Image
Arquipelago de Origem:
Monte
Data da Peça:
1925-00-00 00:00:00
Data de Publicação:
20120725
Autor:
Max Römer
Chegada ao Arquipélago:
2004-06-26 00:00:00
Proprietário da Peça:
Rui Carita
Proprietário da Imagem:
Rui Carita
Autor da Imagem:
Rui Carita
Igreja do Monte, Max Römer, 1925, Funchal, ilha da Madeira

Categorias
    Descrição
    Monte-Kirche, in welcher sich der Sarkophag des Exkaisers Karl I von Osterreich-Ungarn befindet. Monte-church at Madeira
    Igreja de Nossa Senhora do Monte.
    Bilhete postal Madeira Views, from Wather Colour by Max Römer, Funchal, Serie N.º 3.
    Aguarela de Max Römer (1878-1960), 1925.
    Enviado por Raul da Cunha, que assina Daddy, a Norma da Cunha, em Londres, a 8 de Outubro de 1928.
    Colecção particular, Funchal.

    Engenheiros e mestres das obras reais Diogo Filipe Garcês (1737 / 1739 e Domingos Rodrigues Martins (1749 / 1754) e mestre pedreiro Gaspar Ornelas (1751 / 1754); pintores Nicolau João Ferreira Duarte (1790) e Filipe Caetano Trindade (1821); mestres entalhadores Julião Francisco Ferreira (1747) e Estêvão Teixeira de Nóbrega (1790 / 1821); estucador João Mamede Zeferino (1821); e escultor Francisco Ferreira, "o Caseiro" (1920); organeiro: G.P. Landini.
    Cronologia
    1470 - Construção da primitiva capela do Monte dedicada a Nossa Senhora da Encarnação, por Adão Ferreira, o primeiro homem que nasceu na Madeira; 1489 - inventário dos bens da capela efectuado pela Câmara do Funchal e entregues à guarda de "Diogo Rodrigues, cavaleiro, morador abaixo da dita Senhora, homem bom e abonado"; 1512 - testamento de João Adão e Leonor Gonçalves a favor da Igreja de Nossa Senhora do Monte; 1551 - referência ao 1º capelão de Nossa Senhora do Monte, padre Martim Gonçalves; 1565, 15 Jan. - testamento de António Mealheiro deixando 30$000 reis para o arcediago Amador Afonso aplicar nas suas obras de Nossa Senhora do Monte; 9 Fev. - criação da freguesia do Monte, subordinada à da Sé, pelo bispo D. Jorge de Lemos; 7 Mar. - alvará régio da criação do 1º vigário com a denominação de "beneficiado curato" e com as obrigações também de tesoureiro, com ordenado anual de 12$000 entrando nele o marco de prata das missas dos sábados pela alma do infante D. Henrique; 1568, 14 Mai. - separação da freguesia do Monte por provisão do provedor e administrador do bispado, deão António da Costa; 1574, 12 Mar. - carta régia da mercê anual de 2$000 para a fábrica da Igreja; 1577, 1 Mar. - alvará régio de acrescentamento do vigário do Monte de 2$000, um moio de trigo deputado em 6$000, sobre os 12$000 que tinha para ficar com um ordenado anual de 20$000, com a obrigação das missas dos sábados e de ensinar a doutrina aos fregueses, visto que já tinha 58 fogos; 1581, 9 Jun. - alvará régio de acrescentamento de 5$000 ao vigário para ficar com 25$000; 1589, 27 Abr. - alvará régio do acrescentamento de 2$000 ao vigário para a lavagem de roupa da Igreja; 1598, 27 Abr. - alvará comutação do ordenado do vigário de 9$000 em um moio de trigo por 6$000 e uma pipa de vinho por 8$000, para daí em diante ter 16$000 anuais, um moio de trigo e uma pipa de vinho, e mais 3$000 das missas dos Infantes, 2$000 da lavagem da roupa e 30 alqueires de trigo e um quarto de vinho para as despesas da sacristia, perfazendo tudo 21$000 em dinheiro, 1 e 1/2 moio de trigo e 1 e 1/4 pipa de vinho; 15 Jun. - alvará régio de acrescentamento