, pormenor de Descendo do Monte. Comming down from the Mount Aguarela, 25,5 x 33 cm. Isabella de França (1797-1880), 23 de agosto de 1853. Casa-Museu Dr. Frederico de Freitas, Funchal. Pub. in Isabella de França, Jornal de uma visita à Madeira e a Portugal, 1853-1854, tradução e introdução de Cabral do Nascimento, notas e comentários de Santos Simões, Junta Geral do Distrito Autónomo do Funchal, 1970, 64-65. Isabella Hurst de França (1797; 20 de julho de 1880) casara recentemente (3 ago. 1852) com o morgado José Henrique de França (Covent Garden, Londres, […]

Casal França em carro de cesto do Monte, Isabella de França, 23 de agosto de 1853; Funchal, ilha da Madeira

Casal França em carro de cesto do Monte, pormenor de Descendo do Monte. Comming down from the Mount Aguarela, 25,5 x 33 cm. Isabella de França (1797-1880), 23 de agosto de 1853. Casa-Museu Dr. Frederico de Freitas, Funchal. Pub. in Isabella de França, Jornal de uma visita à Madeira e a Portugal, 1853-1854, tradução e introdução de Cabral do Nascimento, notas e comentários de Santos Simões, Junta Geral do Distrito Autónomo do Funchal, 1970, 64-65. Isabella Hurst de França (1797; 20 de julho de 1880) casara recentemente (3 ago. 1852) com o morgado José Henrique de França (Covent Garden, Londres, […]

Pormenor de Subindo ao Monte, Isabella de França, 23 de agosto de 1853, Funchal, ilha da Madeira

Casal França em carro de bois, pormenor de Subindo ao Monte. Going up to the Mount Para a quinta de verão do cônsul George Stoddart (1795-c. 1860), então a Quinta do Prazer, depois Quinta Belo Monte Aguarela, 25,5 x 33 cm. Isabella de França (1797-1880), 23 de agosto de 1853. Casa-Museu Dr. Frederico de Freitas, Funchal. Pub. in Isabella de França, Jornal de uma visita à Madeira e a Portugal, 1853-1854, tradução e introdução de Cabral do Nascimento, notas e comentários de Santos Simões, Junta Geral do Distrito Autónomo do Funchal, 1970, pp. 62-63. Isabella Hurst de França (1797; 20 […]

Pormenor do desembarque no Funchal, Isabella de França, 15 de agosto de 1853, Funchal, ilha da Madeira.

Pormenor do desembarque no Funchal. Aguarela, 25,5 x 33 cm. Isabella de França (1797-1880), 15 de agosto de 1853. Casa-Museu Dr. Frederico de Freitas, Funchal, ilha da Madeira. Pub. in Isabella de França, Jornal de uma visita à Madeira e a Portugal, 1853-1854, tradução e introdução de Cabral do Nascimento, notas e comentários de Santos Simões, Junta Geral do Distrito Autónomo do Funchal, 1970, pp. 50-51. Isabella Hurst de França (1797; 20 de julho de 1880) casara recentemente (3 ago. 1852) com o morgado José Henrique de França (Covent Garden, Londres, 1802; Southanpton, 15 de dezembro de 1886), proprietário na […]

Casal França com o tio Francisco Ricardo de França, 15 de agosto de 1853, Funchal, ilha de Madeira

Casal França junto a carro de bois com o tio Francisco Ricardo de França (Fx. 27 abr. 1766-), teve patente de capitão de ordenanças do estreito da Calheta, a 19 jun. 1784 e vivia no Consulado dos Estados Unidos, acima do Passeio Público, hoje Avenida Arriaga. Pormenor da Entrada da Cidade, depois Jardim da Rainha. Aguarela, 25,5 x 33 cm. Isabella de França (1797-1880), 15 de agosto de 1853. Casa-Museu Dr. Frederico de Freitas, Funchal, ilha de Madeira. Pub. in Isabella de França, Jornal de uma visita à Madeira e a Portugal, 1853-1854, tradução e introdução de Cabral do Nascimento, […]

50 Anos do 25 de Abril, Vozes do Povo/Reflexos de Abril, Museu de Fotografia da Madeira, Atelier Vicente’s, 17 de abril de 2024, Funchal, ilha da Madeira

50 Anos do 25 de Abril, Vozes do Povo/Reflexos de Abril Exposição no Museu de Fotografia da Madeira, Atelier Vicente’s, inauguração a 17 de abril de 2024. Fotografia da manifestação do 1.º de Maio de 1974. Joana Carita (LM, 13 jan. 1951-Lx. 7 out. 2017) em cima da Chaimite com capitão José Reboredo Viana e alferes Albano Bessa Monteiro ao lado Avenida do Mar, Foto Moderna, 1 de maio de 1974, Funchal, ilha da Madeira.

Dedicatória de Isabella de França, in Jornal de uma visita à Madeira e a Portugal, 1853-1854, tradução e introdução de Cabral do Nascimento, Junta Geral do Distrito Autónomo do Funchal, 1970, ilha da Madeira.

Dedicatória de Isabella de França, in Jornal de uma visita à Madeira e a Portugal, 1853-1854, tradução e introdução de Cabral do Nascimento, notas e comentários de Santos Simões, Junta Geral do Distrito Autónomo do Funchal, 1970, p. 7, ilha da Madeira. (1797-1880), (1897-1978) e (1907-1972) Agradeço vivamente ao povo bom e caloroso que me recebeu como se eu lá tivesse nascido e só posso concluir o meu diário dizendo que nem o tempo nem as vicissitudes conseguirão jamais diminuir a minha gratidão e as belas recordações que guardo da Linda Madeira! Isabella Hurst de França (1797; 20 de julho […]

Taça com Teseu matando o Minotauro, Grécia, 480 a.C. (c.), Museu Arqueológico de Florença, Itália

Taça com Teseu matando o Minotauro. Decoração com figuras vermelhas. Terracota pintada grega da oficina do pintor de Dokimasia, 480 a.C. (c.). Museu Arqueológico de Florença, Itália. Os gregos desenvolveram um tipo de taças, a que chamaram Kylix, kylix ou kilix, de que resultou a palavra cálice, mas pouco profundas, com duas asas e pé. O círculo quase plano na parte interior central da copa, chamado tondo, foi uma das principais superfícies para pintura grega. Como as cenas estavam inicialmente cobertas pelo vinho, somente se revelavam por etapas, quando este era consumido. Para surpreender o bebedor, muitas das cenas representadas […]

Carlos Santos, caricatura do Re-Nhau-Nhau, Funchal, 1931, ilha da Madeira

Carlos Santos. (1893-1955). Carlos Maria dos Santos (Funchal, 22 jul. 1893; idem, 6 out. 1955). Filho de João Pontes dos Santos e de Maria Teodora dos Santos, cursou a Escola Comercial do Funchal, quando ainda anexa à Associação Comercial do Funchal, trabalhando na indústria de bordados. Desde muito cedo com especial apetência para a música, veio a fundar um grupo de bandolins, que atuou pelos arquipélagos atlânticos, assim como grupos folclóricos, como o da Camacha, tendo sido o primeiro autor a dedicar-se de uma forma segura ao folclore madeirense, quer música, como letras e indumentárias, sendo uma das referências insulares […]

Manuel José Vieira, desenho e gravura de Luís António Bernes, 1900 (c.), Funchal, ilha da Madeira.

Manuel José Vieira. (1856-1912). Dr. Manuel José Vieira (Funchal, 7 ago. 1836-Idem, 12 jun. 1912). O depois conselheiro (1901), casara com D. Filomena Perestrelo da Câmara, de quem teve dois filho: Manuel José Perestrelo Favila Vieira (1874-1923) e D. Ema Luísa Perestrelo Vieira Pereira (), casada com o major João Augusto Pereira (1875-1915), deputado pela Madeira em Lisboa. Bacharel pela Universidade de Coimbra e professor do Liceu do Funchal, militou no Partido Constituinte e, depois no Progressista, de que veio a assumir a chefia no Distrito e, assim, foi várias vezes deputado em Lisboa, ocupando quase todos os principais lugares […]

José Leite Monteiro, desenho e gravura de Luís António Bernes, 1890 (c.), Funchal, ilha da Madeira.

José Leite Monteiro. (1841-1920). Conselheiro Dr. José Leite Monteiro (Porto, 27 set. 1841; Funchal, 10 mar. 1920) era filho do Dr. Caetano José Gomes Monteiro, juiz de uma das comarcas do Funchal, licenciado em Direito pela Universidade de Coimbra e foi advogado do Funchal e professor do Liceu. Fez parte do Partido Fusionista e do Partido Regenerador, desempenhando os cargos de governador civil substituto, membro do conselho do Distrito e presidente da Câmara Municipal e da Junta Geral do Funchal. Desenho e gravura de Luís António Bernes (1865-1936), 1890 (c.) Pub. Paulo Miguel Rodrigues, in Teatro Municipal de Baltazar Dias, […]

Teia do teatro municipal de Baltazar Dias, 2018, Funchal, ilha da Madeira

Teia do teatro municipal de Baltazar Dias Campanha de 1888 e seguintes Fotografia de 2018. Pub. Paulo Miguel Rodrigues, in Teatro Municipal de Baltazar Dias, Funchal, Imprensa Académica, abril de 2019, p. 79. Coleção do Teatro Municipal de Baltazar Dias, Funchal, ilha da Madeira. Como as grandes cidades europeias, também o Funchal, ao longo do século XIX, lutou pela construção de um teatro municipal, para servir de palco às principais manifestações culturais da cidade, sociais e até políticas. A localização escolhida foi a parte Sul da antiga cerca do Convento de São Francisco, onde funcionava um mercado, tendo já então […]

João Bernardino Gomes, desenho e gravura de Luís António Bernes, Funchal, 1900 (c.), ilha da Madeira

João Bernardino Gomes. 1900 (c.). O comendador João Bernardino Gomes foi responsável pelo Teatro D. Maria Pia na vereação de 1899-1901 e no triénio 1902-1904. Desenho e gravura de Luís António Bernes (1865-1936), Pub. Paulo Miguel Rodrigues, in Teatro Municipal de Baltazar Dias, Funchal, Imprensa Académica, abril de 2019, p. 44. Funchal, ilha da Madeira. Como as grandes cidades europeias, também o Funchal, ao longo do século XIX, lutou pela construção de um teatro municipal, para servir de palco às principais manifestações culturais da cidade, sociais e até políticas. A localização escolhida foi a parte Sul da antiga cerca do […]

Teatro D. Maria Pia e Jardim Municipal, 1887 a 1889, Funchal, ilha da Madeira.

Teatro D. Maria Pia e Jardim Municipal. Fotografia de 1887 a 1889. Ao centro do jardim, o coreto hoje em Câmara de Lobos. Museu de Fotografia da Madeira, Atelier Vicente’s. Pub. Paulo Miguel Rodrigues, in Teatro Municipal de Baltazar Dias, Funchal, Imprensa Académica, abril de 2019, p. 45. Coleção do Teatro Municipal de Baltazar Dias, Funchal, ilha da Madeira. Como as grandes cidades europeias, também o Funchal, ao longo do século XIX, lutou pela construção de um teatro municipal, para servir de palco às principais manifestações culturais da cidade, sociais e até políticas. A localização escolhida foi a parte Sul […]

Lizetta Zarone, pianista, 50 Anos de Música, Teatro Municipal de Baltazar Dias, julho de 1980, Funchal, ilha da Madeira

Lizetta Zarone, pianista, 50 Anos de Música (-). Teatro Municipal de Baltazar Dias, julho de 1980. Pub. Paulo Miguel Rodrigues, in Teatro Municipal de Baltazar Dias, Funchal, Imprensa Académica, abril de 2019, p. 283. Funchal, ilha da Madeira. Elisa Josefina Carmen Zarone do Arco Vieira (), nasceu em Barcelona, filha de Genaro Zarone do Arco e de Eulália Testoni Campo, nascida em Perúgia, Úmbria, Itália, tendo depois casado em segundas núpcias com o Dr. Augusto Elmano Vieira (1892-1962) e, depois, com o mestre Anjos Teixeira (Pedro Augusto Franco dos Anjos Teixeira, Paris, 11 maio 1908- Sintra, 20 mar. 1997).

