Image
Arquipelago de Origem:
Monte
Data da Peça:
1937-08-18
Data de Publicação:
29/07/2020
Autor:
Juventude Hitleriana
Chegada ao Arquipélago:
2020-07-29
Proprietário da Peça:
Elisabeth Gesche
Proprietário da Imagem:
Quinta Olavo
Autor da Imagem:
Juventude Hitleriana
Elementos da Juventude Hitleriana, por altura do 3º acampamento na ilha, de 23 de julho a 18 de agosto de 1937, Quinta Olavo, Funchal, ilha da Madeira.

Categorias
    Descrição
    Elementos da Juventude Hitleriana, por altura do 3º acampamento na ilha
    Quinta Olavo, 23 de julho a 18 de agosto de 1937.
    Coleção Quinta Olavo, Monte, Funchal, ilha da Madeira.

    Grupos de membros da Juventude Hitleriana visitaram a ilha também durante o período em que na ilha estiveram as excursões da KdF. Deste acampamento fez parte Kurt Gesche (1925-1943), filho do cônsul da Alemanha, na altura com 15 anos, que haveria de morrer, como tenente da Marinha Alemã, depois na Grande Guerra, em combate e no seu submarino, em 1943. Em vez de aqui se deslocarem na Primavera e Outono como os da KdF, vieram durante os Verões de 1935 a 1937, a convite do cônsul da Alemanha, Emil Franz Gesche (1876-1966). Eram grupos diferentes todos os anos, mas sempre acompanhados do mesmo líder, constituídos por 11 a 14 elementos, com idades de 11 a 16 anos. Paul Busch era o seu líder, o qual em todas as estadas deixava as suas dedicatórias registadas no Livro de Honra da Quinta Olavo. O primeiro acampamento realizou-se de 18 a 30 de julho de 1935, o segundo de 15 de julho a 5 de agosto de 1936, e o último, de 23 de julho a 18 de agosto de 1937. Os jovens montaram as suas tendas nos jardins da Quinta Olavo, residência do cônsul da Alemanha, onde foram recebidos durante todas as estadas na ilha. De acordo com o testemunho de Elisabeth Gesche (1924-), filha do cônsul, Emil Gesche, e Eberhard Wilhelm, estes teriam vindo de vapor, diretamente da Alemanha e desembarcado no porto do Funchal com isenção de direitos de embarque e desembarque, tanto na chegada como na partida, a pedido da Legação Alemã, por não possuírem meios financeiros para tal. Pub. Helena Paula Freitas Perneta, A Madeira e os Alemães, 1917-1939: O discurso na imprensa madeirense, dissertação de Mestrado em Ciências da Cultura orientada por Paulo Miguel Rodrigues e Anne Martina Emonts, apresentada na Universidade da Madeira, Funchal, em setembro de 2011, p. 104.