Image
Arquipelago de Origem:
Terceira (Açores)
Data da Peça:
2020-00-00
Data de Publicação:
01/05/2022
Autor:
Vários
Chegada ao Arquipélago:
2022-05-01
Proprietário da Peça:
Câmara Municipal de Angra do Heroísmo e outros
Proprietário da Imagem:
Câmara Municipal de Angra do Heroísmo
Autor da Imagem:
Câmara Municipal de Angra do Heroísmo
Centro Histórico de Angra do Heroísmo, 2020, ilha Terceira, Açores.

Categorias
    Descrição
    Centro Histórico de Angra do Heroísmo.
    Sé de Angra e Complexo do palácio dos Capitães Generais
    Vista do Monte Brasil, fotografia de 2020.
    Ilha Terceira, Açores.

    No dia 1 de janeiro de 1980 ocorreu um sismo catastrófico no grupo central das ilhas dos Açores, no qual 73 pessoas faleceram e mais de 400 ficaram feridas, atingindo magnitude de 7,2 na escala de Richter e com epicentro localizado a cerca de 50 km a WNW de Angra do Heroísmo. Este sismo causou elevados danos materiais nas ilhas Terceira e de S. Jorge, e danos menores na ilha Graciosa. Mais de 15.000 edifícios ficaram total ou parcialmente destruídos. As freguesias mais afetadas foram Doze Ribeiras, Santa Bárbara, Serreta e Cinco Ribeiras, situadas na metade ocidental da ilha Terceira, e a freguesia do Topo, localizada na ponta oriental da ilha de São Jorge, onde atingiu intensidade máxima de VIII na Escala Macrossísmica Europeia (EMS-1998). O sismo de 1980 provocou um tsunami, felizmente, de fraca magnitude, somente detetado instrumentalmente pelos marégrafos de Angra do Heroísmo e da Horta, não provocando quaisquer danos.
    A UNESCO enviara logo uma comissão à Terceira entre 23 e 31 de janeiro de 1980, 20 e poucos dias após o sismo que quase destruíra da cidade, para avaliar a destruição e, em 1981 foi apresentado o projeto de candidatura. O Centro Histórico de Angra do Heroísmo, foi classificado no dia 7 de dezembro de 1983 pela UNESCO, como Património da Humanidade, pelos critérios IV e VI: a sua importância como escala de rotas marítimas e o seu papel na aproximação das civilizações.