Lizetta Zarone, Re-Nhau-Nhau, Funchal, 1933, ilha da Madeira

Lizetta Zarone (-). Funchal, Re-Nhau-Nhau, desenho de Paulo Sá Braz (1919-2003) (?), gravura de Pereira, 1933. Pub. Paulo Miguel Rodrigues, in Teatro Municipal de Baltazar Dias, Funchal, Imprensa Académica, abril de 2019, p. 283. Funchal, ilha da Madeira. Elisa Josefina Carmen Zarone do Arco Vieira (), nasceu em Barcelona, filha de Genaro Zarone do Arco e de Eulália Testoni Campo, nascida em Perúgia, Úmbria, Itália, tendo depois casado em segundas núpcias com o Dr. Augusto Elmano Vieira (1892-1962) e, depois, com o mestre Anjos Teixeira (Pedro Augusto Franco dos Anjos Teixeira, Paris, 11 maio 1908- Sintra, 20 mar. 1997).

Lomelino Silva, O Caruso Português, RTP Madeira, Funchal, 2018, ilha da Madeira

Lomelino Silva, O Caruso Português, (1892-1967). RTP Madeira, 2018. Nuno Estêvão Lomelino da Silva (Funchal, 26 dez. 1892-Lisboa, 11 nov. 1967); oficial do Exército, vem a ser incentivado pelo ambiente musical do Funchal da década de 20 a abandonar o Exército e ir estudar para Itália. A sua primeira apresentação em Itália foi no Teatro Dal Verne, em Milão, em 31 de dezembro de 1921, a que se sucedeu uma espantosa carreira internacional e sendo contratado pela Metropolitan Opera Company de Filadélfia, atuando pelos mais famosos teatros de ópera das América e da Europa, tendo sido o primeiro artista português […]

Nota biográfica do padre João Maurício Henriques, Luís Marino (ARM), 1990 (c.), Funchal, ilha da Madeira

Nota biográfica do padre João Maurício Henriques (1852-1901). Luís Marino (Luís Gomes da Silva, 1909-1996), Funchal, 1990 (c.) (espólio do ARM, LMR/A/01/97, 3-5, p. 303) João Maurício Henriques (Fx. 22 mar. 1852-Lx. 16 dez. 1901), filho de António Gomes Henriques e de D. Ana Rosa da Silva Henriques, da freguesia da Sé, frequentou o liceu do Funchal e o seminário diocesano, ordenando-se presbítero em 1877 e paroquiando depois em algumas freguesias da Diocese, como em Santa Cruz, Achadas da Cruz e Santana, sendo despachado, por decreto de 2 mar. 1885, capelão militar. Prestou então serviço como tal no Algarve, passando […]

Breve Notícia Histórica e Descritiva do extinto Regimento de Caçadores n.º 12, João Maurício Henriques, Funchal, 1900, ilha da Madeira

João Maurício Henriques (1852-1901), Breve Notícia Histórica e Descritiva do extinto Regimento de Caçadores n.º 12, seu Quartel e Hospital na cidade do Funchal. Pelo presbítero João Maurício Henriques, capelão de Infantaria n.º 27, condecorado com a medalha militar de prata da classe de Bons Serviços Funchal, Tipografia Esperança, 1900, ilha da Madeira. Exemplar da Biblioteca Pública da Madeira, 59423, Funchal, ilha da Madeira João Maurício Henriques (Fx. 22 mar. 1852-Lx. 16 dez. 1901), filho de António Gomes Henriques e de D. Ana Rosa da Silva Henriques, da freguesia da Sé, frequentou o liceu do Funchal e o seminário diocesano, […]

António Aragão na Câmara Municipal de Machico, 8 de dezembro de1972, Machico, ilha da Madeira

Conferência do Dr. Aragão Mendes Correia, no átrio da Câmara Municipal de Machico, sobre a história e o folclore do concelho de Machico (1921-2008) Machico, 8 de dezembro de 1972. Na primeira fila, o engenheiro Rui Vieira (1926-2009) o governador coronel D. António Braamcamp Sobral (1912-1987) e o presidente da Câmara Municipal de Machico, Manuel Rufino Almeida Teixeira (1919-2016); 2ª fila, coronel Fernando Homem Costa (1911-1997), eng.º José Ribeiro de Andrade (1912-1998), João Borges (1922-2008) e outros. Museu de Fotografia da Madeira, Coleção Carlos Fotógrafo, Carlos da Silva Fernandes (1931-2017), 1957-1982, CFF/277.2; cx. 247, env. 6972, n.º 14, Machico, ilha […]

Nuno Lomelino Silva a cantar na missa do galo da sé do Funchal, dezembro de 1937, Paulo Sá Braz, in Re-Nhau-Nhau, Ano IX, Funchal, 13 de janeiro de 1938, ilha da Madeira

No Sacro Dó, Ré, Mi … Nuno Lomelino Silva (1892-1967). “Re-Nhau-Nhau” apresenta o tenor Lomelino Silva, vestido de grande gala, cantando na Sé catedral,  durante a missa do galo, alguns trechos de música sacra, os quais caíram muito bem no bichinho do ouvido da nobreza, clero e povo Desenho de Paulo Sá Braz (1919-2003), in Re-Nhau-Nhau, Ano IX, Funchal, 13 de janeiro de 1938, p. 10, contracapa. Exemplar da Biblioteca Municipal do Funchal, ilha da Madeira. Nuno Estêvão Lomelino da Silva (Funchal, 26 dez. 1892-Lisboa, 11 nov. 1967); oficial do Exército, vem a ser incentivado pelo ambiente musical do Funchal […]

Nuno Lomelino Silva, 1940 (c.), Funchal, ilha da Madeira.

Nuno Lomelino Silva (1892-1967). Fotografia de 1940 (c.). Pub. Paulo Miguel Rodrigues, in Teatro Municipal de Baltazar Dias, Funchal, Imprensa Académica, abril de 2019, p. 273. Funchal, ilha da Madeira. Nuno Estêvão Lomelino da Silva (Funchal, 26 dez. 1892-Lisboa, 11 nov. 1967); oficial do Exército, vem a ser incentivado pelo ambiente musical do Funchal da década de 20 a abandonar o Exército e ir estudar para Itália. A sua primeira apresentação em Itália foi no Teatro Dal Verne, em Milão, em 31 de dezembro de 1921, a que se sucedeu uma espantosa carreira internacional e sendo contratado pela Metropolitan Opera […]

Lomelino Silva, O Caruso Português, Integral das gravações, 1926, Arquivos Tradisom, Cantores Líricos Portugueses, reedição de 2018

Lomelino Silva, O Caruso Português, Integral das gravações, 1926 (1892-1967). Arquivos Tradisom, Cantores Líricos Portugueses, reedição de 2018. Nuno Estêvão Lomelino da Silva (Funchal, 26 dez. 1892-Lisboa, 11 nov. 1967); oficial do Exército, vem a ser incentivado pelo ambiente musical do Funchal da década de 20 a abandonar o Exército e ir estudar para Itália. A sua primeira apresentação em Itália foi no Teatro Dal Verne, em Milão, em 31 de dezembro de 1921, a que se sucedeu uma espantosa carreira internacional e sendo contratado pela Metropolitan Opera Company de Filadélfia, atuando pelos mais famosos teatros de ópera das América […]

Programa do Concerto Lírico por Lomelino Silva e Lizetta Zarone, Teatro Municipal de Baltazar Dias, 20 de março de 1952, Funchal, ilha da Madeira

Programa do Concerto Lírico por Lomelino Silva e Lizetta Zarone (1892-1967). Teatro Municipal de Baltazar Dias, 20 de março de 1952. Pub. Paulo Miguel Rodrigues, in Teatro Municipal de Baltazar Dias, Funchal, Imprensa Académica, abril de 2019, p. 282. Coleção do Teatro Municipal de Baltazar Dias, Funchal, ilha da Madeira. Nuno Estêvão Lomelino da Silva (Funchal, 26 dez. 1892-Lisboa, 11 nov. 1967); oficial do Exército, vem a ser incentivado pelo ambiente musical do Funchal da década de 20 a abandonar o Exército e ir estudar para Itália. A sua primeira apresentação em Itália foi no Teatro Dal Verne, em Milão, […]

Cartaz do Grande Concerto Lírico por Lomelino Silva, Teatro Municipal de Baltazar Dias, 23 de março de 1946, Funchal, ilha da Madeira

Cartaz do Grande Concerto Lírico por Lomelino Silva (1892-1967). Teatro Municipal de Baltazar Dias, 23 de março de 1946. Pub. Paulo Miguel Rodrigues, in Teatro Municipal de Baltazar Dias, Funchal, Imprensa Académica, abril de 2019, p. 282. Coleção do Teatro Municipal de Baltazar Dias, Funchal, ilha da Madeira. Nuno Estêvão Lomelino da Silva (Funchal, 26 dez. 1892-Lisboa, 11 nov. 1967); oficial do Exército, vem a ser incentivado pelo ambiente musical do Funchal da década de 20 a abandonar o Exército e ir estudar para Itália. A sua primeira apresentação em Itália foi no Teatro Dal Verne, em Milão, em 31 […]

Cartaz do Grande Concerto Zavala, Teatro D. Maria Pia, 27 de fevereiro de 1908, Funchal, ilha da Madeira

Cartaz do Grande Concerto Zavala Cleto Zavala (1847-1912). Teatro D. Maria Pia, 27 de fevereiro de 1908. Pub. Paulo Miguel Rodrigues, in Teatro Municipal de Baltazar Dias, Funchal, Imprensa Académica, abril de 2019, p. 270. Coleção do Teatro Municipal de Baltazar Dias, Funchal, ilha da Madeira. Como as grandes cidades europeias, também o Funchal, ao longo do século XIX, lutou pela construção de um teatro municipal, para servir de palco às principais manifestações culturais da cidade, sociais e até políticas. A localização escolhida foi a parte Sul da antiga cerca do Convento de São Francisco, onde funcionava um mercado, tendo […]

Orquestra Característica Madeirense, Photographia Vicente’s, abril de 1890, Funchal, ilha da Madeira.

Orquestra Característica Madeirense Com Agostinho Martins Jr. (1841-1909), ao centro, de pé, irmãos Henrique Augusto Rodrigues (1856-1934), João Anacleto Rodrigues (1869-1948) e Alfredo Guilherme Rodrigues (1862-1942), donos da Casa Portuguesa e do Bazar do Povo, Anselmo Baptista de Freitas Serrão (1846-1922), regente da filarmónica Artistas Funchalenses, o fotógrafo Vicente Gomes da Silva Júnior (1857-1933), o tesoureiro da direção das obras públicas Diogo Sarsfield (1848-1913) e o então já conhecido músico Artur Adolfo Sarmento (1851-1916), sentado com concertino. Photographia Vicente’s, abril de 1890. Pub. Paulo Miguel Rodrigues, in Teatro Municipal de Baltazar Dias, Funchal, Imprensa Académica, abril de 2019, p. 264. […]

A Ceia dos Cardeais, Júlio Dantas, 1902, Teatro Municipal de Baltazar Dias, 7 a 13 de julho de 2008, Funchal, ilha da Madeira

A Ceia dos Cardeais Peça do tenente médico Júlio Dantas (1876-1962), 1902. Com José António Barros (), João Carlos Abreu (1935-), Virgílio Pereira (1941-2021). Teatro Municipal de Baltazar Dias, organização CriaMar, 7 a 13 de julho de 2008. Coleção Universo de Memórias, João Carlos Abreu, Funchal, ilha da Madeira. Em 1907 atuou no então Teatro D. Maria Pia a Companhia Dramática Maria Falcão, com os atores Chaby Pinheiro (1873-1933) e o madeirense Pato Moniz (1863-1922), entre outros, que levou à cena A Ceia dos Cardeais pela primeira vez na Madeira. Esta peça do médico militar Júlio Dantas (1876-1962), das peças […]