de 2$000 para a Fábrica para ter 4$000 anuais; 13 Dez. - alvará régio de acrescentamento ao vigário de 30 alqueires de trigo e 1/4 de vinho para as despesas da sacristia, e de 3$000 para missas dos Infantes; 1655 - execução de novo retábulo e dos altares do Bom Jesus e de Santo Antão sob a direcção do vigário Pedro Noronha e Mendonça; 1664 - douramento do altar de Santo Antão; 1698, 26 Mar. - mandato do Conselho da Fazenda para a arrematação da reconstrução da Igreja no valor de 900$000, que não chegou a ter efeito; 1737, 4 Set. e 1739, 23 Mai. - mandados do Conselho da Fazenda para a arrematação da obra da Igreja com a base de 6:742$000; 1741, 10 Jun. - lançamento da 1ª pedra da nova Igreja; 1742, 9 Mar. - mandato do Conselho da Fazenda para a execução do lajeado e do retábulo-mor; 1748, 1 Abr. - terramoto no Funchal destruindo parcialmente a Matriz, então em obras de reconstrução cujo cruzeiro, incorporado no frontispício, "saltara fora", "fazendo-se em pedaços"; 1749, 11 Set. - mandato do Conselho da Fazenda para se reconstruir a Igreja, obras orçadas pelo mestre das obras reais Domingos Martins em 5:252$410 e arrematadas pelo mestre pedreiro Gaspar de Ornelas, por 3:099$000 réis; 1750 - instituição em todas as freguesias da ilha de confrarias "dos escravos de Nossa Senhora do Monte" para angariação de fundos para a reconstrução da Igreja; 23 Dez. - autorização do aumento de 474$580, "sem exemplo", para se poderem acabar as obras, pedido por Gaspar de Ornelas que já tinha tido de vender a casa e algum ouro da mulher e das filhas, "pelo que estava pobre e sem remédio" e, sendo examinados os trabalhos pelo mestre de obras, o mesmo "lhe reprovara várias coisas, que não eram da sua culpa, mas do terramoto"; 1754, 4 Mar. e 9 Jul. - confirmação dos mandatos do Conselho da Fazenda no valor de 3:029$730 para as obras de reconstrução; 1772 - execução em Londres pelo ourives John Carter de um conjunto de sacras e uma banqueta por encomenda de D. Guiomar Madalena de Vilhena; 1778 - descrição das festas de Nossa Senhora do Monte por Maria Riddle; 1790 - execução de uma gravura de Nossa Senhora do Monte, em Lisboa, por Francisco Gregório de Assiz e Queiroz; séc. 18, final - feitura do órgão por G.P. Landini; 1800 - execução de trabalhos para a confraria do Santíssimo pelo pintor Filipe Caetano Trindade; 1804, 21 Jul. - confirmação do padroado de Nossa Senhora do Monte sobre a ilha da Madeira pelo papa Pio VII; 1818, 20 Dez. - sagração da nova igreja pelo arcebispo de Meliapor e administrador da diocese, D. Fr. Francisco Joaquim de Meneses e Ataíde; 1821 - execução do novo altar do Santíssimo pelo mestre das obras reais Estêvão Teixeira de Nóbrega, dos estuques pelo mestre João Mamede Zeferino e do douramento e pintura pelo pintor Filipe Caetano Trindade; 1884 - colocação de azulejos no baptistério e paredes laterais identificados com "1884, Episcopado de D. M(anu)el Ag(os)t(inh)o Barretto, (sendo) Vig(ári)o F(rancis)co J(os)é d' Almada"; 1915 / 1917 - construção da actual residência paroquial sobre a sacristia; 1922, 5 Abr. - deposição do corpo do imperador Carlos de Áustria, falecido no Monte, a 1 de Abril, na capela funerária lateral; 2004, 3 Out. - beatificação do ex-imperador Carlos de Áustria pelo papa João Paulo II; 2005, 15 Ago. - inauguração de uma estátua do beato Carlos de Áustria, da autoria de Augusto Cid, nas escadarias da igreja.