Image
Arquipelago de Origem:
Florença
Data da Peça:
1527-00-00
Data de Publicação:
22/06/2021
Autor:
Agnolo Bronzino (atr.)
Chegada ao Arquipélago:
2021-06-22
Proprietário da Peça:
Privado
Proprietário da Imagem:
Privado
Autor da Imagem:
Privado
São Mateus, Evangelista, óleo de Bronzino (atr.), 1527 (c.), tondo do teto da capela Capponi da igreja de Santa Felícia ou Santa Felicidade, Florença, Itália

Categorias
    Descrição
    São Mateus, Evangelista.
    Óleo sobre madeira.
    Agnolo ou Angelo di Cosimo ou Bronzino (1503-1572) (atr.), com colaboração de Jacopo Carucci, dito Pontormo (1494-1556)
    Tondo do teto da capela Capponi, reforma de 1525 e 1528.
    Igreja de Santa Felícia ou da Santa Felicidade, Florença, Itália.

    A Capela Capponi foi decorada por Jacopo Carucci, dito Pontormo (1494-1556) e por Agnolo ou Angelo di Cosimo ou Bronzino (1503-1572) entre 1525 e 1528 e tornou-se um dos conjuntos mais importantes do maneirismo florentino. Pontormo foi o iniciador da primeira geração do maneirismo e deve ter-se formado no atelier de um dos mais prestigiados pintores de Florença, Andrea del Sarto (1486-1531), que fora aluno e protegido de Leonardo da Vinci (1452-1519), tendo depois trabalhado com Agnolo ou Angelo di Cosimo ou Bronzino. Os dois pintores, Pontormo e Bronzino, tornaram-se nos excêntricos do maneirismo, criando à sua volta fama de terem hábitos estranhos e, inclusivamente, maneira de estar e organizar os seus trabalhos totalmente contrários ao que era habitual.
    Bronzino, de provável origem humilde, como se deduz dos vários nomes por que foi sendo conhecido, como Agnolo Tori, Agnolo Allori, Angelo di Cosimo di Mariano ou Agnolo Bronzino, acabou por ser referenciado como Bronzino, El Bronzino ou Il Bronzino (Ponticelli de Florença, 17 nov. 1503; Florença, 23 nov. 1572), foi talvez um dos mais destacados representantes do Maneirismo italiano e dos mais refinados, maduros e intelectuais pintores. O apelido Bronzino não seria especialmente pelo seu escuro tom de pele, mas pelo seu carácter fechado, como de uma estátua de bronze, como refere Vasari (1502-1572). Ganhou especial referência com a sua colaboração com Jacopo Carucci, ditto Pontormo (1494-1557), com o qual teria uma especial relação e, falecido este, passou a ser o pintor preferido dos Medici e da nobreza florentina. Faleceu na residência do pintor Alessandro Allori (1535-1607) que passou a usar também o apelido Bronzino.