Image
Arquipelago de Origem:
Ribeira Brava
Data da Peça:
2021-12-15
Data de Publicação:
25/02/2022
Autor:
Francisco Ferreira, O Caseiro
Chegada ao Arquipélago:
2022-02-25
Proprietário da Peça:
Museu Etnográfico da Madeira
Proprietário da Imagem:
Museu Etnográfico da Madeira
Autor da Imagem:
Museu Etnográfico da Madeira
Musealização da Lapinha do Caseiro, cartaz de exposição no Museu Etnográfico da Madeira, 15 dez. 2021 a 22 jan. 2022, Ribeira Brava, ilha da Madeira

Categorias
    Descrição
    Musealização da Lapinha do Caseiro.
    Com autorretrato do autor, Francisco Ferreira (1848-1931), em primeiro plano
    Cartaz de exposição no Museu Etnográfico da Madeira, 15 dez. 2021 a 22 jan. 2022,
    Ribeira Brava, ilha da Madeira

    A mais célebre lapinha da Madeira teria sido a do Caseiro do Monte. Francisco Ferreira (1848-1931), por alcunha "o Caseiro", dado ter sido caseiro das freiras de Santa Clara, construiu ele próprio a sua lapinha, em madeira entalhada a canivete e depois pintada com tintas que o próprio fabricava, tendo esculpido as suas primeiras imagens aos 14 anos de idade. Viria a casar com Maria Augusta Fernandes (1851-1937), natural da Calheta, a qual lhe lia as passagens da Bíblia onde se viria a inspirar para as suas esculturas, pois que nunca aprendera a ler. Escultor de cariz popular, soube captar os tipos e costumes da sua área, tornando assim a sua lapinha num dos centros de atração da freguesia do Monte e, depois do Funchal e da ilha da Madeira, acabando por entrar na tradição regional, não se entendo quase um natal na 1ª metade do séc. XX, sem uma visita à lapinha do caseiro. Todos os anos apareciam novos trabalhos, alguns articulados, fruto dos acontecimentos do ano, das "bilhardices", etc. que tornavam esta lapinha centro de uma verdadeira romaria regional e levando o autor a construir no seu quintal, em 1925, uma pequena capela onde se expunha a lapinha. Falecido "o Caseiro" a 13 de junho de 1931, a lapinha ainda ficou patente alguns anos, até que um incêndio, em 1973, destruiu a pequena capela anexa à casa. A família, no entanto, havia já retirado a quase totalidade das imagens, num conjunto de cerca de 3 centenas de peças, parte das quais depois depositadas no Museu de Arte Sacra do Funchal pelos herdeiros e, nessa sequência, transferidas para o Museu Etnográfico da Madeira, na Ribeira Brava.
    Bibliografia: Lapinha do Caseiro de Francisco Ferreira, com poemas de Herberto Helder (1930-2015), neto do Caseiro, fotografias de Ricardo Jardim e colaboração de Lourdes Castro (1930-2022), Lisboa, Assírio & Alvim, 2008