Image
Arquipelago de Origem:
Londres
Data da Peça:
2020-10-20
Data de Publicação:
12/04/2021
Autor:
David Hockney
Chegada ao Arquipélago:
2021-04-12
Proprietário da Peça:
Royal Opera House
Proprietário da Imagem:
Christie’s de Londres
Autor da Imagem:
Christie’s de Londres
Venda do retrato de Sir David Webster, acrílico de David Hockney, 1971, Christie’s de Londres, 20 de outubro de 2020, Inglaterra.

Categorias
    Descrição
    Venda do retrato de Sir David Lumsden Webster
    (1903-1971)
    Com jarra com túlipas e sentado numa cadeira Mies van der Rohe (1886-1969)
    Acrílico sobre tela, 152,8 × 184,5 cm.
    David Hockney (1937-), 1971.
    Antiga coleção da Royal Opera House.
    Venda na Christie’s de Londres, 20 de outubro de 2020, Inglaterra.

    Pintado na sequência de uma encomenda paga com donativos dos próprios trabalhadores da Royal Opera House, no ano da reforma do antigo director-geral, que esteve à frente da instituição entre 1945 e 1970, a pintura foi vendida na Christie’s de Londres, em 20 de outubro de 2020, para fazer face aos custos da pandemia COVID 19, avaliado entre 11 e 18 milhões e sendo vendido por 12,8 milhões de libras, ou seja, 14,2 milhões de euros.  Em declaração ao The Art Newspaper, a responsável na leiloeira pelo departamento de Arte Contemporânea Europeia do Pós-Guerra, Katharine Arnold, testemunhou o dilema com que se debateu a actual direcção da Ópera de Covent Garden. “Não foi uma decisão fácil”, reforçou Arnold, recordando, no entanto, que “a principal missão da Royal Opera House é defender as artes performativas”, não a de ser “um museu de artes visuais”.
    Um retrato de um dos companheiros e amigos de David Hockney, na borda de uma piscina, desta data, 1971, foi arrematado por 90,3 milhões de dólares na Christie’s de Nova Iorque, a 15 de novembro de 2018, na ordem dos 80 milhões de euros e tornou-se então na obra mais cara até então transacionada de um artista vivo. Trabalho desde sempre de culto na pintura pop internacional e, especialmente, dos Estados Unidos, com as retrospetivas de 2017, que comemoraram os 80 anos de David Hockney, na Tate Gallery (Londres), no Centro Pompidou (Paris) e no Museu Metropolitano (Nova York), onde foi capa de catálogo, tudo levou à sua espetacular venda no ano seguinte. O quadro pertencia ao bilionário Joe Lewis, proprietário do Grupo Tavistock e do clube de futebol inglês Tottenham Hotspur, com uma fortuna avaliada em 5,4 bilhões de dólares, segundo a revista Forbes. Tinha sido adquirida em 1995 do produtor de Hollywood David Geffen, por um preço não revelado, desconhecendo-se agora o novo proprietário.