Image
Arquipelago de Origem:
Lisboa (cidade)
Data da Peça:
1693-00-00 00:00:00
Data de Publicação:
20190610
Autor:
Vincenzo Maria Coronelli
Chegada ao Arquipélago:
2019-06-10 00:00:00
Proprietário da Peça:
Sociedade de Geografia de Lisboa
Proprietário da Imagem:
Mário Varela Gomes
Autor da Imagem:
Mário Varela Gomes
Globo Celeste de Vincenzo Coronelli, 1693, Sociedade de Geografia de Lisboa, Portugal

Categorias
  • Arquitectura Civil
    • Museus, Galerias e auditórios
  • Artes Decorativas
    • Ferragens
  • Bibliografia
    • Catálogos, guias e roteiros
  • Documentos
    • Lápides e inscrições
  • Escultura
    • Gesso
    • Madeira
    • Outros Materiais
  • Fotografia / imagem
    • Costumes
    • Interiores
  • Marinharia
    • Roteiros e outros instrumentos
  • Personalidades
    • Cartógrafos
    • Eclesiásticos
    • Navegadores e astrólogos
    • Ourives e prateiros
  • Pintura
    • Técnica mista
Descrição
Globo Celeste de Vincenzo Coronelli
Madeira, metal, tela, papier mâché, gesso, papel, 110 cm (globo), 70 cm (base).
Vincenzo Maria Coronelli (1650-1718), 1693.
Sala da Índia do museu da Sociedade de Geografia de Lisboa, Portugal.

Tratam-se de dois instrumentos de dimensão apreciável, cada um com diâmetro de 110 cm, construídos em 1693 por Vincenzo Maria Coronelli (1650-1718). Os globos de Coronelli, tal como tantos outros da época, rodam em torno de um eixo colocado sobre uma base de madeira e possuem dois anéis externos. Um deles, metálico, chamado anel meridiano, está fixo nos dois polos representando, pois, qualquer meridiano celeste ou terrestre. O outro, habitualmente de madeira, chamado anel do horizonte, está disposto horizontalmente. Não se sabe ao certo quem foi o primeiro proprietário destes globos que estão na Sociedade de Geografia, mas, sabe-se que apareceram em 1723, em Haia, num leilão com peças do doge de Veneza, onde o embaixador D. João Gomes da Silva (1671-1738), Conde de Tarouca, os comprou, para D. João V dizendo parecer-lhe que são bem dignos da Biblioteca Real que o soberano, na altura organizava em Lisboa. Cada globo tem o diâmetro de 1,10 m. e é suportado por uma base de madeira e metal, com a tábua do horizonte onde está aplicado o papel gravado com o Zodíaco e um calendário. Não se conhece o caminho percorrido pelos globos, desde então. Naturalmente estiveram na dita Biblioteca, situada no torreão do Paço da Ribeira e foram transferidos para o Arsenal do Exército, após o Terramoto. Ao certo, sabe-se que o geógrafo, historiador e capitão Luciano Cordeiro (1844-1900) os encontrou aí, em 1878 e que, por despacho do então ministro da guerra, foram transferidos para a Sociedade de Geografia de Lisboa, onde têm estado na chamada Sala da Índia.