Image
Arquipelago de Origem:
Freguesia da Sé (Funchal)
Data da Peça:
1944-00-00
Data de Publicação:
18/11/2021
Autor:
Alfredo Miguéis e outros
Chegada ao Arquipélago:
2021-11-18
Proprietário da Peça:
ABM/ARM
Proprietário da Imagem:
Museu de Arte Sacra do Funchal
Autor da Imagem:
Fotografia Perestrellos
Avenida do Mar com os painéis de azulejos de Alfredo Miguéis, 1942 a 1944, Funchal, ilha da Madeira

Categorias
    Descrição
    Avenida Marginal, Funchal, Madeira.
    Avenida do Mar com os painéis de azulejos de Alfredo Miguéis.
    Cartões de Alfredo Miguéis (1883-1943), 1942 e execução da Fábrica Constança, 1944.
    Fotografia Perestrellos, 1944.
    Exposição D'Uma Estampa Antiga. Painéis de azulejos de Alfredo Miguéis para a Avenida do Mar, com curadoria de Martinho Mendes.
    Museu de Arte Sacra do Funchal, 26.06 a 21.08. 2021.
    Rua do Bispo, Funchal, ilha da Madeira.

    Pretendeu-se, com esta exposição, proporcionar aos visitantes, especialmente aos residentes, uma revisitação de memórias e vivências da antiga “Avenida do Mar”, a partir dos desenhos de Alfredo Miguéis, tema que remete para o enquadramento urbanístico da cidade do Funchal, na sua especial relação com o mar.
    Alfredo Vital Miguéis (Funchal, 23 abr. 1883; idem, 10 jun. 1943). Filho de Joaquim Francisco Miguéis e de Elisa Sara Aguiar Miguéis, frequentou a Escola Industrial do Funchal, matriculando-se na Academia Real de Belas-Artes, onde completou o curso de Pintura Histórica em 1911, tendo sido discípulo de Columbano Bordalo Pinheiro (1857-1929). Em 1911 participou com alguns óleos numa exposição na Sociedade Nacional de Belas Artes, satirizados por Francisco Valença (1882-1962), com texto de Carlos Simões, em A Sátira, revista humorística de caricaturas, ano 1, nº 4, Lisboa, 1 de junho de 1911. No ano seguinte, 1912, no entanto, recebeu o prémio do legado Visconde de Valmor, para pensionista no estrangeiro, seguindo para Madrid e Paris, vindo a participar entre muitas outras, na célebre Exposição dos Modernistas de Lisboa de 1923. Professor da Escola Industrial do Funchal, era na altura do seu falecimento vogal da vereação camarária e tendo deixado o corpo principal da sua obra à Câmara do Funchal, que veio depois a perder-se totalmente num incêndio na área da torre do palácio de São Pedro.