Image
Arquipelago de Origem:
Lisboa (cidade)
Data da Peça:
1937-00-00 00:00:00
Data de Publicação:
27/06/2019
Autor:
Henrique Medina
Chegada ao Arquipélago:
2019-06-27
Proprietário da Peça:
Museu da Presidência da República
Proprietário da Imagem:
Rui Carita
Autor da Imagem:
Rui Carita
General Sidónio Pais, o Presidente-Rei em 1918, reprodução de óleo de Henrique Medina, 1937, exposição Academia Militar, Uma Escola de Comandantes ao serviço da Pátria, 2018, antigo Paço da Bemposta, Lisboa, Portugal.

Categorias
  • Armamento e fardamento militares
    • Equipamento
    • Livros de Instrução
  • Fotografia / imagem
    • Costumes
  • Personalidades
    • Militares
    • Pintores, gravadores e douradores
    • Presidentes e governadores civis
  • Pintura
    • Óleo
Descrição
Sidónio Pais, o Presidente-Rei em 1918.
(1872-1918)
Óleo posterior de Henrique Medina de Barros (1901-1988), 1937, Museu da Presidência da República.
Exposição Academia Militar, Uma Escola de Comandantes ao serviço da Pátria, coordenação do major-general João Vieira Borges e projeto de museográfico do coronel Francisco Amado Rodrigues, 2018.
Antigo Paço da Bemposta com projeto geral de João Antunes (1642/43-1712), 1693 a 1695, com reforma nos anos seguintes.
Fotografia de 19 de junho de 2019.
Academia Militar, Lisboa, Portugal.

Sidónio Bernardino Cardoso da Silva Pais (Caminha, 1 de maio de 1872 - Lisboa, 14 de dezembro de 1918) foi o quarto presidente da República Portuguesa, sendo conhecido com o Presidente-Rei. Oficial de Artilharia e professor na Universidade de Coimbra, onde lecionou Cálculo Diferencial e Integral, defendeu ideais republicanos desde que frequentou a Universidade e numa altura em que a monarquia ainda vigorava, tendo pertencido por um curto espaço de tempo à maçonaria, embora não fosse um membro muito ativo. Depois da implantação da República, desempenhou vários cargos políticos: como vice-reitor da Universidade de Coimbra, na reitoria de Manuel de Arriaga, deputado, ministro do Fomento no governo de João Chagas, Ministro das Finanças no governo de Augusto de Vasconcelos Correia, e Ministro de Portugal em Berlim, onde se estabelece até que, em 9 de Março de 1916 volta para Portugal devido ao facto de a Alemanha declarar guerra a Portugal. A 5 de dezembro de 1917 lidera um golpe de estado, contra a presença de Portugal na guerra contra a Alemanha e, a 27 de dezembro, toma funções como presidente da República, indo a votos posteriormente. O mandato legitimado pelo sufrágio tem início a 9 de maio de 1918, mas seria assassinado no final desse ano.