Coronel Cristóvão Aires de Magalhães, 1920 (c.)

Coronel Cristóvão Aires de Magalhães, 1920 (c.)

Texto introdutório:

Coronel Cristóvão Aires de Magalhães (152 e 16/1891) Fotografia, c. 1920. Arquivo Histórico Militar de Lisboa. Antigo combatente da Grande Guerra, o coronel Cristóvão Aires de Magalhães, nascido em Goa (1898; 1932), também utilizou o apelido de Magalhães Sepúlveda. Foi professor do Colégio Militar e da então Escola Militar, assim como inspector nacional do Ensino Secundário e jornalista, tendo sido redactor do Jornal do Comércio e Jornal das Colónias, Novidades, Notícias de Lisboa, Diário de Notícias e O Século, tendo ainda sido presidente do Sindicato dos Profissionais da Imprensa, até à sua extinção pelo Estado Novo. Também crítico teatral, escreveu para o teatro a revista Fogo de Vista, de colaboração com o célebre olissipógrafo Gustavo de Matos Sequeira (219/1890) e José Maria Pereira Coelho (56/1886), ambos ex-alunos do Colégio. Veio a ser autor de uma das mais importantes obras de História Militar: a História Orgânica e Política do Exército Português, que com as suas Provas, contabilizou uma edição de 17 volumes, entre 1898 e 1932, tendo saído o último volume já depois do seu falecimento.