Image
Arquipelago de Origem:
Coimbra
Data da Peça:
1450-00-00 00:00:00
Data de Publicação:
20181029
Autor:
Oficina coimbrã de Mestre Pero (atr.)
Chegada ao Arquipélago:
2018-10-29 00:00:00
Proprietário da Peça:
Centro de interpretação do Mosteiro de Santa Clara-a-Velha
Proprietário da Imagem:
Rui Carita
Autor da Imagem:
Rui Carita
Fragmento de fonte do Mosteiro de Santa Clara, a Velha, 1450 (c.), Coimbra, Portugal

Categorias
  • Arquitectura Civil
    • Museus, Galerias e auditórios
  • Arquitectura religiosa
    • Convento e recolhimento
  • Arte Sacra
    • Pias e fontes
  • Escultura
    • Pedra
  • Fotografia / imagem
    • Costumes
    • Interiores
  • Personalidades
    • Arqueólogos
    • Escultores e entalhadores
    • Mestres de obras reais e outros
Descrição
Fragmento de fonte do Mosteiro de Santa Clara, a Velha.
Calcário esculpido de oficina coimbrã de Mestre Pero (atr.), 1450 (c.)
Fotografia de 18 de outubro de 2018.
Centro de interpretação do Mosteiro de Santa Clara-a-Velha, Coimbra, Portugal.

A primeira fase da malfadada construção, no leito de aluvião do Mondego, foi levada a efeito por Dona Mor Dias, dama nobre de Coimbra, filha de D. Vicente Dias, sobrejuiz de D. Afonso III, pouco depois de 28 de abril de 1286, data do lançamento da primeira pedra. O convento, entretanto, seria extinto em 1311. As obras tiveram incremento somente depois de assumir as mesmas a rainha Santa Isabel (1271; Estremoz, 4 jul. 1336), que as entregou a Domingos Domingues. Falecido este por 1325, data em que a rainha ali se recolheu, estavam as obras entregues a Estêvão Domingues, em 1331 e tendo a igreja sido consagrada no ano anterior, em 1330. O convento, sucessivamente alvo das cheias do rio Mondego, veio a ser abandonado em 1677, recolhendo-se as clarissas a Santa Clara, a Nova, em zona bem mais elevada, com o principal espólio móvel. A área foi objeto de intervenção arqueológica por 1930 e, sistemática, entre 1995 e 2000, depois dotado de estruturas museológicas inauguradas a 18 de abril de 2009.