Image
Arquipelago de Origem:
Porto Santo
Data da Peça:
1724-00-00 00:00:00
Data de Publicação:
20180927
Autor:
Vários
Chegada ao Arquipélago:
2018-07-05 00:00:00
Proprietário da Peça:
Museu Quinta das Cruzes
Proprietário da Imagem:
Rui Carita
Autor da Imagem:
Rui Carita
Espólio proveniente do Slot Ter Hoodje, V.O.C., 1724 (c.), Amesterdão, Holanda

Categorias
  • Arquitectura Civil
    • Museus, Galerias e auditórios
  • Artes Decorativas
    • Cerâmica e afins, faiança e porcelana
    • Ourivesaria e prataria
  • Escultura
    • Bronze
    • Cerâmica e afins
    • Outros Materiais
  • Fotografia / imagem
    • Costumes
    • Interiores
  • Heráldica, emblemática e numismática
    • Numismática e afins
  • Marinharia
    • Personalidades
      • Arqueólogos
      • Artífices e populares
      • Ourives e prateiros
      • Proprietários e comerciantes
    Descrição
    Espólio proveniente do Slot Ter Hoodge
    Navio Slot Ter Hoodje da Companhia das Índias Holandesas, 1708 a 1724.
    Doação Robert Sténuit (1933-), 1983, Museu Quinta das Cruzes.
    Fotografia de 30 de junho de 2018.
    Casa de Colombo, Museu do Porto Santo, Região Autónoma da Madeira.

    Pertenceu ao espólio do navio holandês naufragado ao largo do Porto Santo Slot Ter Hoodje explorado pelo caçador de tesouros Robert Sténuit (1933-). Cedido temporariamente pelo Museu Quinta das Cruzes e encontra-se em exposição na Casa Colombo, Museu do Porto Santo. O Slot ter Hooge , ou Slotter, voltava em 1724 das Índias Orientais Holandesas com um importante carregamento de prata de 1.500 barras de 8 pesos de Amesterdam. Ao largo do Porto Santo, com 254 homens a bordo, enfrentou uma tempestade, afundando-se. Escaparam 33 homens que regressaram a Haia. Fez o relatório o 1.º tenente Baartel Taerlink e, um ano depois, uma equipagem inglesa comandada por John Lethbridge levantava uma parte do carregamento, então de somente 346 barras. Voltaria em 1733 e 1734, mas igualmente com modestos resultados. Em 1974, o caçador de tesouros Robert Sténuit (1933-) conseguiria autorização dos governos Holandês e Português para levantar o que restava do espólio do Slot ter Hooge. A situação levantou alguma celeuma regional, com o levantamento por aspiração de todo o material, tendo-se conseguido obrigar a equipa a depositar na alfândega do Funchal, uma parte, do material exumado. Colocado posteriormente a situação em tribunal, Robert Sténuit fez valer os seus direitos, obtendo autorização para o levantamento de todo o material. Após isso, ofereceu dez por cento do mesmo material, hoje exposto na Casa Colombo do Porto Santo. Pub. por Robert Sténuit, "The Treasure of Porto Santo", artigo da National Geographic, official Journal of the National Geographic Society, Washington, D.C., Vol. 148, N.º 2, Agosto de 1975, p. 261.