A Ceia dos Cardeais, Júlio Dantas, 1902, Teatro Municipal de Baltazar Dias, 7 a 13 de julho de 2008, Funchal, ilha da Madeira

A Ceia dos Cardeais Peça do tenente médico Júlio Dantas (1876-1962), 1902. Com José António Barros (), João Carlos Abreu (1935-), Virgílio Pereira (1941-2021). Teatro Municipal de Baltazar Dias, organização CriaMar, 7 a 13 de julho de 2008. Pub. Paulo Miguel Rodrigues, in Teatro Municipal de Baltazar Dias, Funchal, Imprensa Académica, abril de 2019, p. 248. Coleção do Teatro Municipal de Baltazar Dias, Funchal, ilha da Madeira. Em 1907 atuou no então Teatro D. Maria Pia a Companhia Dramática Maria Falcão, com os atores Chaby Pinheiro (1873-1933) e o madeirense Pato Moniz (1863-1922), entre outros, que levou à cena A […]

Cartaz de o jardim zoológico de cristal do Cine-Forum do Funchal, Maurício Fernandes, Teatro Municipal de Baltazar Dias, julho de 1980, Funchal, ilha da Madeira

Cartaz de o Jardim Zoológico de Cristal do Cine-Forum do Funchal Cartaz de Maurício Fernandes (1951-2001). Peça de Tennessee Williams (1911-1983), 1945. Teatro Municipal de Baltazar Dias, julho de 1980. Pub. Paulo Miguel Rodrigues, in Teatro Municipal de Baltazar Dias, Funchal, Imprensa Académica, abril de 2019, p. 237. Coleção do Teatro Municipal de Baltazar Dias, Funchal, ilha da Madeira. Como as grandes cidades europeias, também o Funchal, ao longo do século XIX, lutou pela construção de um teatro municipal, para servir de palco às principais manifestações culturais da cidade, sociais e até políticas. A localização escolhida foi a parte Sul […]

Cartaz do Teatro Experimental de Cascais do Cine-Forum do Funchal, Maurício Fernandes, Teatro Municipal de Baltazar Dias, novembro de 1980, Funchal, ilha da Madeira

Cartaz do Teatro Experimental de Cascais do Cine-Forum do Funchal Cartaz de Maurício Fernandes (1951-2001). A partir de gravura da série D. Quixote e Sancho Pança de Salvador Dali (1904-1984), 1966 e seguintes Teatro Municipal de Baltazar Dias, novembro de 1980. Pub. Paulo Miguel Rodrigues, in Teatro Municipal de Baltazar Dias, Funchal, Imprensa Académica, abril de 2019, p. 237. Coleção do Teatro Municipal de Baltazar Dias, Funchal, ilha da Madeira. Como as grandes cidades europeias, também o Funchal, ao longo do século XIX, lutou pela construção de um teatro municipal, para servir de palco às principais manifestações culturais da cidade, […]

Cartaz do Clube de Teatro do Cine-Forum do Funchal, Ou isto ou aquilo, Maurício Fernandes, Teatro Municipal de Baltazar Dias, janeiro de 1980, Funchal, ilha da Madeira

Cartaz do Clube de Teatro do Cine-Forum do Funchal Ou isto ou aquilo Cartaz de Maurício Fernandes (1951-2001). Teatro Municipal de Baltazar Dias, janeiro de 1980. Pub. Paulo Miguel Rodrigues, in Teatro Municipal de Baltazar Dias, Funchal, Imprensa Académica, abril de 2019, p. 237. Coleção do Teatro Municipal de Baltazar Dias, Funchal, ilha da Madeira. Como as grandes cidades europeias, também o Funchal, ao longo do século XIX, lutou pela construção de um teatro municipal, para servir de palco às principais manifestações culturais da cidade, sociais e até políticas. A localização escolhida foi a parte Sul da antiga cerca do […]

1575 esboços de ideias para o símbolo do ISAPM, António Gorjão, 1984/85, Departamento de Arte e Design da Universidade da Madeira, São Roque, Funchal, ilha da Madeira

1575 esboços de ideias para o símbolo do ISAPM António Coutinho Gorjão (1942-2021), 1984/85. Fotografia de Carlos Valente, 12 de maio de 2022 Sala de Documentação António Gorjão, Departamento de Arte e Design da Universidade da Madeira Penteada, São Roque, Funchal, ilha da Madeira. António Augusto de Freitas Coutinho Gorjão (1942-2021) foi pioneiro na criação do ensino superior artístico na Madeira, professor de Estética e Ciências da Arte no extinto Instituto de Artes Plásticas da Madeira, do qual foi cofundador e onde desempenhou funções de diretor ao longo de duas décadas. Com uma carreira dedicada ao Ensino das Artes, foi […]

1575 esboços de ideias para o símbolo do ISAPM, António Gorjão, 1984/85, Departamento de Arte e Design da Universidade da Madeira, São Roque, Funchal, ilha da Madeira

1575 esboços de ideias para o símbolo do ISAPM António Coutinho Gorjão (1942-2021), 1984/85. Fotografia de Carlos Valente, 12 de maio de 2022 Sala de Documentação António Gorjão, Departamento de Arte e Design da Universidade da Madeira Penteada, São Roque, Funchal, ilha da Madeira. António Augusto de Freitas Coutinho Gorjão (1942-2021) foi pioneiro na criação do ensino superior artístico na Madeira, professor de Estética e Ciências da Arte no extinto Instituto de Artes Plásticas da Madeira, do qual foi cofundador e onde desempenhou funções de diretor ao longo de duas décadas. Com uma carreira dedicada ao Ensino das Artes, foi […]

Biblioteca pessoal do professor António Coutinho Gorjão, 2022, Departamento de Arte e Design da Universidade da Madeira, Penteada, Funchal, ilha da Madeira

Biblioteca pessoal do professor António Coutinho Gorjão (1942-2021). Fotografia de Carlos Valente, 12 de maio de 2022 Sala de Documentação António Gorjão, Departamento de Arte e Design da Universidade da Madeira Penteada, São Roque, Funchal, ilha da Madeira. António Augusto de Freitas Coutinho Gorjão (1942-2021) foi pioneiro na criação do ensino superior artístico na Madeira, professor de Estética e Ciências da Arte no extinto Instituto de Artes Plásticas da Madeira, do qual foi cofundador e onde desempenhou funções de diretor ao longo de duas décadas. Com uma carreira dedicada ao Ensino das Artes, foi ainda autor de vários ensaios e […]

Biblioteca pessoal do professor António Coutinho Gorjão, 2022, Departamento de Arte e Design da Universidade da Madeira, Penteada, Funchal, ilha da Madeira

Biblioteca pessoal do professor António Coutinho Gorjão (1942-2021). Fotografia de Carlos Valente, 12 de maio de 2022 Sala de Documentação António Gorjão, Departamento de Arte e Design da Universidade da Madeira Penteada, São Roque, Funchal, ilha da Madeira. António Augusto de Freitas Coutinho Gorjão (1942-2021) foi pioneiro na criação do ensino superior artístico na Madeira, professor de Estética e Ciências da Arte no extinto Instituto de Artes Plásticas da Madeira, do qual foi cofundador e onde desempenhou funções de diretor ao longo de duas décadas. Com uma carreira dedicada ao Ensino das Artes, foi ainda autor de vários ensaios e […]

Nota biográfica de António Coutinho Gorjão, Luís Marino (ARM), Funchal, 1990 (c.), ilha da Madeira

Nota biográfica de António Coutinho Gorjão (1942-2021). Luís Marino (Luís Gomes da Silva, 1909-1996), Funchal, 1990 (c.) (espólio do ARM, LMR/A/01/97, 7-13, p. 165) António Augusto de Freitas Coutinho Gorjão (1942-2021) foi pioneiro na criação do ensino superior artístico na Madeira, professor de Estética e Ciências da Arte no extinto Instituto de Artes Plásticas da Madeira, do qual foi cofundador e onde desempenhou funções de diretor ao longo de duas décadas. Com uma carreira dedicada ao Ensino das Artes, foi ainda autor de vários ensaios e esteve envolvido em diversas manifestações artísticas na Madeira na segunda metade do século XX. […]

Cartaz da revista Rosário de Cantigas, organização do Club Sport Marítimo, Teatro Municipal de Baltazar Dias, 5 de outubro de 1958, Funchal, ilha da Madeira.

Cartaz da revista Rosário de Cantigas organização do Club Sport Marítimo Original de Teodoro Silva (1900-1976) Teatro Municipal de Baltazar Dias, 5 de outubro de 1958. Pub. Paulo Miguel Rodrigues, in Teatro Municipal de Baltazar Dias, Funchal, Imprensa Académica, abril de 2019, p. 227. Coleção do Teatro Municipal de Baltazar Dias, Funchal, ilha da Madeira. Como as grandes cidades europeias, também o Funchal, ao longo do século XIX, lutou pela construção de um teatro municipal, para servir de palco às principais manifestações culturais da cidade, sociais e até políticas. A localização escolhida foi a parte Sul da antiga cerca do […]

Cartaz de Um programa Radio-Publicitário no Teatro Municipal, com Vasco Santana e Estação Rádio da Madeira, 21 de junho de 1951, Funchal, ilha da Madeira

Cartaz de Um programa Radio-Publicitário no Teatro Municipal Com Vasco Santana (1898-1958) e Estação Rádio da Madeira Teatro Municipal, 21 de junho de 1951. (Cartaz que omite a denominação de Baltazar Dias) Pub. Paulo Miguel Rodrigues, in Teatro Municipal de Baltazar Dias, Funchal, Imprensa Académica, abril de 2019, p. 222. Coleção do Teatro Municipal de Baltazar Dias, Funchal, ilha da Madeira. Como as grandes cidades europeias, também o Funchal, ao longo do século XIX, lutou pela construção de um teatro municipal, para servir de palco às principais manifestações culturais da cidade, sociais e até políticas. A localização escolhida foi a […]

Cartaz da récita Flores da Madeira a favor da Mocidade Portuguesa, Teatro Municipal de Baltazar Dias, 7 de abril de 1945, Funchal, ilha da Madeira.

Cartaz da récita Flores da Madeira a favor da Mocidade Portuguesa Original de E. Feyo, pseudónimo do Dr. Elmano Vieira (1892-1962) e Teodoro Silva (1900-1976) e música do capitão Edmundo Lomelino (1886-1962) Récita em benefício do Fundo de Camaradagem dos Centros Escolares da Mocidade Portuguesa (Masculino e Feminino), Escola Industrial e Comercial António Augusto de Aguiar Teatro Municipal de Baltazar Dias, 7 de abril de 1945. Pub. Paulo Miguel Rodrigues, in Teatro Municipal de Baltazar Dias, Funchal, Imprensa Académica, abril de 2019, p. 216. Coleção do Teatro Municipal de Baltazar Dias, Funchal, ilha da Madeira. Como as grandes cidades europeias, […]

Orquestra de Câmara do Funchal, Teatro Municipal de Baltazar Dias, 1959 (c.), Funchal, ilha da Madeira.

Orquestra de Câmara do Funchal Pianista Boekle e direção do maestro Winfried Wolf (1900-1982), também pianista Teatro Municipal de Baltazar Dias, 1959 (c.) Arquivo Regional da Madeira, Espólio Luís Pether Clode (1904-1990), LPC, 42-1027, 19, m0602 Bilhete-postal Perestrellos Coleção do Teatro Municipal de Baltazar Dias, Funchal, ilha da Madeira. Em 1943, por iniciativa do Eng. Luiz Peter Clode (1904-1990) e de colaboração com o seu irmão Dr. William Edward Clode (1900-1980), então vereador do Funchal, foi fundada a Sociedade de Concertos da Madeira, entidade que virá a catalisar em si, até certo ponto, a vida cultural de uma determinada sociedade […]

Cenário de interior neogótico do Teatro D. Maria Pia, 1905 (c.), Funchal, ilha da Madeira.

