Image
Arquipelago de Origem:
Mascara WE dos We ou Guere da Christie's, Paris, 2015, com aplicações de cartuchos de bala de espingarda, 1930 (c.), Costa de Marfim
Data da Peça:
1930-00-00 00:00:00
Data de Publicação:
06/01/2022
Autor:
Mestre We ou Guere
Chegada ao Arquipélago:
2022-01-06
Proprietário da Peça:
Privado
Proprietário da Imagem:
Christie's de Paris, 2015
Autor da Imagem:
Christie's de Paris, 2015
Mascara WE dos We ou Guere da Christie's, Paris, 2015, com aplicações de cartuchos de bala de espingarda, 1930 (c.), Costa de Marfim

Categorias
    Descrição
    Mascara We
    Madeira esculpida, com aplicações de cartuchos de bala de espingarda, 30,5 cm.
    Mestre We ou Guere, 1930 (c.)
    Costa de Marfim.
    Proveniente da coleção da Galerie Hélène Karmer, Paris encontra-se publicada por Kamer, H., Guéré-Wobé-Bété, Paris, 1978, nº. 25; Rubin, W., Primitivisme dans l’art du 20e siècleLes artistes modernes devant l’art tribal, Museum of Modern Art, New York, 1987, p. 314 e Nahon, P., Quelques impressions d’Afrique, Château Notre-Dame des Fleurs, Galerie Beaubourg, Vence, 1996, p. 155.
    Integrou ainda exposições como a de Nova Iorque, Primitivism in 20th Centrury Art: Affinities of the Tribal and the Modern, The Museum of Modern Art, 27 sep. a 15 jan. 1985; a Detroit, The Detroit Institute of Arts, 26 fev. a 19 maio 1985 e a de Dallas, Dallas Museum of Art, 23 jun. a 1 set. 1985.
    Vendida na Christie's, Paris, Live auction 4045, Art d'Afrique et d'Océanie, 3 dez. 2015, Lote 64, estimada em 30.000 a 50.000 euros, vendida por 51.900 euros, França.

    O povo We ou Guere, por vezes também denominado Krahn, é um subgrupo do grande grupo Bété, tal como os Dan e os Guro, havendo, assim, influências culturais e estéticas reciprocas, vivendo, essencialmente, na Costa do Marfim, na antiga área de Man, mas com pequenos grupos já em território da Libéria. Os We, entretanto, estão ligados à realização de máscaras estranhamente agressivas, que começam geralmente como objectos simples, sem adornos, esculpidos por um artista masculino. A máscara então é transmitida através das gerações e cada utente adiciona novos adornos, crescendo em poder e significado ritual. As máscaras mantêm uma posição importante dentro da sua pequena comunidade, sendo propriedade dessas famílias e usadas na vida social. A máscara do povo We age como um mediador entre os membros da Comunidade e como uma ferramenta, para ensinar lições de moral durante os conflitos civis, ou entretenimento público. Estas máscaras, criadas para assustar, têm as mandíbulas escancaradas, o nariz alargado e olhos tubulares, retratando a natureza mais assustadora dos animais e dos homens, sendo, assim, vista como poderosa. O mascarado veste uma saia imensa em ráfia e é seguido quase sempre por um grupo alargado de participantes na cerimónia.Cf., entre outros, Alain-Michel Boyer, We, Visions of Africa, Milão, 5 Continents, dez. 2019, Itália.