Image
Arquipelago de Origem:
Freguesia da Sé (Funchal)
Data da Peça:
1966-00-00
Data de Publicação:
30/01/2021
Autor:
Família Gesch
Chegada ao Arquipélago:
2021-01-30
Proprietário da Peça:
Família Gesch
Proprietário da Imagem:
Igreja Evangélica da Língua Alemã do Funchal
Autor da Imagem:
Igreja Evangélica da Língua Alemã do Funchal
Memorial da campa dos Gesche do cemitério Inglês do Funchal, 19 de novembro de 2019, ilha da Madeira.

Categorias
    Descrição
    Memorial da campa dos Gesche, Emil Gesche e Dorothea Sattler Gesch.
    Emil Gesche (Berlim, 16 jul. 1876-Funchal, 1 jun. 1966). Dorothea Sattler Gesch (Funchal, 9 mar. 1886-idem, 29 out. 1956)
    Cerimónia de deposição das cinzas da filha e antiga consulesa da Alemanha Elisabeth Elfriede Gesche (1924-2019)
    Cemitério Inglês do Funchal, 19 de novembro de 2019, ilha da Madeira.

    Emil Gesche (Berlim, 16 jul. 1876-Funchal, 1 jun. 1966).
    O Diário de Noticias da Madeira de 20/05/1960 escrevia: "Faz hoje 50 anos, que foi assinado o EXEQUATUR acreditando o Cônsul da Alemanha nesta cidade. Fixou residência nesta Ilha em Setembro de 1898 entrando em 1 de Novembro do mesmo ano, ao serviço da Casa de Bordados Wilhelm Marum, então estabelecido na Rua da Carreira, onde hoje está instalada a Farmácia Dois Amigos. Em Outubro de 1900 foi transferido para a sede daquela firma em Colónia, donde regressou em Abril de 1901, investido nas funções de Gerente, lugar que ocupou até 1907, para depois fazer parte da referida firma como sócio-industrial. Ligou assim o seu nome ao conjunto de casas alemães que foram precursoras da industria de bordados da Madeira. Como elemento curioso para a história daquela industria registamos o seguinte pormenor:
    - O Senhor Emil Gesche e os seus colegas Welly Schnitzer e Georg Wartenberg tiveram a iniciativa de criar para as casas de bordados alemãs existentes no tempo - 6 - uma Caixa de Socorros para o pessoal de bordados através da qual todo este tinha assistência médica e medicamentos gratuitos. O médico desta "Caixa" era o falecido Dr. Carvalho, e para mantê-la, as firmas contribuíam com 50 reis semanais por cada empregado ou operário ao serviço, sem nenhum encargo para estes.
    Em Julho de 1909, Emil Gesche fez uma viagem de estudo à volta do mundo e contactou com os diversos mercados, interessando-os na respectiva industria. Visitou a Inglaterra, EUA, Ilhas do Hawai, Japão, China, Macau, Índia, Egipto, Itália e Alemanha, regressando à Madeira em Fevereiro de 1910. Nesta sua digressão, ao passar pelas Ilhas de Sandwich, contactou com muitos emigrantes madeirenses, trabalhando nas plantações de cana-de-açúcar e ananases. As mulheres dedicavam-se a bordar, vendendo aos particulares os seus trabalhos que eram muito apreciados.
    O Senhor Emil Gesche teve então também a oportunidade de verificar que em Cantão se fabricavam bordados no género dos da Madeira, mas muito mal executados, especialmente o "bastido" que eram exportados para a América, o mesmo constando em Hong-Kong. Foi depois de regressar desta viagem, que foi nomeado Consul do seu país, nesta cidade, em 1910. Em 1914, consorciou-se com a Senhora D. Dorothea Sattler, filha mais nova do antigo Cônsul Alemão Dr. Georg Friedrich Sattler. A cerimónia do casamento realizou-se a bordo do navio de guerra alemão S.M.S. Hertha, no porto do Funchal, em 16 de Fevereiro. Do seu matrimónio teve 3 filhas e um filho: D. Hertha que é viúva e vive com os seus 6 filhos, na Alemanha; Kurt que em 1939 alistou-se com 18 anos como voluntário na Marinha de Guerra, morrendo com os seus camaradas em 1943, a bordo dum submarino no posto de guarda-marinha; D. Elizabeth, Enfermeira-diplomada por um hospital alemão e que vive em companhia do seu pai, e a Drª. Melita Gesche, formada em Medicina pela Faculdade de Lisboa, actualmente na América do Norte, estagiando num hospital.
    Em 1916 teve que deixar o Funchal depois de Portugal ter entrado na Guerra, seguindo para Espanha onde exerceu as funções de Cônsul em Algeciras. Terminada a Guerra regressou ao Funchal em 1920, depois de ter visitado a Alemanha.
    Em 1921, associou-se ao falecido Willy Schnitzer, formando a firma Gesche & Schnitzer, que se dedicou ao comércio de importação. Muito embora desde 1945 até princípios de 1957, estar encerrado o Consulado da Alemanha nesta cidade, as instâncias oficiais sempre que necessitavam qualquer informação ou serviço, dirigiam-se ao Senhor Gesche, até que em Maio de 1957, foi novamente nomeado Cônsul da República Federal da Alemanha. O Senhor Gesche fez parte das direcções da Associação Comercial do Funchal, do Asilo de Mendicidade e Orfãos, da Associação Protectora dos Pobres (Sopa Económica), da Associação Protectora dos Animais Domésticos.
    Em reconhecimento dos relevantes serviços prestados ao seu país, foi condecorado várias vezes, a última das quais em Julho de 1959, com a Grã Cruz de Mérito da R.F.A.. Como então noticiamos, na sua recente passagem pela Madeira, o Senhor Embaixador da Alemanha em Lisboa, fez entregar ao Senhor Emil Gesche em nome do seu Governo, duma salva de prata comemorativa do aniversário dos seus 50 anos de serviço em representação condigna da Alemanha.
    Ao registarmos esta efeméride quisemos acompanhá-la de alguns elementos da biografia do Senhor Consul Gesche, para melhor poder-se ajuizar das suas afinidades à Madeira, ligando o seu nome à industria, ao comércio, e às instituições da caridade, pormenores que justificam, em absoluto, a consideração que goza nos nossos melhores meios comercial e social.
    A forma correcta de proceder, afabilidade de seu trato e fidalga maneira de a todos receber e atender dão jus ao prestígio de que desfruta nas esferas oficiais do país que tão dignamente representa há já 50 anos.
    Como nota final, o cônsul Emil Gesche faleceu na cidade do Funchal em 1 de junho de 1966. Quis o destino que no dia do seu funeral, estavam no Porto do Funchal os Cruzadores Deutschland e Ruhr que se associaram à cerimónia fúnebre prestando as honras militares. O seu corpo foi sepultado no Cemitério Britânico, presidido pelo Reverendo Volker, vindo a suceder-lhe a sua filha Elizabeth Gesche (1924-2019), como cônsul da Alemanha no Funchal, presentemente com mais de 90 anos e a viver na sua Quinta dos Cedros, na cidade que a viu nascer.
    (Adapta. da trans. de Monteiro in Look Rock)