Image
Arquipelago de Origem:
Fujairah
Data da Peça:
1300-00-00
Data de Publicação:
08/06/2020
Autor:
Mestre local
Chegada ao Arquipélago:
2020-06-08
Proprietário da Peça:
Departamento de Turismo do Emirado de Sharjah
Proprietário da Imagem:
Michelle C. Ziolkowski
Autor da Imagem:
Michelle C. Ziolkowski
Gravura rupestre de Al Hayl, 1.300 a 300 a.C., Emirado de Fujairah, Emirados Árabes Unidos.

Categorias
    Descrição
    Gravura rupestre de Al Hayl
    Petroglyph from Wadi al Hayl
    Mestre local, 1.300 a 300 a.C.
    Fotografia de Michelle C. Ziolkowski, 1998.
    Departamento de Turismo do Emirado de Fujairah, Emirados Árabes Unidos.

    A povoação de Al Hayl situa-se no vale da montanha de Wadi Hayl, perto dos limites do enclave de Kalba, possuindo um antigo assentamento fortificado, por vezes denominado como palácio de Al Hayl, que se articula com uma larga torre de vigia quadrangular a algumas dezenas de metros e a uma cota mais elevada. A residência fortificada é dotada na entrada de torre residencial quadrangular de 3 pisos e terraço, com janelas gradeadas no piso médio e um par de narigões na face sul, sendo o piso seguinte dotado de seteiras. O terraço é dotado de merlões, que dentro da tradição local alteiam para o lado entendido como mais perigoso. O recinto geral, de 20 por 30 metros, é murado e possui mirante aberto para o lado oposto à entrada. A torre exterior de vigia apresenta o mesmo esquema construtivo da congénere residencial, mas assente em sapata, somente com janelões na fachada do piso médio e os merlões do terraço a aumentarem igualmente sobre o cunhal mais exposto para o lado do vale, com ligeira compensação também para o canto oposto.
    O vale apresenta ocupação pré-histórica, patente na abundância de gravuras rupestres, datadas de 1.300 a 300 a.C. (c.), tal como material lítico, tendo na época islâmica sido ocupado pela tribo dos Kunud (singular Al Kindi). A inicial construção geral defensiva deve datar dos meados do XVIII e inícios do século XIX, tendo sido totalmente reconstruída, dentro da mesma tradição, por 1930, quando passou à propriedade da família dos governadores de Fujairah, do Shaikh Abdullah bin Hamdan al Sharqi, que governou entre 1876 e 1936, tal como depois reabilitada nos inícios do século XXI.
    Bibliografia: Ziolkowski & al-Sharqi (2006), Michelle C. & Abdoullah Suhail, “Bayt Sheikh Suhail bin Hamdan al-Sharqi (1)”, in Tribulus, vol. 16, 2, pp. 3-16; Ziolkowski (1998 e 2006), Michelle C. School of Archaeology University of Sydney, NSW 2006, Australia, “A study of the petroglyphs from Wadi al‐Hayl, Fujairah, United Arab Emirates (1)”, Arabian Archaeology and Epigraphy, vol. 9, maio 1998, Wiley Online Library, pp. 13-89;