Image
Arquipelago de Origem:
Freguesia da Sé (Funchal)
Data da Peça:
1910-00-00
Data de Publicação:
28/10/2021
Autor:
Irmãos Trigo
Chegada ao Arquipélago:
2021-10-28
Proprietário da Peça:
Biblioteca Municipal do Funchal
Proprietário da Imagem:
Biblioteca Municipal do Funchal
Autor da Imagem:
Biblioteca Municipal do Funchal
Grande Hotel Central do Funchal em 1910, In Roteiro e Guia do Funchal dos irmãos Trigo, Funchal, Tipografia Esperança, 1910, p. 27, exemplar da Biblioteca Municipal do Funchal, ilha da Madeira.

Categorias
    Descrição
    Grande Hotel Central do Funchal em 1910.
    In Roteiro e Guia do Funchal, pelos engenheiros Adriano A. Trigo e Annibal A. Trigo, Funchal, Tipografia Esperança, 1910, p. 27, exemplar da Biblioteca Municipal do Funchal, ilha da Madeira.

    Adriano Augusto Trigo (Moncorvo, 13 nov. 1862; Lisboa, 4 ago. 1926). Filho de António Manuel Trigo e de Carolina Rosa Trigo, cursou a Academia Politécnica do Porto e a Escola do Exército, vindo para o Funchal em 1890 como chefe da direção das Obras Públicas, função que desempenhou até 1919, quando transitou para idêntica função em Macau. No Funchal trabalhou sempre em articulação com o irmão, coronel Aníbal Augusto Trigo (1865-1944), deixando uma larga obra cartográfica sobre o Funchal de colaboração com o irmão e com outros engenheiros, como Carlos Roma Machado de Faria e Maia (1861-c. 1942), embora especialmente virado para os assuntos do reabastecimento de água. Regressou à Madeira em 1925, mas retirou-se depois para Lisboa, onde faleceu.
    Aníbal Augusto Trigo
    (Moncorvo, 29 set. 1865; Funchal, 13 jul. 1944). Filho de António Manuel Trigo e de Carolina Rosa Trigo, cursou a Academia Politécnica do Porto e a Escola do Exército, vindo para o Funchal como chefe da direção das Obras Públicas, sendo depois nomeado diretor da repartição técnica da Câmara Municipal do Funchal, acumulando depois com as Obras Públicas, quando as mesmas transitaram para a Junta Geral e com a saída do irmão, coronel Adriano Augusto Trigo, que passou para uma comissão de serviço em Macau e com quem na Madeira sempre trabalhara. Deixou uma larga obra cartográfica sobre o Funchal de colaboração com o irmão e com outros engenheiros, como Carlos Roma Machado de Faria e Maia (1861-c. 1942).