Cenário de interior neogótico do Teatro D. Maria Pia (1847-1911) Campanha de 1905 (c.) Museu de Fotografia da Madeira, Atelier Vicente’s, datada de 1888 a 1905, provavelmente, de 1905 (c.) Encontra-se montado o ponto, como aparece depois em 1913, foi reformulado o fosso da orquestra e montadas as cadeiras da plateia. Coleção do Teatro Municipal de Baltazar Dias, Funchal, ilha da Madeira. Como as grandes cidades europeias, também o Funchal, ao longo do século XIX, lutou pela construção de um teatro municipal, para servir de palco às principais manifestações culturais da cidade, sociais e até políticas. A localização escolhida foi […]

Cenário do bosque do Teatro D. Maria Pia, Luígi Manini e Eugénio Cotrim, 1887, Funchal, ilha da Madeira

Cenário do bosque do Teatro D. Maria Pia (1847-1911) Campanha do cenógrafo italiano Luígi Manini (1848-1936) e de Eugénio Cotrim (1849-1937), 1887 Museu de Fotografia da Madeira, Atelier Vicente’s, datada de 1888 a 1905, mas provavelmente, da apresentação, a 29 de julho de 1887 Coleção do Teatro Municipal de Baltazar Dias, Funchal, ilha da Madeira. Os trabalhos destes dois pintores e a nova sala de espetáculos do Funchal foram apresentados oficialmente a 29 de julho de 1887, numa concorrida cerimónia a que teriam estado presentes mil e oitocentas pessoas, como depois noticia o Correio da Manhã a 4 de agosto […]

Representação da peça Guiomar Teixeira de J. Reis Gomes, Theatro Funchalense, 28 de junho de 1913, Funchal, ilha da Madeira.

Representação da peça Guiomar Teixeira de J. Reis Gomes (1869-1950) Theatro Funchalense, 28 de junho de 1913. Coleção do Teatro Municipal de Baltazar Dias, Funchal, ilha da Madeira. Em 1913 teve o Teatro Funchalense as várias representações da peça do capitão João dos Reis Gomes (1869-1950), intitulada Guiomar Teixeira, sendo introduzido pela primeira vez o cinema como apoio a ação representada. Esta peça tinha por base a novela histórica A Filha de Tristão das Damas , que o autor publicara em 1909, logo noticiada em Lisboa, como então a versão para teatro. Entraram em cena elementos da família Reis Gomes, […]

Representação da peça Guiomar Teixeira de J. Reis Gomes, Theatro Funchalense, 28 de junho de 1913, Funchal, ilha da Madeira.

Representação da peça Guiomar Teixeira de J. Reis Gomes (1869-1950) Theatro Funchalense, 28 de junho de 1913. Coleção do Teatro Municipal de Baltazar Dias, Funchal, ilha da Madeira. Em 1913 teve o Teatro Funchalense as várias representações da peça do capitão João dos Reis Gomes (1869-1950), intitulada Guiomar Teixeira, sendo introduzido pela primeira vez o cinema como apoio a ação representada. Esta peça tinha por base a novela histórica A Filha de Tristão das Damas , que o autor publicara em 1909, logo noticiada em Lisboa, como então a versão para teatro. Entraram em cena elementos da família Reis Gomes, […]

Representação da peça Guiomar Teixeira de J. Reis Gomes, Theatro Funchalense, 28 de junho de 1913, Funchal, ilha da Madeira.

Representação da peça Guiomar Teixeira de J. Reis Gomes (1869-1950) Theatro Funchalense, 28 de junho de 1913. Coleção do Teatro Municipal de Baltazar Dias, Funchal, ilha da Madeira. Em 1913 teve o Teatro Funchalense as várias representações da peça do capitão João dos Reis Gomes (1869-1950), intitulada Guiomar Teixeira, sendo introduzido pela primeira vez o cinema como apoio a ação representada. Esta peça tinha por base a novela histórica A Filha de Tristão das Damas , que o autor publicara em 1909, logo noticiada em Lisboa, como então a versão para teatro. Entraram em cena elementos da família Reis Gomes, […]

Cabeça, desenho de Santa-Rita pintor, 1913 (c.), coleção privada, Lisboa, Portugal.

Cabeça. Desenho a lápis sobre papel Guilherme de Santa-Rita pintor (1889-1918), 1913 (c.), Coleção Pitta e Cunha Lisboa, Portugal Guilherme Augusto Cau da Costa de Santa Rita ou Guilherme de Santa-Rita, mais tarde, apenas, Santa-Rita Pintor (Lisboa, 31 out. 1889-Idem, 29 abr. 1918) foi um pintor português, figura mítica da primeira geração de pintores modernistas portugueses. Nunca expôs em Portugal, mas esteve vários anos em Paris garantindo, com Amadeo de Souza-Cardoso (1887-1918), a primeira ligação efetiva às vanguardas históricas do início do século XX. Possuía uma muito especial relação com os irmãos Henrique (1883-1961) e Francisco Franco (1885-1955), havendo apontamentos […]

António Ferro e Eu, caricatura de Teixeira Cabral, 1940 (c.), Lisboa, Portugal.

António Ferro e Eu. António Joaquim Tavares Ferro (1895-1956) Desenho a tinta-da-china sobre papel. António Teixeira Cabral (1910-1980), 1940 (c.). Uma outra versão desta caricatura, a cores e de 1955, entre outras que teria feito, apareceu na Cabral Moncada Leilões, a 18 de fevereiro de 2014, lote 156, avaliada em 300 a 450 euros e foi vendida por 300. Coleção particular, Lisboa, Portugal. António Ferro (Lisboa, 1895; idem. 1956) com apenas 19 anos foi editor da revista Orfheu, responsabilidade para que foi escolhido por Fernando Pessoa (1888-1935) precisamente por ser ainda menor. Foi jornalista nos diários O Jornal, 1915, dirigido […]

D. Manuel Clemente e Manuel Galvão de Melo e Mota, 5 de abril de 2024, Lisboa, Portugal

D. Manuel Clemente e professor Manuel Galvão de Melo e Mota D. Manuel Clemente (1948-), cardeal patriarca emérito de Lisboa. Por ocasião da execução da cópia manuscrita da estrofe XXII de Os Lusíadas, Fotografia de 5 de abril de 2024. Lisboa, Portugal. O Contra-Almirante Alfredo Motta (1894-1984) empreendeu ao longo dos seus últimos anos a execução em manuscrito pelas personalidades entendidas como notáveis do seu tempo de um exemplar de Os Lusíadas, de Luís de Camões (1524-1580), missão que deixou depois ao neto, agora professor catedrático aposentado Manuel Galvão de Melo e Mota e que está a tentar acabá-lo.

D. Manuel Clemente e a estrofe XXII de Os Lusíadas, Lisboa, 5 de abril de 2024, Portugal

D. Manuel Clemente e a estrofe XXII de Os Lusíadas Manuscrito a tinta sobre papel. D. Manuel Clemente (1948-), cardeal patriarca emérito de Lisboa, 5 de abril de 2024. Fotografia de Manuel Galvão de Melo e Mota, 5 de abril de 2024. Lisboa, Portugal. O Contra-Almirante Alfredo Motta (1894-1984) empreendeu ao longo dos seus últimos anos a execução em manuscrito pelas personalidades entendidas como notáveis do seu tempo de um exemplar de Os Lusíadas, de Luís de Camões (1524-1580), missão que deixou depois ao neto, agora professor catedrático aposentado Manuel Galvão de Melo e Mota e que está a tentar […]

Rui Carita e a estrofe LXXVI de Os Lusíadas, 4 de abril de 2024, Amadora, Portugal

Rui Carita e a estrofe LXXVI de Os Lusíadas Manuscrito a tinta sobre papel. (1946-), Fotografia de Manuel Galvão de Melo e Mota, 4 de abril de 2024. Amadora, Portugal. O Contra-Almirante Alfredo Motta (1894-1984) empreendeu ao longo dos seus últimos anos a execução em manuscrito pelas personalidades entendidas como notáveis do seu tempo de um exemplar de Os Lusíadas, de Luís de Camões (1524-1580), missão que deixou depois ao neto, agora professor catedrático aposentado Manuel Galvão de Melo e Mota e que está a tentar acabá-lo.

Estrofe LXXVI de Os Lusíadas, Rui Carita, 3 de abril de 2024, Amadora, Portugal

Estrofe LXXVI de Os Lusíadas Manuscrito a tinta sobre papel. Rui Carita (1946-), 3 de abril de 2024. Fotografia de Manuel Galvão de Melo e Mota, 3 de abril de 2024. Casa da Amadora, Portugal. O Contra-Almirante Alfredo Motta (1894-1984) empreendeu ao longo dos seus últimos anos a execução em manuscrito pelas personalidades entendidas como notáveis do seu tempo de um exemplar de Os Lusíadas, de Luís de Camões (1524-1580), missão que deixou depois ao neto, agora professor catedrático aposentado Manuel Galvão de Melo e Mota e que está a tentar acabá-lo.

Estrofe XXII de Os Lusíadas, D. Manuel Clemente, 5 de abril de 2024, Lisboa, Portugal.

Estrofe XXII de Os Lusíadas Manuscrito a tinta sobre papel. D. Manuel Clemente (1948-), cardeal patriarca emérito de Lisboa, 5 de abril de 2024. Fotografia de Manuel Galvão de Melo e Mota, 5 de abril de 2024. Lisboa, Portugal. O Contra-Almirante Alfredo Motta (1894-1984) empreendeu ao longo dos seus últimos anos a execução em manuscrito pelas personalidades entendidas como notáveis do seu tempo de um exemplar de Os Lusíadas, de Luís de Camões (1524-1580), missão que deixou depois ao neto, agora professor catedrático aposentado Manuel Galvão de Melo e Mota e que está a tentar acabá-lo.

Estrofe LXII de Os Lusíadas por Teixeira Cabral, 1980 (c.), Lisboa, Portugal.

Estrofe LXII de Os Lusíadas Manuscrito a tinta sobre papel. António Teixeira Cabral (1910-1980), 1980 (c.). Fotografia de Manuel Galvão de Melo e Mota, janeiro de 2024. Lisboa, Portugal. O Contra-Almirante Alfredo Motta (1894-1984) empreendeu ao longo dos seus últimos anos a execução em manuscrito pelas personalidades entendidas como notáveis do seu tempo de um exemplar de Os Lusíadas, de Luís de Camões (1524-1580), missão que deixou depois ao neto, agora professor catedrático aposentado Manuel Galvão de Melo e Mota e que está a tentar acabá-lo. António Teixeira Cabral (Funchal, 29 jan. 1908-Lisboa, 1 jul. 1980) caricaturista que iniciou a […]

Eugénia Rego Pereira, Colecção Baltazar Dias, coordenação de Luísa Paolinelli e Cristina Trindade, com o apoio de Carlos Barradas e Cláudia Neves, Funchal, Imprensa Académica, novembro de 2020, ilha da Madeira

Eugénia Rego Pereira, (1875-1947) Maria Eugénia de Afonseca Acciaiolly Rego Pereira (Ponta do Sol, 1 maio 1875; Funchal, 27 ago. 1947) Coleção Baltazar Dias, coordenação de Luísa Paolinelli e Cristina Trindade, com o apoio de Carlos Barradas e Cláudia Neves, Funchal, Imprensa Académica, novembro de 2020, ilha da Madeira. D. Maria Eugénia de Afonseca Acciaiolly Rego Pereira (Ponta do Sol, 1 maio 1875; Funchal, 27 ago. 1947). Filha de Carlos Acciaiolly Rego, escrivão da Fazenda e de Juliana de Afonseca Acciaiolly Rego, casou com o primeiro-tenente da Armada João Higino Pereira (1875-1906), mas falecido prematuramente e do qual ficou com […]

Vista noturna do Funchal com fogo-de-artifício de fim do ano, Max Römer, 1940, Funchal, ilha da Madeira.

