Image
Arquipelago de Origem:
Madrid
Data da Peça:
1926-00-00
Data de Publicação:
30/04/2022
Autor:
Rafael Villaseca
Chegada ao Arquipélago:
2022-04-30
Proprietário da Peça:
Privado
Proprietário da Imagem:
Privado
Autor da Imagem:
Privado
Aquisição pelo Estado Espanhol dos arquivos dos Duques de Veragua, descendentes de Cristóvão Colombo, Madrid, 1926, Espanha

Categorias
    Descrição
    El Archivo de Colón passa a enriquecer el Patrimonio Historico Nacional 
    (1451-1506)
    Duque de Veragua, El archivo de Colón (su venta a Patrimonio Nacional), Rafael Villaseca, revista Blanco y Negro, Madrid, 1926.
    1:250.000 pesetas
    Reprodução onde o documento de Cristóvão Colombo aparece impresso de pernas para o ar.
    Madrid, Espanha

    Cristóvão Colombo (Génova, cerca de 1451; Valladolid, 20 maio 1506). Indubitavelmente italiano e de Génova, este aventureiro aparece em Lisboa, em meados de agosto de 1476, estando na Madeira em 1478, como funcionário dos mercadores italianos da colónia lisboeta, Paulo di Negro e Spinola, e por conta da casa genovesa dos Centorione. Vivendo a partir de então entre Lisboa e a Madeira, casa em 1479 com Filipa Moniz (1455-1484), filha de Bartolomeu Perestrelo (c. 1394-1457), 1º capitão-donatário do Porto Santo e falecido já em 1457. No ano seguinte nascerá o seu único filho legítimo, Diogo Colon Moniz Perestrelo (1480-1526). Ao serviços dos Reis Católicos, em 1492 atingiu a América, convencido que seria a Índia e, em vez de comunicar a novidade aos reis de Castela e Aragão, foi, primeiro, comunicá-la a D. João II, conferenciando com o mesmo durante 3 dias nos arredores de Almeirim e dando origem às negociações do Tratado de Tordesilhas, em 1494. Voltará ainda à Madeira, muitos anos depois, no decurso da sua 3ª viagem à América (1498). Numa página do chamado Documento Assereto, nome do investigador que o descobriu, à direita, 8ª linha a contar do cimo, é possível ler Cristoforus Columbus civis janue, ou seja cidadão de Génova, documento de um processo sobre uma quantia que supostamente não tinha recebido de Paolo di Negro, agente em Lisboa da casa comercial de Luigi Centurione e envolvendo contas de açúcar da ilha da Madeira, mas documento que continua a levantar muitas dúvidas. Diogo Colon casará com D. Maria de Toledo (c.1490-1549), sobrinha do 3.º duque de Alba,  D. Fernando Álvarez de Toledo y Pimentel (1507-1582), que haveria de falecer no Paço da Ribeira, em Lisboa. O casal terá um filho varão, Luis Colon, nascido em Santo Domingo, ao qual Carlos V concede o título de 1º. Duque de Verágua (19/1/1537) e nomeou-o 3º. Almirante das Indias.