Image
Arquipelago de Origem:
Faial (Madeira)
Data da Peça:
2020-04-01
Data de Publicação:
21/06/2020
Autor:
Jardim do Tojal
Chegada ao Arquipélago:
2020-06-21
Proprietário da Peça:
Jardim do Tojal
Proprietário da Imagem:
Raimundo Quintal
Autor da Imagem:
Raimundo Quintal
Cila do Peru ou Cila Portuguesa do Jardim do Tojal, abril de 2020, Faial, ilha da Madeira

Categorias
    Descrição
    Cila do Peru ou Cila Portuguesa do Jardim do Tojal.
    Nome científico: Scilla peruviana.
    Nome vulgar: Cila do Peru ou Cila Portuguesa.
    Família: Hyacinthaceae.
    Porte: Herbácea.
    Origem: Região mediterrânea e sul de Portugal.
    Fotografia de Raimundo Quintal, 1 de abril de 2020.
    Jardim do Tojal, Faial, ilha da Madeira

    CILA DO PERU ou CILA PORTUGUESA?
    Na volta ao mundo, que estou a realizar na companhia das flores do Jardim do Tojal, detive-me junto a um núcleo de pequenas plantas bolbosas com belíssimas inflorescências de cor azul-violeta.
    Começaram a florir em março e deverão manter a exibição até ao fim de abril. Em Portugal continental chamam-lhe Cila-do-Peru ou Cebola-albarrã-do-Peru. Os ingleses conhecem-na como "Portuguese Squill", ou seja, Cila-portuguesa. Neste caso quem tem razão são os ingleses, porque esta herbácea é nativa da região mediterrânica ocidental, incluindo o sul de Portugal. Mas a confusão quanto à origem geográfica desta espécie não se cinge aos nomes vulgares. O nome científico também induz em erro.
    O médico e botânico flamengo Carolus Clusius (1525-1609) classificou-a como Hyacinthus stellatus peruanus, porque, ao que parece, os bolbos das plantas que estudou teriam sido transportados numa embarcação chamada Peru desde a Espanha, mas ficou convencido que seriam originários do território peruano na América do Sul.
    Cerca de dois séculos mais tarde, Carolus Linnaeus (1707-1778), criador da nomenclatura binominal, manteve o erro geográfico ao classificar esta espécie como Scilla peruviana, que significa natural do Peru, nome que ainda vigora nos manuais da botânica.
    Mas nesta viagem, o que me interessa mesmo, é a beleza destas flores com tépalas de cor azul-violeta e anteras douradas. Raimundo Quintal, Jardim do Tojal, 01.04.2020