Vista noturna do Funchal com fogo-de-artifício de fim do ano. Visitai a Madeira nos últimos dias de Dezembro. A Despedida do Ano, Espectáculo único no Mundo, Fogo, Exposição regional, Cortejo Folklorico. Delegação de Turismo da Madeira. Litografia a partir de guache de Max Römer (1878-1960), 1940. Litografia Nacional, Porto. Pub. Paulo Miguel Rodrigues, in Teatro Municipal de Baltazar Dias, Funchal, Imprensa Académica, abril de 2019, p. 209. Funchal, ilha da Madeira. Max Wilhelm Römer (Hamburgo, 22 nov. 1878; Funchal, 18 ago. 1960). Tendo-se alistado como soldado na infantaria alemã, durante a I Grande Guerra, de 15 jun. 1915 a 28 […]

Um Arraial na Madeira – Costumes Madeirenses, Matilde Sauvaire da Câmara, Funchal, 1925 (c.), ilha da Madeira

Um Arraial na Madeira – Costumes Madeirenses Levado no Teatro Funchalense por um grupo de 60 creanças, n’uma festa para os pobres Bastantes anos antes, foi levado no mesmo Teatro, numa récita de gala, no dia em que foi aclamado El-Rei o Senhor D. Manuel II (D. Manuel foi aclamado em Lisboa a 6 de maio de 1908) Manuscrito de Matilde Sauvaire da Câmara (1871-1957) Pub. Paulo Miguel Rodrigues, in Teatro Municipal de Baltazar Dias, Funchal, Imprensa Académica, abril de 2019, p. 328. Espólio do Arquivo Regional da Madeira, Funchal, ilha da Madeira. Matilde Olímpia Sauvaire da Câmara (Funchal, 23 […]

Cartaz da peça Feitiço Quebrado de Eugénia Rego Pereira, Teatro Municipal de Baltazar Dias, 16 de maio de 1942, Funchal, ilha da Madeira

Cartaz da peça Feitiço Quebrado Original de Eugénia R. Pereira (1877-1947) Teatro Municipal de Baltazar Dias, 16 de maio de 1942, subiu então à cena 6 vezes em maio e junho desse ano de 1942. Pub. Paulo Miguel Rodrigues, in Teatro Municipal de Baltazar Dias, Funchal, Imprensa Académica, abril de 2019, p. 152. Coleção do Teatro Municipal de Baltazar Dias, Funchal, ilha da Madeira. D. Maria Eugénia de Afonseca Acciaiolly Rego Pereira (Ponta do Sol, 1 maio 1875; Funchal, 27 ago. 1947). Filha de Carlos Acciaiolly Rego, escrivão da Fazenda e de Juliana de Afonseca Acciaiolly Rego, casou com o […]

Programa da revista Olha P’ra Isto, Grupo Cultural de Santa Maria Maior da FNAT, Teatro Municipal de Baltazar Dias, 10 de junho de 1958, Funchal, ilha da Madeira

Programa da revista madeirense Olha P’ra Isto Autoria de Calado Nunes, com coreografia e marcações de Henrique Martins (1904-1996) Grupo Cultural de Santa Maria Maior da FNAT Teatro Municipal de Baltazar Dias, 10 de junho de 1958. Pub. Paulo Miguel Rodrigues, in Teatro Municipal de Baltazar Dias, Funchal, Imprensa Académica, abril de 2019, p. 208. Coleção do Teatro Municipal de Baltazar Dias, Funchal, ilha da Madeira. Nesta época despontam as célebres revistas da Madeira, algumas mesmo depois remontadas nos Açores, como o caso da revista A Madeira em Festa da autoria de Teodoro Silva (1900-1976), com música do capitão Edmundo […]

Nota biográfica de José Luís de Brito Gomes (Canavial), Luís Marino, Funchal, 1990 (c.), ilha da Madeira

Nota biográfica de José Luís de  Brito Gomes (Canavial) (14 mar. 1902-8 fev. 1991). Luís Marino (Luís Gomes da Silva, 1909-1996), Funchal, 1990 (c.) (espólio do ARM, LMR/A/01/97, 7-13, p. 304)

Cartaz da revista Bolas de Sabão a favor da Mocidade Portuguesa, Teatro Municipal de Baltazar Dias, 15 de abril de 1944, Funchal, ilha da Madeira.

Cartaz da récita Bolas de Sabão a favor da Mocidade Portuguesa Original de Teodoro Silva (1900-1976) e música do capitão Edmundo Lomelino (1886-1962) Récita em benefício do Fundo de Camaradagem do centro n.º 2 da Mocidade Portuguesa, Escola Industrial e Comercial António Augusto de Aguiar Teatro Municipal de Baltazar Dias, 15 de abril de 1944. Pub. Paulo Miguel Rodrigues, in Teatro Municipal de Baltazar Dias, Funchal, Imprensa Académica, abril de 2019, p. 207. Coleção do Teatro Municipal de Baltazar Dias, Funchal, ilha da Madeira. Como as grandes cidades europeias, também o Funchal, ao longo do século XIX, lutou pela construção […]

Cartaz da Companhia Amélia Rey Colaço-Robles Monteiro, Teatro Dr. Manuel de Arriaga, abril de 1927, Funchal, ilha da Madeira

Cartaz da Companhia Amélia Rey Colaço-Robles Monteiro, (1898-1990) e (1888-1958) Teatro Dr. Manuel de Arriaga, Récita dos Bombeiros Voluntários do Funchal (Officiais), Sonho d’uma noite de Agosto, abril de 1927. Pub. Paulo Miguel Rodrigues, in Teatro Municipal de Baltazar Dias, Funchal, Imprensa Académica, abril de 2019, p. 194. Coleção do Teatro Municipal de Baltazar Dias, Funchal, ilha da Madeira. Como as grandes cidades europeias, também o Funchal, ao longo do século XIX, lutou pela construção de um teatro municipal, para servir de palco às principais manifestações culturais da cidade, sociais e até políticas. A localização escolhida foi a parte Sul […]

Cartaz da Tournee Adelina Abranches, Teatro Dr. Manuel de Arriaga, setembro de 1919, Funchal, ilha da Madeira.

Cartaz da Tournee Adelina Abranches (1866-1945) Teatro Dr. Manuel de Arriaga, setembro de 1919. Fotografia pub. Paulo Miguel Rodrigues, in Teatro Municipal de Baltazar Dias, Funchal, Imprensa Académica, abril de 2019, p. 189. Coleção do Teatro Municipal de Baltazar Dias, Funchal, ilha da Madeira. Como as grandes cidades europeias, também o Funchal, ao longo do século XIX, lutou pela construção de um teatro municipal, para servir de palco às principais manifestações culturais da cidade, sociais e até políticas. A localização escolhida foi a parte Sul da antiga cerca do Convento de São Francisco, onde funcionava um mercado, tendo já então […]

Drama Júnia de Jaime Câmara, Funchal, 1918, ilha da Madeira.

Drama Júnia de Jaime Câmara, 1918 (1881-1946) Peça produzida pela Cruzada das Mulheres Portuguesas Fotografia pub. Paulo Miguel Rodrigues, in Teatro Municipal de Baltazar Dias, Funchal, Imprensa Académica, abril de 2019, p. 173. Teatro Municipal de Baltazar Dias, Funchal, ilha da Madeira. Jaime Sanches Câmara (Funchal, 13 mar. 1881; idem, 24 dez. 1946). Filho de António José Câmara e de Helena Celina Gomes Câmara, foi chefe da Estação Meteorológica do Funchal e ajudante de conservador do Registo Predial, tendo-se dedicado à poesia e ao jornalismo, com larga obra editada, mantendo acesas polémicas com outros poetas locais. No ano de 1917 […]

Cartaz da Tournée Faróes com Paquita Calvo, Theatro Funchalense, abril de 1912, Funchal, ilha da Madeira

Cartaz da Tournée Faróes com Paquita Calvo Theatro Funchalense, penúltimo espetáculo, Festa Artística com Madeira… em Sarrafos, Ditoso Fado e O Peor Castigo, abril de 1912. Fotografia pub. Paulo Miguel Rodrigues, in Teatro Municipal de Baltazar Dias, Funchal, Imprensa Académica, abril de 2019, p. 152. Coleção do Teatro Municipal de Baltazar Dias, Funchal, ilha da Madeira. Como as grandes cidades europeias, também o Funchal, ao longo do século XIX, lutou pela construção de um teatro municipal, para servir de palco às principais manifestações culturais da cidade, sociais e até políticas. A localização escolhida foi a parte Sul da antiga cerca […]

Cartaz da Companhia Berta de Bivar-Alves da Cunha, Teatro Municipal, 18 de dezembro de 1932, Funchal, ilha da Madeira

Cartaz da Companhia Berta de Bivar-Alves da Cunha. Berta de Bívar de Vasconcelos Peyroteo (1889-1964) e José Maria Alves da Cunha (1889-1956) Teatro Municipal, 18 de dezembro de 1932. Fotografia pub. Paulo Miguel Rodrigues, in Teatro Municipal de Baltazar Dias, Funchal, Imprensa Académica, abril de 2019, p. 203. Coleção do Teatro Municipal de Baltazar Dias, Funchal, ilha da Madeira. Como as grandes cidades europeias, também o Funchal, ao longo do século XIX, lutou pela construção de um teatro municipal, para servir de palco às principais manifestações culturais da cidade, sociais e até políticas. A localização escolhida foi a parte Sul […]

Cartaz da Companhia Berta de Bivar-Alves da Cunha, Teatro Dr. Manuel de Arriaga, 3 de fevereiro de 1923, Funchal, ilha da Madeira.

Cartaz da Companhia Berta de Bivar-Alves da Cunha. Berta de Bívar de Vasconcelos Peyroteo (1889-1964) e José Maria Alves da Cunha (1889-1956) Teatro Dr. Manuel de Arriaga, 3 de fevereiro de 1923. Fotografia pub. Paulo Miguel Rodrigues, in Teatro Municipal de Baltazar Dias, Funchal, Imprensa Académica, abril de 2019, p. 181. Coleção do Teatro Municipal de Baltazar Dias, Funchal, ilha da Madeira. Como as grandes cidades europeias, também o Funchal, ao longo do século XIX, lutou pela construção de um teatro municipal, para servir de palco às principais manifestações culturais da cidade, sociais e até políticas. A localização escolhida foi […]

Cartaz da revista madeirense A Madeira na Berlinda, texto de Francisco Bento de Oliveira e Luís Pinheiro, música de Manuel Ribeiro, Teatro Funchalense, 3 de fevereiro de 1916, Funchal, ilha da Madeira

Cartaz da revista madeirense A Madeira na Berlinda. Texto de Francisco Bento de Oliveira (1873-1956) e Luís Pinheiro, música do alferes Manuel Ribeiro (1884-1949) Teatro Funchalense, 3 de fevereiro de 1916. Fotografia pub. Paulo Miguel Rodrigues, in Teatro Municipal de Baltazar Dias, Funchal, Imprensa Académica, abril de 2019, p. 166. Coleção do Teatro Municipal de Baltazar Dias, Funchal, ilha da Madeira. Como as grandes cidades europeias, também o Funchal, ao longo do século XIX, lutou pela construção de um teatro municipal, para servir de palco às principais manifestações culturais da cidade, sociais e até políticas. A localização escolhida foi a […]

Partitura da revista madeirense Miúdos…, prólogo de Pedro C. de Oliveira e música de Dario Flores, Teatro Funchalense, 1916, Funchal, ilha da Madeira

Partitura da revista madeirense Miúdos… Prólogo de Pedro C. de Oliveira e música de Dario Flores (1879-1951) Teatro Funchalense, 1916. Fotografia pub. Paulo Miguel Rodrigues, in Teatro Municipal de Baltazar Dias, Funchal, Imprensa Académica, abril de 2019, p. 161. Coleção do Teatro Municipal de Baltazar Dias, Funchal, ilha da Madeira. Como as grandes cidades europeias, também o Funchal, ao longo do século XIX, lutou pela construção de um teatro municipal, para servir de palco às principais manifestações culturais da cidade, sociais e até políticas. A localização escolhida foi a parte Sul da antiga cerca do Convento de São Francisco, onde […]

Cartaz da récita Júnia de Jaime Câmara, Teatro Funchalense, março de 1917, Funchal, ilha da Madeira.

