Image
Arquipelago de Origem:
Santo da Serra
Data da Peça:
2021-06-24
Data de Publicação:
11/09/2021
Autor:
Campo de Educação Ambiental do Santo da Serra Eva e Américo Durão
Chegada ao Arquipélago:
2021-09-11
Proprietário da Peça:
Campo de Educação Ambiental do Santo da Serra Eva e Américo Durão
Proprietário da Imagem:
Raimundo Quintal
Autor da Imagem:
Raimundo Quintal
Gerânios-folha-de-anémona ou pássaras do Campo de Educação Ambiental do Santo da Serra Eva e Américo Durão, fotografia de Raimundo Quintal, 24 de junho de 2021, Santo da Serra, ilha da Madeira

Categorias
    Descrição
    Gerânios-folha-de-anémona ou pássaras do Campo de Educação Ambiental do Santo da Serra.
    Nome científico: Geranium palmatum.
    Nome vulgar: pássaras ou gerânio-folha-de-anémona.
    Família: Geraniaceae.
    Porte: Herbácea.
    Origem: Laussilva da Madeira.
    Fotografia de Raimundo Quintal, 24 de junho de 2021
    Campo de Educação Ambiental do Santo da Serra Eva e Américo Durão, Santo da Serra, ilha da Madeira.

    A Ilha da Madeira possui três espécies endémicas de gerânios.
    O Geranium maderense, conhecido popularmente por gerânio-da-madeira, é o mais admirado e divulgado pelas suas flores rosado-purpúreas. É uma herbácea bienal, que após a vistosa floração liberta imensas sementes e morre.
    O Geranium rubescens, também bienal, vive no ambiente húmido e sombrio do interior da Laurissilva, é pouco conhecido e nem sequer possui nome vulgar.
    O Geranium palmatum, a quem chamam pássaras ou gerânio-folha-de-anémona, é uma herbácea vivaz que tem o seu habitat no sub-bosque da Laurissilva.
    A floração desta espécie é menos exuberante que a do gerânio-da-madeira, mas tem a vantagem de ser muito mais duradoura. As primeiras flores aparecem em Março, na mesma altura das da sua congénere, mas enquanto as desta desaparecem entre finais de Maio e os primeiros dias de Junho, as pássaras poderão ser apreciadas até o início do Outono.
    No Campo de Educação Ambiental do Santo da Serra – Eva e Américo Durão continuam a alindar os taludes e as bermas dos caminhos.
    Vivam as pássaras!
    24 06 2021
    Raimundo Quintal