Image
Arquipelago de Origem:
Belém
Data da Peça:
2020-04-00
Data de Publicação:
14/02/2021
Autor:
Vários
Chegada ao Arquipélago:
2021-02-14
Proprietário da Peça:
Museu Nacional de Arqueologia
Proprietário da Imagem:
Tiago Carita
Autor da Imagem:
Tiago Carita
Painel da arte rupestre da montanha Khatum Melaha e vitrina da moldagem do enterramento individual de Jebel al-Buhais da sala 3 da exposição Identity and Culture, Sharjah Archaeologic Heritage (UAE) com as tags para montagem da visita virtual, fotografia de abril de 2020, Museu Nacional de Arqueologia, Lisboa, Portugal.

Categorias
    Descrição
    Painel da arte rupestre da montanha Khatum Melaha e vitrina da moldagem do enterramento individual de Jebel al-Buhais da sala 3 da exposição Identity and Culture, Sharjah Archaeological Heritage (UAE).
    Projeto de arquitetura de Mário e Rita Varela Gomes, e outros, trabalho das oficinas da Sampaio e AcriGlobal.
    Fotografia com as tags para montagem da visita virtual de abril de 2020.
    Museu Nacional de Arqueologia, Complexo do Mosteiro dos Jerónimos, Belém, Lisboa, Portugal.

    A exposição Identidade e Cultura, Património Arqueológico de Sharjah, um dos Emirados Árabes Unidos, foi inaugurada no dia 14 de novembro de 2019 e estará patente ao público até ao fim do ano de 2020. Esta exposição nasceu da colaboração estabelecida entre a Missão Arqueológica Portuguesa em Sharjah, ali a trabalhar desde 2017 e a Autoridade para a Arqueologia daquele Emirado, assim como do pronto acolhimento dispensado pelo Museu Nacional de Arqueologia.
    Pretendemos dar ao público visitante, agora por meios informáticos, não só aspetos significativos da identidade e cultura daquela região da Arábia, mas também os contatos que desde tempos muito remotos se estabeleceram com outras culturas e, especialmente, com os portugueses, os primeiros europeus a ali aportarem na Modernidade.
    A terceira sala dedicada aos Primórdios dos Tempos utiliza como fundo fotografia do mangal dos arredores de Kalba e a cor vermelha no interior das vitrinas. Pretende-se assim estabelecer o nascimento das sociedades organizadas com a ligação à água. O destaque é dado às moldagens de enterramentos Neolíticos, tal como aos artefactos exumados na Idade do Ferro e do Bronze com destaque para os recipientes em pedra-sabão e cerâmicas várias. Uma das peças deste núcleo é o pequeno camelo em cerâmica pintada, da Idade do Ferro e que sendo um dos símbolos das culturas dos desertos da Arábia, é também o símbolo do Museu de Arqueologia de Sharjah. Nas paredes ainda figura uma célebre inscrição recolhida em Mleiha, trilingue e um fragmento de pedra com gravuras rupestres pré-históricas (Texto para Visita Virtual, abr. 2020).