Image
Arquipelago de Origem:
Kalba
Data da Peça:
2020-11-18
Data de Publicação:
06/12/2020
Autor:
AAP
Chegada ao Arquipélago:
2020-12-06
Proprietário da Peça:
Rui Carita
Proprietário da Imagem:
AAP
Autor da Imagem:
AAP
Arqueologia em Portugal, 2020, Estado da Questão, resumos das comunicações ao III Congresso da Associação dos Arqueólogos Portugueses, Lisboa e Porto, 18 a 21 de novembro de 2020, Portugal

Categorias
    Descrição
    Arqueologia em Portugal, 2020, Estado da Questão.
    Guia e resumos das comunicações ao III Congresso da Associação dos Arqueólogos Portugueses, Lisboa e Porto, 18 a 21 de novembro de 2020, Portugal
    Dep. Legal 475571/20
    AAP-ISBN: 978-989-8970-24-4

    “A antiga fortificação de Quelba / Khor Kalba (E.A.U.). resultados de quatro campanhas de escavações, problemáticas e perspetivas futuras”, Rui Carita, Rosa Varela Gomes, Mário Varela Gomes, Kamyar Kamyab, p. 118.
    Antigo ponto de chegada das caravanas vindas do interior e do sul da Península Arábica, com conexão com as rotas litorais, tanto terrestres como marítimas, desde cedo que a antiga Quelba portuguesa, hoje Khor Kalba obteve importância nas redes comerciais e estratégicas daquela costa, situada entre dois grandes emporia, a Norte, Ormuz e a Sul, Mascate. Quatro curtas campanhas de escavações arqueológicas, efetuadas de 2017 a 2020, conduziram à identificação das ruínas da antiga fortaleza de Quelba/Khor Kalba (Emirado de Sharjah), na costa do Golfo de Omã, onde os portugueses se teriam instalado em 1624 e onde terão permanecido cerca de duas décadas. A fortificação foi construída em taipa, apenas parcialmente assente em alicerces de pedra, possuía planta de forma quadrangular, medindo 50 m de lado e era protegida, pelo menos nos dois cantos voltados para o mar, por torres de planta circular. No seu interior identificámos solos de ocupação de gesso e areia, buracos de poste de casas, fornos culinários, estruturas de combustão, lixeiras e um poço, assim como diversificado espólio, nomeadamente de cerâmicas predominantemente islâmicas, datável entre os finais do século XVI e o século XVIII (MV Gomes).