Image
Arquipelago de Origem:
Teto do Teatro Municipal, Luigi Manini, 1887 e repintura de Alfredo Miguéis de 1940 (c.), ilha da Madeira.
Data da Peça:
1887-00-00
Data de Publicação:
10/11/2021
Autor:
Chegada ao Arquipélago:
Proprietário da Peça:
Proprietário da Imagem:
Autor da Imagem:
Teto do Teatro Municipal, Luigi Manini, 1887 e repintura de Alfredo Miguéis de 1940 (c.), ilha da Madeira.

Categorias
    Descrição
    Teto do Teatro Municipal do Funchal.
    Luigi Manini (1848-1936), 1887 e repintura de Alfredo Miguéis (1883-1943), 1940 (c.).
    Fotografia de São Gonçalves de 2021.
    Teto do Teatro Municipal do Funchal, ilha da Madeira.

    Luigi Manini (1848-1936). Nascido em Cremona, a 8 de março de 1848, num meio social de parcos recursos e sob as dificuldades da onda revolucionária nacionalista que alastrava em Itália, veio a frequentar um curso de ornatos em Milão e entrar, muito novo, para o atelier de Giovanni Zaffeva, como aprendiz. Visitou depois várias cidades do sul de França, onde decorou residências várias, vindo a estabelecer-se, a partir de 1873, em Milão, como cantor lírico e ocupando o lugar de cenógrafo substituto do Scala, entre 1878 e 1879, seguindo, em julho desse ano para Lisboa, como cenógrafo do Real de São Carlos. Trabalharia então como cenógrafo, mas também como arquiteto em inúmeros projetos, entre os quais, o do Teatro D. Maria Pia, no Funchal, em 1887. Manteria ainda a sua atividade de cantor lírico até à temporada do São Carlos de 1894-95, encerrando então a sua carreira lírica. Regressaria a Itália após o regicídio e a implantação da República, depois de acabar a Quinta da Regaleira, em 1912, o seu mais ambicioso e completo projeto. Faleceu na sua propriedade da serra de Bréscia, que lhe lembrava a paisagem de Sintra e do Buçaco, com 88 anos de idade, a 29 de junho de 1936.
    Alfredo Vital Miguéis (Funchal, 23 abr. 1883; idem, 10 jun. 1943). Filho de Joaquim Francisco Miguéis e de Elisa Sara Aguiar Miguéis, frequentou a Escola Industrial do Funchal, matriculando-se na Academia Real de Belas-Artes, onde completou o curso de Pintura Histórica em 1911, tendo sido discípulo de Columbano Bordalo Pinheiro (1857-1929). Em 1911 participou com alguns óleos numa exposição na Sociedade Nacional de Belas Artes, satirizados por Francisco Valença (1882-1962), com texto de Carlos Simões, em A Sátira, revista humorística de caricaturas, ano 1, nº 4, Lisboa, 1 de junho de 1911. No ano seguinte, 1912, no entanto, recebeu o prémio do legado Visconde de Valmor, para pensionista no estrangeiro, seguindo para Madrid e Paris, vindo a participar entre muitas outras, na célebre Exposição dos Modernistas de Lisboa de 1923. Professor da Escola Industrial do Funchal, era na altura do seu falecimento vogal da vereação camarária e tendo deixado o corpo principal da sua obra à Câmara do Funchal, que veio depois a perder-se totalmente num incêndio na área da torre do palácio de São Pedro.