Cartaz da récita Júnia de Jaime Câmara, (1881-1946) Produzida pela Cruzada das Mulheres Portuguesas De cima para baixo: Emília Marques e Maria Angélica Meneses Alves; Emília Marques, Jaime Câmara, Dario Flores (1879-1951) e Emília Marques; ex-viscondes da Ribeira Brava, Francisco Correia Herédia (1852-1918) e D. Joana Gil de Borja de Macedo e Meneses (1851-1925), tendo Ribeira Brava sido o ensaiador da récita e predindo a mulher à Cruzada. Teatro Funchalense, março de 1917. Fotografia pub. Paulo Miguel Rodrigues, in Teatro Municipal de Baltazar Dias, Funchal, Imprensa Académica, abril de 2019, p. 160. Coleção do Teatro Municipal de Baltazar Dias, Funchal, […]

Cartaz da récita da grande companhia dramática italiana da eminente atriz Italia Vitaliani, Real Teatro de S. João, 18 de novembro de 1907, Porto, Portugal

Cartaz de récita da grande companhia dramática italiana da eminente atriz Italia Vitaliani Italia Marianna Vitaliani (20 ago. 1866-6 dez. 1938) Récita extraordinária a favor da Escola de Cegos do Porto Real Theatro de S. João do Porto, 18 de novembro de 1907. Porto, Portugal Nos anos seguintes a designação no Teatro Funchalense da ilha da Madeira passou a ser Grande Companhia Dramática Italiana Vitaliani-Duse

Programa da Edda Gabler, Grande Companhia Dramática Italiana Vitaliani-Duse, Teatro Funchalense, 17 de setembro de 1913, Funchal, ilha da Madeira

Programa da Edda Gabler Grande Companhia Dramática Italiana Vitaliani-Duse, Teatro Funchalense, 17 de setembro de 1913. Italia Marianna Vitaliani (20 ago. 1866-6 dez. 1938) Fotografia pub. Paulo Miguel Rodrigues, in Teatro Municipal de Baltazar Dias, Funchal, Imprensa Académica, abril de 2019, p. 157. Coleção do Teatro Municipal de Baltazar Dias, Funchal, ilha da Madeira. Como as grandes cidades europeias, também o Funchal, ao longo do século XIX, lutou pela construção de um teatro municipal, para servir de palco às principais manifestações culturais da cidade, sociais e até políticas. A localização escolhida foi a parte Sul da antiga cerca do Convento […]

Programa da Tosca, récita extraordinária, Grande Companhia Dramática Italiana Vitaliani-Duse, Teatro Funchalense, setembro de 1913, Funchal, ilha da Madeira

Programa da Tosca, récita extraordinária Grande Companhia Dramática Italiana Vitaliani-Duse, Teatro Funchalense, 14 de setembro de 1913. Italia Marianna Vitaliani (20 ago. 1866-6 dez. 1938) Fotografia pub. Paulo Miguel Rodrigues, in Teatro Municipal de Baltazar Dias, Funchal, Imprensa Académica, abril de 2019, p. 158. Coleção do Teatro Municipal de Baltazar Dias, Funchal, ilha da Madeira. Como as grandes cidades europeias, também o Funchal, ao longo do século XIX, lutou pela construção de um teatro municipal, para servir de palco às principais manifestações culturais da cidade, sociais e até políticas. A localização escolhida foi a parte Sul da antiga cerca do […]

Concerto pela Orquestra da Emissora Nacional, maestro Frederico de Freitas, Teatro Municipal de Baltazar Dias, abril de 1959, Funchal, ilha da Madeira

Concerto pela Orquestra da Emissora Nacional Maestro Frederico de Freitas (1902-1980), Teatro Municipal de Baltazar Dias, abril de 1959. Fotografia pub. Paulo Miguel Rodrigues, in Teatro Municipal de Baltazar Dias, Funchal, Imprensa Académica, abril de 2019, p. 147. Coleção Perestrellos, Arquivo e Biblioteca da Madeira, Funchal, ilha da Madeira. Como as grandes cidades europeias, também o Funchal, ao longo do século XIX, lutou pela construção de um teatro municipal, para servir de palco às principais manifestações culturais da cidade, sociais e até políticas. A localização escolhida foi a parte Sul da antiga cerca do Convento de São Francisco, onde funcionava […]

Guiomar Teixeira por J. Reis Gomes, Funchal, Heraldo da Madeira, 1912, ilha da Madeira

Guiomar Teixeira por J. Reis Gomes (1869-1950) Funchal, Oficinas do Heraldo da Madeira, 1912. Fotografia pub. Paulo Miguel Rodrigues, in Teatro Municipal de Baltazar Dias, Funchal, Imprensa Académica, abril de 2019, p. 159. Funchal, ilha da Madeira. Em 1913 teve o Teatro Funchalense as várias representações da peça do capitão João dos Reis Gomes, intitulada Guiomar Teixeira, sendo introduzido pela primeira vez o cinema como apoio a ação representada. Esta peça tinha por base a novela histórica A Filha de Tristão das Damas, que o autor publicara em 1909, logo noticiada em Lisboa, como então a versão para teatro. Entraram […]

Planta de Gibraltar, gravura aguarelada de 1709 e seguintes, Holanda e Espanha

De haven en straat van Gibraltar Primeira versão de 1709 Livraria do Congresso dos Estados Unidos da América. O célebre Rochedo de Gibraltar foi ocupado pelas forças inglesas em 1704, no quadro da Guerra de Sucessão de Espanha, ocupação reconhecida pelo Tratado de Utrecht ou Utreque, de 1713. O interesse desta praça forte é patente nas inúmeras representações, inclusivamente da sua tomada pelos ingleses, em 1704, em O Livro de varias plantas deste Reino e de Castela de Ioão Thomas Correa (de Brito), álbum efetuado entre 1699 e 1743, havendo folhas datadas, como a fl. 43 (1699), fl. 47 (1712), […]

Tratado de Utrecht, edição de Madrid, 1714, Espanha.

Tratado de Paz ajustado entre la Corona de España, y los Estados Generales de las Províncias unidas de los Payses Baxos en Utrech. En Madrid, Año de 1714, Espanha. Biblioteca Nacional de Espanha, Madrid, Espanha. Tratado que definiu um novo desenho para a Europa, com a oficialização da ocupação de Gibraltar de 1704 pela Inglaterra e onde Portugal foi representado por João Gomes da Silva (1671-1738), conde de Tarouca, assessorado por D. Luís da Cunha (1662-1749), que assumia então especial protagonismo, inclusivamente internacional, sendo ministro de Portugal em Londres desde 1696 e que a 29 de janeiro de 1712 iniciava […]

Tratado de Utrecht, edição de Madrid, 1714, Espanha.

Tratado de Paz ajustado entre la Corona de España, y los Estados Generales de las Províncias unidas de los Payses Baxos en Utrech. En Madrid, Año de 1714, Espanha. Biblioteca Nacional de Espanha, Madrid, Espanha. Tratado que definiu um novo desenho para a Europa, com a oficialização da ocupação de Gibraltar de 1704 pela Inglaterra e onde Portugal foi representado por João Gomes da Silva (1671-1738), conde de Tarouca, assessorado por D. Luís da Cunha (1662-1749), que assumia então especial protagonismo, inclusivamente internacional, sendo ministro de Portugal em Londres desde 1696 e que a 29 de janeiro de 1712 iniciava […]

O Povo, Semanário Republicano, n.º 1, Funchal, 31 de janeiro de 1907, ilha da Madeira

O Povo, Semanário Republicano, n.º 1, Funchal, 31 de janeiro de 1907, ilha da Madeira Direção do Dr. Manuel Augusto Martins (1867-1936), Exemplar do ARM, Coleção de Jornais, imag. 4240789, Funchal, ilha da Madeira. Arquivo Regional da Madeira, Funchal, ilha da Madeira. Manuel Augusto Martins (Funchal, 1867; idem, 4 Abr. 1936). A sua vida profissional iniciou-se como ajudante no colégio do republicano de Júlio da Silva Carvalho, entre 1880 e 1892, saindo dali para Coimbra, onde se licenciou em Direito, entrando em 1898 para o escritório de Afonso Costa e Teixeira de Abreu. Regressaria ao Funchal em 1900, presidindo ao […]

A Voz do Povo, n.º 1, Funchal, 17 de maio de 1860, ilha da Madeira

A Voz do Povo, n.º 1, Funchal, 17 de maio de 1860, ilha da Madeira Exemplar do ARM, Coleção de Jornais, imag. 386018, Funchal, ilha da Madeira.

Solar do Agrela e forte de São Sebastião dos Reis Magos, 1950 (c.), Caniço, ilha da Madeira.

Solar do Agrela e forte de São Sebastião dos Reis Magos. Reduto ou forte dos Reis Magos. Praia dos Reis Magos, Caniço, fotografia de 1950 (c.). Museu de Fotografia da Madeira, Atelier Vicente’s, Funchal, ilha da Madeira. Cronologia: 1567 – determinação de construção de uma vigia na área; 1633, 5 Mar. – tomada de posse da companhia de milícias do Caniço por Roque Ferreira de Vasconcelos; 1635, 10 Out. – tomada de posse da companhia de milícias do Caniço por Manuel Veloso da Câmara; 1642, Set. – pagamento das telhas para a vigia do Caniço pelos dinheiros da fortificação no […]

Igreja do Bom Jesus de Ponta Delgada e cemitério, reconstrução de 1910 (c.) e seguintes, Ponta Delgada, ilha da Madeira.

Igreja do Bom Jesus de Ponta Delgada e cemitério. Reconstrução de 1910 (c.). Fotografia de Visit Madeira, SRTC, 2020. Ponta Delgada, ilha da Madeira. Cronologia 1570 (c.)- Construção da Capela do Senhor Bom Jesus que, provavelmente, esteve na origem da igreja; 1636 – remodelação da primitiva capela; 1646 – o fluxo de romeiros era tão grande que Afonso Gomes deixou à Fábrica da Igreja uma casa para os romeiros pernoitarem; 1650 (c.) – reforma do altar-mor pela oficina de Manuel Pereira; 1700 – obras de ampliação do edifício; 1770 a 1790 – reforma da sacristia e levantamento do novo retábulo-mor; […]

Igreja de Ponta Delgada e rochas da Boaventura, bilhete-postal J. Figueira, 1950 (c.), Ponta Delgada, ilha da Madeira.

Igreja de Ponta Delgada e rochas da Boaventura. Igreja com reconstrução de 1910 (c.). Bilhete-postal J. Figueira, nº 118, 1950 (c.). Ponta Delgada, ilha da Madeira. Cronologia 1570 (c.)- Construção da Capela do Senhor Bom Jesus que, provavelmente, esteve na origem da igreja; 1636 – remodelação da primitiva capela; 1646 – o fluxo de romeiros era tão grande que Afonso Gomes deixou à Fábrica da Igreja uma casa para os romeiros pernoitarem; 1650 (c.) – reforma do altar-mor pela oficina de Manuel Pereira; 1700 – obras de ampliação do edifício; 1770 a 1790 – reforma da sacristia e levantamento do […]

Cartaz da Guiomar Teixeira por J. Reis Gomes, Teatro Funchalense, 28 de junho de 1913, Funchal, ilha da Madeira.

Cartaz da Guiomar Teixeira por J. Reis Gomes Theatro Funchalense, 28 de junho de 1913. Fotografia pub. Paulo Miguel Rodrigues, in Teatro Municipal de Baltazar Dias, Funchal, Imprensa Académica, abril de 2019, p. 154. Coleção do Teatro Municipal de Baltazar Dias, Funchal, ilha da Madeira. Em 1913 teve o Teatro Funchalense as várias representações da peça do capitão João dos Reis Gomes, intitulada Guiomar Teixeira, sendo introduzido pela primeira vez o cinema como apoio a ação representada. Esta peça tinha por base a novela histórica A Filha de Tristão das Damas, que o autor publicara em 1909, logo noticiada em […]

Cartaz da Tournée Faróes com Paquita Calvo, Teatro Funchalense, março de 1912, Funchal, ilha da Madeira.

