Image
Arquipelago de Origem:
Florença
Data da Peça:
1532-00-00
Data de Publicação:
14/02/2024
Autor:
Agnolo Bronzino
Chegada ao Arquipélago:
2024-02-14
Proprietário da Peça:
Gallerie Palatina, Palazzo Pitti
Proprietário da Imagem:
Gallerie Palatina, Palazzo Pitti
Autor da Imagem:
Gallerie Palatina, Palazzo Pitti
Guidobaldo II Della Rovere, óleo de Agnolo Bronzino, 1532, Florença, Itália

Categorias
    Descrição
    Guidobaldo II Della Rovere,
    Depois, duque de Urbino, em 1574
    (1514-1574)
    Óleo sobre tela, 114 x 86 cm.
    Agnolo Bronzino (1503-1572), em 1532
    Trabalho que inspirou depois o retrato do filh0 Francesco Maria I della Rovere (1490-1538), pintado por Ticiano (Tiziano Vecellio, c. 1473-1575), em 1538 e depois o do neto Francesco Maria II Della Rovere (1549-1631), pintado por Federico Barocci (1526-1612), Il Baroccio, 1572 e, muito especialmente o célebre retrato de Jacopo Boncompagni (1548-1612), pintado por Scipione Pulzone, Il Gaetano (1544-1598), 1574, que no leilão da Christie's Nova Iorque, de 30 jan. 2013, lote 129, avaliado entre 1.500.00 e 2.500.000 USD subiu aos 7.586.500 USD..
    Gallerie Palatina, Palazzo Pitti (inv. 1912 n. 149), Florença, Itália.

    Bronzino, de provável origem humilde, como se deduz dos vários nomes por que foi sendo conhecido, como Agnolo Tori, Agnolo Allori, Angelo di Cosimo di Mariano ou Agnolo Bronzino, acabou por ser referenciado como Bronzino,
    El Bronzino ou Il Bronzino (Ponticelli de Florença, 17 nov. 1503; Florença, 23 nov. 1572), foi talvez um dos mais destacados representantes do Maneirismo italiano e dos mais refinados, maduros e intelectuais pintores. O apelido Bronzino não seria especialmente pelo seu escuro tom de pele, mas pelo seu carácter fechado, "como de uma estátua de bronze", como refere Vasari (1502-1572). Ganhou especial referência com a sua colaboração com Jacopo Carucci, ditto Pontormo (1494-1557), com o qual teria uma especial relação e, falecido este, passou a ser o pintor preferido dos Medici e da nobreza florentina. Faleceu na residência do pintor Alessandro Allori (1535-1607) que passou a usar também o apelido Bronzino.