Image
Arquipelago de Origem:
Funchal
Data da Peça:
1855-00-00
Data de Publicação:
13/06/2020
Autor:
Maria do Monte Santana e Vasconcelos
Chegada ao Arquipélago:
2020-06-13
Proprietário da Peça:
Biblioteca Nacional de Portugal
Proprietário da Imagem:
Biblioteca Nacional de Portugal
Autor da Imagem:
Biblioteca Nacional de Portugal
O Cura de São Lourenço, Maria do Monte Santana e Vasconcelos, Lisboa, Imprensa Nacional, 1855, Portugal

Categorias
    Descrição
    Maria do Monte Santana e Vasconcelos, O Cura de São Lourenço, Lisboa, Imprensa Nacional, 1855, Portugal
    Biblioteca Nacional de Portugal, Lisboa, Portugal.

    Maria do Monte Santana e Vasconcelos Moniz de Bettencourt (1809-1884). Escritora natural da ilha da Madeira, filha de Pedro de Santana e Vasconcelos, e de Jacinta de la Tuelière, por sua vez filha de Nicolau José Sabois de la Tuelière, cônsul francês, e de Joaquina Monteiro Gusmão, em título de Ribeiros Ferreiras, nasceu em 1809 e viveu no Funchal, na R. das Pretas, onde faleceu a 12 de agosto de 1884. Não há muitos dados biográficos a seu respeito, porém, sabe-se que Maria do Monte de Santana Bettencourt, além de outros escritos, colaborou em vários jornais madeirenses e manteve correspondência com os escritores e artistas mais notáveis do país e do estrangeiro. Foi, com efeito, uma das mais distintas senhoras madeirenses, sendo possuidora de virtudes assinaláveis e de uma inteligência sedutora, e das mais bem formadas de entre os espíritos ilustres da época. Escreveu os romances O Cura de S. Lourenço (Lisboa) e Bermudo e a Mesa de Prata de D. Dinis (Funchal). Consta que terá ficado inédita uma obra intitulada D. Branca ou a Mesa de Prata d’el-Rei D. Deniz. Escrevia com elegância e espontaneidade, podendo ser comparada a Agustina Bessa Luís. Era de extraordinária clareza e, apesar de não se furtar às influências da época, soube, devido à sua forte personalidade, afirmar a originalidade da sua escrita. (António José Borges, DEM 2)