Image
Arquipelago de Origem:
Belém
Data da Peça:
1200-00-00
Data de Publicação:
03/02/2021
Autor:
Artista de Khatum Melaha
Chegada ao Arquipélago:
2021-02-03
Proprietário da Peça:
Património do Emirado de Sharjah
Proprietário da Imagem:
Carlos Inácio
Autor da Imagem:
Carlos Inácio
Gravura rupestre da montanha Khatum Melaha, Idade do Ferro, sala 3 da exposição Identity and culture, Sharjah Archaeologic Heritage (UAE), 2020, Museu Nacional de Arqueologia, Lisboa, Portugal.

Categorias
    Descrição
    Gravura rupestre da montanha Khatum Melaha.
    Gravura sobre pedra, 100 x 50 cm.
    Proveniente da montanha Khatum Melaha, Idade do Ferro.
    Cronologia muito discutível, dada localmente como de 600 (c.) mas por certo muito anteriores, podendo ir para 1.300 a 2.000 a.C. (c.)
    Sala 3 da exposição Identity and culture, Sharjah Archaeological Heritage (UAE), trabalho das oficinas da Sampaio e AcriGlobal.
    Fotografia de Carlos Inácio, 5 de julho de 2020.
    Museu Nacional de Arqueologia, Complexo do Mosteiro dos Jerónimos, Belém, Lisboa, Portugal.

    A Montanha Khatum Melaha ou a montanha sagrada de Hafiya em Kalba e na divisória com o Sultanato de Omã, nos UAE, Emirados Árabes Unidos, apresenta uma enorme quantidade de gravuras rupestres, tal como recintos rituais com abundante espólio de conchas. As gravuras aparecem essencialmente na vertente nascente da montanha. Nas encostas são ainda visíveis inúmeras tocas de raposas do deserto, embora pareça uma espécie já ali extinta ou muito rara. A exposição Identidade e Cultura, Património Arqueológico de Sharjah, um dos Emirados Árabes Unidos, foi inaugurada no dia 14 de novembro de 2019, com a presença da Ministra da Cultura, Graça Fonseca e o Xeque Sultão Bin Ahmed Al-Qasimi, Presidente do Conselho de Comunicação Social de Sharjah, em representação de sua Alteza Xeque Doutor Sultão bin Muhammad Al-Qasimi, Emir de Sharjah e esteve patente ao público até ao fim do ano de 2020. Esta exposição nasceu da colaboração estabelecida entre a Missão Arqueológica Portuguesa em Sharjah (IAP/NOVA Lisboa), ali a trabalhar desde 2017 e a Autoridade para a Arqueologia daquele Emirado, assim como do pronto acolhimento dispensado pelo Museu Nacional de Arqueologia.