Image
Arquipelago de Origem:
Estados Unidos da América
Data da Peça:
1776-00-00 00:00:00
Data de Publicação:
20180912
Autor:
John Cleveley the Elder
Chegada ao Arquipélago:
2018-09-12 00:00:00
Proprietário da Peça:
National Maritime Museum
Proprietário da Imagem:
National Maritime Museum
Autor da Imagem:
John Cleveley the Elder
Os navios Resolution e Adventure do captain Cook em Tahiti, John Cleveley the Elder, 1776, Londres, Inglaterra.

Categorias
  • Fotografia / imagem
    • Costumes
    • Paisagens rurais e urbanas
  • Marinharia
    • Fragata de guerra
    • Lanchas e escaleres
  • Personalidades
    • Exploradores e cientistas
    • Militares
    • Navegadores e astrólogos
    • Pintores, gravadores e douradores
  • Pintura
    • Óleo
Descrição
Os navios Resolution e Adventure do captain Cook em Tahiti.
Agosto de 1773.
John Cleveley the Elder (c.1712-1777), 1776.
National Maritime Museum, Greenwich, Londres, Inglaterra.

Captain James Cook (1728-1779). A precoce atração pelo mar fez com que estudasse náutica, matemática e astronomia, ingressando, em 1755, como voluntário na marinha real, completando sua formação científica ao participar em expedições ao Canadá, onde mapeou a Terra Nova. Em 1763 já era reconhecido como navegador e matemático, sendo nomeado para 3 viagens de circunavegação; a primeira das quais, ao serviço da Royal Society, ao comando do Endeavour, em agosto de 1768, tendo como objetivo observar, no Taiti, a passagem de Vênus pelo Sol, tendo passado pelo Funchal, entre 14 e 19 de setembro de 1768, então com 17 dias de viagem desde Inglaterra. O então cônsul inglês, Thomas Cheap, recebeu os elementos da equipagem, entre os quais o naturalista Joseph Banks (1743-1820), que na Madeira recolheu 255 espécies de plantas, mais tarde incorporadas nas coleções do Natural History Museum. Nas excursões pela encosta do Funchal, Joseph Banks foi acompanhado pelo médico inglês Thomas Heberden, que aqui vivia há 7 anos, assim como pelos elementos da sua equipa, como Daniel Charles Solander (1733-1782), um naturalista suíço, e o astrónomo Charles Green, que faleceria na viagem.
O comandante James Cook voltaria a passar pela baía do Funchal em 1772, então ao comando da nau Resolution e acompanhado pelos naturalistas John Reinhold Forster (1729-1798) e pelo seu filho Johann George Adam (1754-1794). A publicação dessas viagens depois de 1774 e 1777, seguida de numerosas edições e traduções, fez da Ilha da Madeira um centro de interesse muito especial para geólogos, botânicos, zoologistas e outros cientistas europeus. O arquipélago tornou-se, assim, um destino exótico dos naturalistas europeus, que aqui vinham encontrar plantas das mais variadas regiões, que se haviam aclimatado e, com o tempo, desenvolvido quase novas subespécies.