Cartaz da Tournée Faróes com Paquita Calvo Theatro Funchalense, A Capital Federal com Princeza dos Dollars, março de 1912. Fotografia pub. Paulo Miguel Rodrigues, in Teatro Municipal de Baltazar Dias, Funchal, Imprensa Académica, abril de 2019, p. 148. Coleção do Teatro Municipal de Baltazar Dias, Funchal, ilha da Madeira. Como as grandes cidades europeias, também o Funchal, ao longo do século XIX, lutou pela construção de um teatro municipal, para servir de palco às principais manifestações culturais da cidade, sociais e até políticas. A localização escolhida foi a parte Sul da antiga cerca do Convento de São Francisco, onde funcionava […]

Último acto d’um valente, expulsão de Afonso Costa pelo major Sidónio Pais, bilhete-postal, Lisboa, 1918 (c.), Portugal

Último acto d’um valente Expulsão de Afonso Costa (1871-1937) pelo major Sidónio Pais (1872-1918) Bilhete-postal, Lisboa, 1918 (c.) Casa Comum, Fundação Mário Soares (1924-2017), Lisboa, Portugal. Afonso Augusto Costa (Seia, 6 mar. 1871 – Paris, 11 maio 1937). Advogado, professor e escritor foi membro ativo do Partido Republicano, maçon, várias vezes chefe de governo e figura dominante e incontornável da Primeira República. Sidónio Bernardino Cardoso da Silva Pais (Caminha, 1 de maio de 1872 – Lisboa, 14 de dezembro de 1918) foi o quarto presidente da República Portuguesa, sendo conhecido com o Presidente-Rei. Oficial de Artilharia e professor na Universidade […]

Major André Brun, caricatura de Amarelle, Lisboa, 1926, Portugal

Major André Brun (1881-1926) Impresso de aguarela sobre papel. Caricatura de Amarelle, Américo da Silva Amarelhe (Porto, 1892; Lisboa, 1946), 1926 Pub. Paulo Miguel Rodrigues, in Teatro Municipal de Baltazar Dias, Funchal, Imprensa Académica, abril de 2019, p. 111. André Francisco Brun (Lisboa, 8 maio 1881; idem, 22 dez. 1926). De ascendência francesa seguiu a carreira militar e atingiu o posto de major por distinção após a sua participação na I Grande Guerra, onde foi condecorado com a Cruz de Guerra. De reconhecido sentido de humor, a sua obra literária reparte-se entre o teatro e a crónica, com um grande […]

Cartaz da Companhia de Ópera Cómica Portuguesa, Teatro D. Maria Pia, agosto de 1895, Funchal, ilha da Madeira

Cartaz da Companhia de Ópera Cómica Portuguesa Último espetáculo no Theatro D. Maria Pia, Récita de Gala com O Testamento Azul, agosto de 1895. Fotografia pub. Paulo Miguel Rodrigues, in Teatro Municipal de Baltazar Dias, Funchal, Imprensa Académica, abril de 2019, p. 111. Coleção do Teatro Municipal de Baltazar Dias, Funchal, ilha da Madeira. Como as grandes cidades europeias, também o Funchal, ao longo do século XIX, lutou pela construção de um teatro municipal, para servir de palco às principais manifestações culturais da cidade, sociais e até políticas. A localização escolhida foi a parte Sul da antiga cerca do Convento […]

Soldado do 1.º Regimento da Guarnição Militar do Rio de Janeiro, 1786, José Correia Rangel, Rio de Janeiro, Brasil.

Soldado do 1.º Regimento da Guarnição Militar do Rio de Janeiro, 1786. (1749-1800) Aguarela sobre papel, 16 x 9,5 cm. Capitão do Real Corpo de Engenheiros José Corrêa de Bulhões Rangel, in Guarnição do Rio de Janeiro com seus uniformes e mapas do número de homens dos regimentos pagos e dos auxiliares, Rio de Janeiro, 1786, n.º 15. Biblioteca Nacional do Brasil (Mss. 1286721; 355.140981), Rio de Janeiro, Brasil José Correia Rangel de Bulhões (1749-1800), militar da arma de Infantaria “com exercício de engenheiro“, tem o seu nome ligado a uma importante produção cartográfica relativa às áreas do Rio Grande […]

Soldado do 2.º Regimento da Guarnição Militar do Rio de Janeiro, 1786, José Correia Rangel, Rio de Janeiro, Brasil.

Soldado do 2.º Regimento da Guarnição Militar do Rio de Janeiro, 1786. (1749-1800) Aguarela sobre papel, 16 x 9,5 cm. Capitão do Real Corpo de Engenheiros José Corrêa de Bulhões Rangel, in Guarnição do Rio de Janeiro com seus uniformes e mapas do número de homens dos regimentos pagos e dos auxiliares, Rio de Janeiro, 1786, n.º 30. Biblioteca Nacional do Brasil (Mss. 1286721; 355.140981), Rio de Janeiro, Brasil José Correia Rangel de Bulhões (1749-1800), militar da arma de Infantaria “com exercício de engenheiro“, tem o seu nome ligado a uma importante produção cartográfica relativa às áreas do Rio Grande […]

Teatro Municipal, Empreza Cinema-Sonoro da Madeira, 1932 (c.), Teatro Municipal de Baltazar Dias, Funchal, ilha da Madeira

Empresa do Cinema Sonoro da Madeira Tabela de preços dos espectaculos ordinários, 1932 (c). Fotografia pub. Paulo Miguel Rodrigues, in Teatro Municipal de Baltazar Dias, Funchal, Imprensa Académica, abril de 2019, p. 84. Coleção do Teatro Municipal de Baltazar Dias, Funchal, ilha da Madeira. Nos finais da década de 20, entretanto, o Teatro Municipal cede à pressão comercial do emergente cinema, concessionando a atividade à Empresa do Cinema Sonoro da Madeira, muitas vezes designada, somente, por Empresa do Municipal, da firma Ramos & Ramos, com contrato de 1932, mas formalizando ação que vinha do anterior. Pelo contrato ficou a cargo […]

Medalhão de Maria Aurora, Martim Velosa, setembro de 2013, Átrio da entrada do Teatro Municipal de Baltazar Dias, Funchal, ilha da Madeira

Medalhão de Maria Aurora Aurora Augusta Figueiredo de Carvalho Homem (1939-2010) Medalhão de Martim Velosa, inaugurado a 26 de setembro de 2013. Fotografia pub. Paulo Miguel Rodrigues, in Teatro Municipal de Baltazar Dias, Funchal, Imprensa Académica, abril de 2019, p. 84. Átrio da entrada do Teatro Municipal de Baltazar Dias, Funchal, ilha da Madeira. Como as grandes cidades europeias, também o Funchal, ao longo do século XIX, lutou pela construção de um teatro municipal, para servir de palco às principais manifestações culturais da cidade, sociais e até políticas. A localização escolhida foi a parte Sul da antiga cerca do Convento […]

Projetor J. E. MacAuley Mfj. Co., Chicago, Estados Unidos da América, 1935 (c.), Teatro Municipal de Baltazar Dias, Funchal, ilha da Madeira

Peerless Reflector Arc Lamp. J. E. MacAuley Mfj. Co., Chicago, Estados Unidos da América, 1935 (c.) Fotografia pub. Paulo Miguel Rodrigues, in Teatro Municipal de Baltazar Dias, Funchal, Imprensa Académica, abril de 2019, p. 28. Teatro Municipal de Baltazar Dias, Funchal, ilha da Madeira. Como as grandes cidades europeias, também o Funchal, ao longo do século XIX, lutou pela construção de um teatro municipal, para servir de palco às principais manifestações culturais da cidade, sociais e até políticas. A localização escolhida foi a parte Sul da antiga cerca do Convento de São Francisco, onde funcionava um mercado, tendo já então […]

Teatro Funchalense, notícia do lançamento da primeira pedra, Diário de Notícias, Funchal, 24 de outubro de 1883, ilha da Madeira.

Teatro Funchalense. Notícia do lançamento da primeira pedra a 24 de outubro de 1883 Diário de Notícias, Funchal, 24 de outubro de 1883. Fotografia pub. Paulo Miguel Rodrigues, in Teatro Municipal de Baltazar Dias, Funchal, Imprensa Académica, abril de 2019, p. 28. Teatro Municipal do Funchal, ilha da Madeira. Como as grandes cidades europeias, também o Funchal, ao longo do século XIX, lutou pela construção de um teatro municipal, para servir de palco às principais manifestações culturais da cidade, sociais e até políticas. A localização escolhida foi a parte Sul da antiga cerca do Convento de São Francisco, onde funcionava […]

Interior do Teatro Municipal de Baltazar Dias, 1887 e seguintes, Funchal, ilha da Madeira.

Interior do Teatro Municipal de Baltazar Dias. Campanha de 1887 e seguintes. Fotografia pub. Paulo Miguel Rodrigues, in Teatro Municipal de Baltazar Dias, Funchal, Imprensa Académica, abril de 2019, p. 42. Teatro Municipal do Funchal, ilha da Madeira. Como as grandes cidades europeias, também o Funchal, ao longo do século XIX, lutou pela construção de um teatro municipal, para servir de palco às principais manifestações culturais da cidade, sociais e até políticas. A localização escolhida foi a parte Sul da antiga cerca do Convento de São Francisco, onde funcionava um mercado, tendo já então a parte Norte dado origem ao […]

Camarote presidencial do Teatro Municipal de Baltazar Dias, 1887 e seguintes, Funchal, ilha da Madeira.

Camarote presidencial do Teatro Municipal de Baltazar Dias. Campanha de 1887 e seguintes. Fotografia pub. Paulo Miguel Rodrigues, in Teatro Municipal de Baltazar Dias, Funchal, Imprensa Académica, abril de 2019, p. 23. Teatro Municipal do Funchal, ilha da Madeira. Como as grandes cidades europeias, também o Funchal, ao longo do século XIX, lutou pela construção de um teatro municipal, para servir de palco às principais manifestações culturais da cidade, sociais e até políticas. A localização escolhida foi a parte Sul da antiga cerca do Convento de São Francisco, onde funcionava um mercado, tendo já então a parte Norte dado origem […]

Teatro Municipal de Baltazar Dias, 1887 e seguintes, Funchal, ilha da Madeira.

Teatro Municipal de Baltazar Dias. Campanha de 1887 e seguintes. Fotografia de Francisco Correia de 2023. Teatro Municipal do Funchal, ilha da Madeira. Como as grandes cidades europeias, também o Funchal, ao longo do século XIX, lutou pela construção de um teatro municipal, para servir de palco às principais manifestações culturais da cidade, sociais e até políticas. A localização escolhida foi a parte Sul da antiga cerca do Convento de São Francisco, onde funcionava um mercado, tendo já então a parte Norte dado origem ao chamado “jardim novo”, hoje Jardim Municipal. O projeto foi entregue ao engenheiro Tomás Augusto Soler […]

Interior Teatro Municipal de Baltazar Dias, 1887 e seguintes, Funchal, ilha da Madeira.

Interior Teatro Municipal de Baltazar Dias. Campanha de 1887 e seguintes. Fotografia de Ricardo de Faria Paulino de 2023. Teatro Municipal do Funchal, ilha da Madeira. Como as grandes cidades europeias, também o Funchal, ao longo do século XIX, lutou pela construção de um teatro municipal, para servir de palco às principais manifestações culturais da cidade, sociais e até políticas. A localização escolhida foi a parte Sul da antiga cerca do Convento de São Francisco, onde funcionava um mercado, tendo já então a parte Norte dado origem ao chamado “jardim novo”, hoje Jardim Municipal. O projeto foi entregue ao engenheiro […]

Teto do Teatro Municipal de Baltazar Dias, Luigi Manini, 1887 e outros, Funchal, ilha da Madeira.

