Image
Arquipelago de Origem:
São Pedro (Funchal)
Data da Peça:
2019-12-00
Data de Publicação:
15/02/2022
Autor:
Casa-Museu Frederico de Freitas
Chegada ao Arquipélago:
2022-02-15
Proprietário da Peça:
Casa-Museu Dr. Frederico de Freitas
Proprietário da Imagem:
Casa-Museu Dr. Frederico de Freitas
Autor da Imagem:
Casa-Museu Dr. Frederico de Freitas
Lapinha ou Escadinha da Casa-Museu Dr. Frederico de Freitas, reposição de dezembro de 2019, Funchal, ilha da Madeira

Categorias
    Descrição
    Lapinha ou Escadinha da Casa-Museu Dr. Frederico de Freitas.
    Menino Jesus de oficina portuguesa, 1720 (c.) e alabastros de Malines de 1550 (c.)
    Nas escadinhas, os barros miniatura de Roberto Cunha (1904-1966), de 1947 e 1966.
    Fotografia de dezembro de 2019.
    Casa-Museu Dr. Frederico de Freitas, Calçada de Santa Clara, Funchal, ilha da Madeira.

    A tradicional lapinha madeirense ou melhor, escadinha madeirense: apresenta três degraus de madeira revestidos a papel bordado (simbolizam o “Pai”, o “Filho” e o “Espírito Santo”), ornamentados com vasos de trigo, alegra campo, fruta da época e, no topo, uma imagem do Menino Jesus Salvador do Mundo. A Casa-Museu Frederico de Freitas encontra-se instalada na Casa da Calçada, antiga residência dos Condes da Calçada, de Diogo de Ornelas de França Carvalhal Frazão e Figueirôa (Funchal, 29 ago. 1812; idem, 18 set. 1906), cuja família habitou o local desde meados do século XVII. Sofreu ao longo da sua existência, numerosas obras de transformação e adaptação a novas necessidades, sobretudo ao longo do século XVIII e muito especialmente no século XIX, onde ganha, já no final do século um sabor romântico, obras, provavelmente, a cargo do arquiteto inglês George Somers Clarke (1841-1926) que em 1891, com John Thomas Micklethwaite (1843-1906), reformularam o Reid's Palace Hotel. Nos anos 40 passou a residência do dr. Frederico de Freitas (1894-1978), colecionador de arte que, por disposição testamentária de 1978, legou as suas coleções à Região Autónoma da Madeira, deixando como tutor da doação o seu sobrinho Dr. Paulo Freitas (1925-2001). Foram então realizadas obras de adaptação para a instalação da Casa-Museu, inaugurada em junho de 1988, tendo Paulo Freitas sido o primeiro diretor. Em 1999, sob projeto da arquiteta Maria João Cardoso, ficou concluída a totalidade do projeto previsto para a instituição, especialmente, a Casa dos Azulejos, edifício propositadamente construído para acolher a coleção de Azulejaria Portuguesa e Estrangeira.