Image
Arquipelago de Origem:
Lido (Funchal)
Data da Peça:
1963-00-00
Data de Publicação:
21/04/2022
Autor:
Rui Goes Ferreira
Chegada ao Arquipélago:
2022-04-21
Proprietário da Peça:
Fund. Marques da Silva/Uni. Porto
Proprietário da Imagem:
Fund. Marques da Silva/Uni. Porto
Autor da Imagem:
Rui Goes Ferreira/Fund. Marques da Silva/Uni. Porto
Alçado do projeto dos balneários e da torre do Clube de Turismo da Madeira, Rui Goes Ferreira, 1963 (c.), Funchal, ilha da Madeira

Categorias
    Descrição
    Alçado do projeto dos balneários e da torre do Clube de Turismo da Madeira
    Projeto de arquitetura de Rui Goes Ferreira (1926-1978), 1963 (c.)
    Projeto de engenharia de Aires Dionísio Marques de Oliveira Pestana (1925-1972)
    Fundação Marques da Silva, Universidade do Porto, Rui Goes Ferreira, pasta 025, pd 0012, 141
    Estrada Monumental, n.º 179, Funchal, ilha da Madeira.

    A ideia de um clube onde o madeirense se pudesse sentir turista na sua própria terra, nasceu entre 1961 e 1962, no seio de alguns elementos Rotários. Para o efeito veio a ser constituída uma sociedade privada, pela qual os sócios-proprietários passaram a ter acesso ao mar e usufruir de uma série de serviços, podendo os turistas ter acesso ao clube e aos seus serviços, mediante o pagamento de uma entrada, mas não os residentes que não fossem sócios. Procurou-se, assim, uma certa demarcação de outros complexos balneares, como era e é o do Lido, de gestão camarária e de acesso mais livre. A ideia foi lançada e impulsionada por Augustin Ramos (1905-1986), nome acreditado no meio social, comercial e empresarial madeirense, fundador da mítica Casa do Turista, para além de outros empreendimentos turísticos e que veio a ser o sócio, proprietário e fundador n.º 1. A inicial comissão organizadora veio ainda a ser constituída por Joaquim Marques Ferraz Simões, n.º 2 e Óscar Saturnino Pereira, nº 3. O “slogan” para a criação da sociedade foi “Queres perder 15 contos?”, o valor estipulado para a joia, como depois contaria o fundador e o primeiro passo foi a solicitação de alvará do estatuto para o CTM, concedido pelo governo do Distrito Autónomo, a 31 de janeiro de 1962. Já então decorriam igualmente contatos para o aluguer de um prédio urbano, sobre a rocha da praia do calhau, na Estrada Monumental, n.º 179, propriedade de Cândido Cunha, depois sócio 31. A escritura de aluguer veio a ser lavrada com data de 25 de junho desse ano. Depois de iniciais obras de reabilitação, com projeto de engenharia de Aires Dionísio Marques de Oliveira Pestana (1925-1972) e, de arquitetura, de Rui Goes Ferreira (1926-1978), as instalações seriam oficialmente abertas a 8 de dezembro de 1964. Cf. Ramiro Morna do Nascimento, Clube de Turismo da Madeira. Um pouco da sua história, 1962-1997, Estrada Monumental nº 179, Funchal, 1 nov. 2016 (policopiado).