Teto do Teatro Municipal de Baltazar Dias. Luigi Manini (1848-1936), 1887 e repintura de Alfredo Miguéis (1883-1943), 1940 (c.). Fotografia de Ricardo Faria Paulino de 2023. Teto do Teatro Municipal do Funchal, ilha da Madeira. Luigi Manini (1848-1936). Nascido em Cremona, a 8 de março de 1848, num meio social de parcos recursos e sob as dificuldades da onda revolucionária nacionalista que alastrava em Itália, veio a frequentar um curso de ornatos em Milão e entrar, muito novo, para o atelier de Giovanni Zaffeva, como aprendiz. Visitou depois várias cidades do sul de França, onde decorou residências várias, vindo a […]

A peça histórica «Guiomar Teixeira» de João dos Reis Gomes, Ilustração Portuguesa, nº 161, Lisboa, 18 de agosto de 1913, Portugal

A peça histórica «Guiomar Teixeira». João dos Reis Gomes (1869-1950) Ilustração Portuguesa, 2ª série, nº 161, p. 391, Lisboa, 18 de agosto de 1913, Portugal. A mesma revista, a 22 de março de 1909, já havia noticiado a publicação de A Filha de Tristão das Damas de João dos Reis Gomes, primeira versão desta obra. Em 1913 teve o Teatro Funchalense as várias representações da peça do capitão João dos Reis Gomes, intitulada Guiomar Teixeira, sendo introduzido pela primeira vez o cinema como apoio a ação representada. Esta peça tinha por base a novela histórica A Filha de Tristão das […]

Artur Adolfo Sarmento, Funchal, 1915 (c.), ilha da Madeira

Artur Adolfo Sarmento (1851-1916) Fotografia de 1915 (c.) Funchal, ilha da Madeira Artur Adolfo Sarmento (1851-1916). Filho de José Ferreira Morais Sarmento e de Maria Paula de Oliveira Sarmento, era irmão do professor José Sarmento (1842-1905), tendo ambos dado os primeiros passos na música pela mão da família de Platão de Waxel ou Platon de Vaksel (1844-1919), família que residiu na Quinta Sarmento, aos Ilhéus.  

Registo de casamento de Guilherme Henrique Sarsfield e Cândida de Ornelas Sarsfield, na sua residência na Penha de França, 10 de agosto de 1856, São Pedro, Funchal, ilha da Madeira.

Registo de casamento de Guilherme Henrique Sarsfield e Cândida de Ornelas Sarsfield. (São Martinho, 21 maio 1815-), filho de Alexandre José Sarsfield, já defunto e Dona Antónia Luísa Sarsfield, naturais de São Pedro do Funchal e Dona Cândida de Ornelas, natural de São Pedro, filha legítima de Henrique João de Ornelas, já defunto e de Ana Rosa, natural do Paul do Mar Foram testemunhas o padre Teodoro de Freitas e Aguiar, e o capitão do Exército Bernardino Joaquim Correia Caldas. Residência na Penha de França, quando Guilherme Henrique se encontrava doente Padre Joaquim Gomes da Silva Lume, vigário colado da […]

Registo de batismo de Henriqueta Júlia e Diogo Sarsfield, 5 de janeiro de 1849, filhos de Guilherme Henrique Sarsfield e Cândida de Ornelas, residentes no Sítio da Pontinha, São Pedro do Funchal.

Registo de batismo de Henriqueta Júlia  Sarsfield e Diogo Sarsfield, filhos de Guilherme Henrique Sarsfield e Cândida de Ornelas. (São Martinho, 21 maio 1815-) e (São Pedro, ), casados depois a 10 ago. 1856, quando Guilherme Henrique se encontrava doente Registo de batismo, Henriqueta Júlia, nascida 14 abr. 1844 e Diogo, 26 nov. 1848, filhos de Guilherme Henrique Sarsfield e de Cândida de Ornelas, ambos residentes no Sítio da Pontinha (mas em 1856, citados como na Penha de França) Padre Joaquim Gomes da Silva Lume, vigário colado da igreja colegiada paroquial de São Pedro do Funchal, 5 jan. 1849, então […]

Eduardo Rocha Sarsfield, governador civil do Funchal, São Lourenço, 30 de outubro de 1922, Funchal, ilha da Madeira

Eduardo Rocha Sarsfield (1882-1966) São Lourenço, fotografia de Vicente Gomes da Silva júnior (Funchal, 23 set. 1857; idem, 30 maio 1933), 30 de outubro de 1922 Museu de Fotografia da Madeira, Atelier Vicente’s (Inv. VIC/5231) PT/ABM/VIC/R/001-017/000005 Eduardo Rocha Sarsfield (1882-1966), governador civil do Funchal entre 18 maio 1922 e 16 nov. 1923, natural do Porto, era filho do coronel madeirense Alexandre José Sarsfield (1856-1926), herói das campanhas coloniais, deputado pela Madeira e também governador civil da Guarda. Alexandre José Sarsfield (São Pedro, 17 set. 1856; Porto, dez. 1926), filho de Guilherme Henrique Sarsfield (21 maio 1815-) e de Cândida de […]

Família de Guilherme Henrique Sarsfield e Cândida de Ornelas, Pontinha, Penha de França, Funchal, 1880 (c.), ilha da Madeira.

Família de Guilherme Henrique Sarsfield e Cândida de Ornelas. (São Martinho, 21 maio 1815-) e (São Pedro, ), casados a 10 ago. 1856 Em pé (da esquerda para a direita): Eduardo Sarsfield; Pedro da Cunha Pires; uma mulher; Cândido Henrique Sarsfield; capitão Bernardino Rodrigues Pereira Júnior (1858-1932); Diogo Sarsfield (1848-1913) e duas mulheres. Sentados em cadeiras (da esquerda para a direita): Henriqueta Júlia Sarsfield (14 abr. 1844-); Emília Carmina Sarsfield com o seu filho Alexandre Eurico Sarsfield Pereira ao colo; um casal idoso, provavelmente, o patriarca da família Guilherme Henrique Sarsfield e Cândida de Ornelas; Maria José da Silveira com […]

Projeto do monumento ao Marquês de Pombal, 4.º prémio, escultor Maximiano Alves e arquiteto Edmundo Tavares, Câmara Municipal de Lisboa, abril de 1914, Portugal

Projecto do monumento ao Marquês de Pombal, 4.º prémio, Escultor Maximiano Alves (Lisboa, 22 ago. 1888; 22 jan. 1954) e arq. Edmundo Tavares (Oeiras, 8 nov. 1892-Lisboa, 9 abr. 1983) Câmara Municipal de Lisboa, abril de 1914. Fotografia do Arquivo da Câmara Municipal de Lisboa, Portugal. O monumento em homenagem ao Marquês de Pombal (1699-1782) teve início numa subscrição pública, realizada em 1882 durante o reinado de D. Luís I (1838-1889), essencialmente por republicanos, em referência e homenagem à expulsão dos Jesuítas, no quadro de luta contra a quase hegemonia da Igreja Católica em toda a vida portuguesa, onde nunca […]

Maqueta vencedora do concurso para o monumento ao Marquês de Pombal, abril de 1914, Câmara Municipal de Lisboa, Portugal.

Maqueta do monumento ao Marquês de Pombal, (1699-1782) 1.º prémio, escultor Francisco Santos (1878-1930) e arquitetos Adães Bermudes (1864-1947) e António Couto (1874-1946). Câmara Municipal de Lisboa, abril de 1914. Fotografia do Arquivo da Câmara Municipal de Lisboa, Portugal. O monumento em homenagem ao Marquês de Pombal (1699-1782) teve início numa subscrição pública, realizada em 1882 durante o reinado de D. Luís I (1838-1889), essencialmente por republicanos, em referência e homenagem à expulsão dos Jesuítas, no quadro de luta contra a quase hegemonia da Igreja Católica em toda a vida portuguesa, onde nunca se havia conseguido separar a Igreja do […]

Montagem do bronze da estátua do Marquês de Pombal, abril de 1934, Rotunda do Marquês, Lisboa, Portugal

Montagem do bronze da estátua do Marquês de Pombal. (1699-1782) Bronze, 12 m. (cerca) Fotografia de abril de 1934 antes da retirada dos andaimes do Arquivo da Câmara Municipal de Lisboa Trabalho projetado por Francisco Santos (1878-1930), mas acabado por Simões de Almeida (sobrinho) (1880-1950) e Leopoldo de Almeida (1898-1975) Monumento ao Marquês de Pombal, 40 metros de altura (total). Projeto do escultor Francisco dos Santos e arquitetos Adães Bermudes (1864-1947) e António Couto (1874-1946), 1914. Inaugurada a 13 de maio de 1934. Rotunda do Marquês, Lisboa, Portugal. O monumento em homenagem ao Marquês de Pombal (1699-1782) teve início numa […]

Limpeza da cabeça da estátua do Marquês de Pombal, para a inauguração de maio de 1934, Lisboa, Portugal

Limpeza da cabeça da estátua do Marquês de Pombal. (1699-1782) Pormenor de bronze, 1,80 m. Fotografia dos primeiros dias de maio de 1934 do Arquivo da Câmara Municipal de Lisboa Trabalho projetado por Francisco Santos (1878-1930), mas acabado por Simões de Almeida (sobrinho) (1880-1950) e Leopoldo de Almeida (1898-1975) Monumento ao Marquês de Pombal, 40 metros de altura (total). Projeto do escultor Francisco dos Santos e arquitetos Adães Bermudes (1864-1947) e António Couto (1874-1946), 1914 e inaugurada a 13 de maio de 1934. Rotunda do Marquês, Lisboa, Portugal. O monumento em homenagem ao Marquês de Pombal (1699-1782) teve início numa […]

Encadernação das Instruções para o Exercício dos Regimentos de Infantaria, por ordem de Guilherme Carr Beresford (…), Lisboa, na Imprensa Régia, 1815, Portugal.

Encadernação das Instruções para o Exercício dos Regimentos de Infantaria He de Antonio Joaqm. de Morais Por ordem do Illmo. e Ex.mo. Senhor Guilherme Carr Beresford, Marquês de Campo Maior, Marechal e Comandante em Chefe do Exército. Com aprovação de Sua Alteza Real o Príncipe Regente Nosso Senhor, Terceira edição. Lisboa, na Imprensa Régia, 1815. Exemplar com a inscrição interior: Hé do Sargento Ajudante António Joaquim de Morais, comprado à sua Custa William Carr Beresford (Irlanda, 1768; Inglaterra, 8 Jan. 1854). Filho ilegítimo do marquês de Waterford, serviu no exército britânico em Toulon, na Índia, no Cabo da Boa Esperança, […]

Instruções para o Exercício dos Regimentos de Infantaria, por ordem de Guilherme Carr Beresford (…), Lisboa, na Imprensa Régia, 1815, Portugal.

Instruções para o Exercício dos Regimentos de Infantaria Por ordem do Illmo. e Ex.mo. Senhor Guilherme Carr Beresford, Marquês de Campo Maior, Marechal e Comandante em Chefe do Exército. Com aprovação de Sua Alteza Real o Príncipe Regente Nosso Senhor, Terceira edição. Lisboa, na Imprensa Régia, 1815. Exemplar com a inscrição: Hé do Sargento Ajudante António Joaquim de Morais, comprado à sua Custa William Carr Beresford (Irlanda, 1768; Inglaterra, 8 Jan. 1854). Filho ilegítimo do marquês de Waterford, serviu no exército britânico em Toulon, na Índia, no Cabo da Boa Esperança, no Egipto e na América do Sul, tendo ocupado […]

Cartaz da Comissão Eleitoral de Unidade Democrática de outubro de 1969, CEUD, Lisboa, 1969, Portugal.

Cartaz da Comissão Eleitoral de Unidade Democrática de 1969. CEUD, Lisboa, outubro de 1969. Coleção Particular. Cartaz de grandes dimensões da Comissão Eleitoral de Unidade Democrática de Lisboa, durante as eleições para a Assembleia Nacional de outubro de 1969, com os nomes dos candidatos, entre os quais Mário Soares (1924-2017), Jaime Gama (1947-), Francisco Salgado Zenha (1923-1993), Francisco Sousa Tavares (Tareco) (1920-1993) e Raul Rego (1913-2002). O Comércio do Funchal, 5 de outubro de 1969, p. 7 apresentava uma caricatura de Paulo Sá Braz (1919-2003) das eleições de 1969, com o Dr. Agostinho Cardoso (1908-1979), líder da União Nacional, professor […]