Image
Arquipelago de Origem:
Paris
Data da Peça:
1909-00-00 00:00:00
Data de Publicação:
20150813
Autor:
Não identificado
Chegada ao Arquipélago:
2015-08-12 00:00:00
Proprietário da Peça:
Privado
Proprietário da Imagem:
Privado
Autor da Imagem:
Privado
Carlos Alexandre, conde de Lambert pilotando o biplano Wrigth, Pau, 1909, Paris, França

Categorias
  • Aviação
    • Aviões antigos experimentais
  • Documentos
    • Bilhete-postal
  • Fotografia / imagem
    • Costumes
    • Paisagens rurais e urbanas
  • Personalidades
    • Escultores e entalhadores
    • Fotógrafos
Descrição
Carlos Alexandre, conde de Lambert pilotando o biplano Wrigth.
Pau, Paris, 1909
Bilhete-postal ELD de 1910 (c.)
Paris, França.

Alexandre Charles de Lambert (1815-1865), general de cavalaria e ajudante de campo do imperador da Rússia, embora já nascido em Paris, começou por se instalar na Rua da Ponte de S. Lázaro e, em março de 1864, adquiria a Quinta das Angústias aos proprietários João António Pereira e João Gregório Rodrigues, o último, herdeiro de Maria Monteiro. Casou, entretanto com Marie Louise Marguerite de Savary Lancosme Brèves (1840-1909), filha dos conde de Lancosme Brèves, então com 25 anos, nascida em Paris, casamento ocorrido na capela da quinta, a 19 de fevereiro de 1865, com autorização de D. Patrício Xavier de Moura (c. 1800-1872), bispo do Funchal e a que assistiram, entre outros, os pais da noiva, também a residirem então no Funchal. O conde de Lambert, entretanto e com 49 anos de idade, falecia inopinadamente na sua quinta, em 1 de agosto desse ano, às 4 horas da manhã, deixando a jovem condessa grávida e numa complicada situação económica. A 4 de janeiro de 1866 era batizado oficialmente o jovem conde Carlos Alexandre (1865-1944), que havia nascido a 30 de dezembro e que, temendo-se o pior, logo fora batizado, como declara a certidão (ARM, RP, Sé, Bp. 1866, fls. 2-3). A condessa viu-se na situação de ter de pedir um empréstimo à firma russa Krohn Brothers de 12 contos para transporte do corpo do conde para Paris, até então embalsamado e depositado na capela das Angústias, tal como para reparos e outros arranjamentos na quinta, com vista ao seu futuro aluguer. A condessa e o filho saíram para França em agosto de 1867 (GUERRA, ib., p. 131), mas manteriam a posse da quinta até 1903. Entretanto, o jovem conde de Lambert, nascido nos últimos dias do ano de 1865 na Quinta das Angústias, tornar-se-ia numa das grandes figuras pioneiras da aviação internacional, atribuindo-se-lhe as primeiras experiências de construção de hidroaviões, tendo sido o primeiro aviador a sobrevoar a Torre Eiffel, o primeiro a voar na Bélgica e na Holanda, etc.