Procura:
 
  Banco de Imagens
  Ordenação: Ordem Alfabética / Data Crescente
/ Data Decrescente



  Nome:  Remate do cunhal nascente, 1880 (c.), Palácio Lavradio, Lisboa, Portugal
  Descrição:  Remate do cunhal nascente do antigo palácio dos Tribunais Militares
Oficina de Lisboa, 1880 (c.).
Antigo palácio dos marqueses do Lavradio.
Direcção dos Serviços de Engenharia, Campo de Santa Clara, Lisboa, Portugal.

Foi D. Tomás de Almeida, primeiro cardeal patriarca de Lisboa que querendo enobrecer o solar dos seus antepassados, em 1745, segundo provável traça do arquiteto João de Ludovice, mandou erigir, sobre umas casas mandadas edificar no século XVI por descendentes de D. Francisco de Almeida, 1.º vice-rei da Índia. O palácio, entretanto, deve ter tido direção de obras do arquiteto Manuel da Costa Negreiros, falecido em 1750 e que trabalhara no Palácio Barbacena, logo ao lado deste. O palácio foi logo doado ao seu sobrinho, vice-rei do Brasil, D. António de Almeida, 1.º marquês do Lavradio e que permaneceu na família até ir à praça em 1875.
Cronologia:
1745 - início da construção do palácio por D. Tomás de Almeida (1670 - 1754), 1º cardeal patriarca de Lisboa, em terrenos que adquirira a seu irmão, D. Luís de Almeida Portugal, 3º conde de Avintes (1669 - 1730), tendo feito demolir a residência familiar que neles existia, concluído o palácio o cardeal patriarca doou-o a seu sobrinho, também conde de Avintes, 1º marquês do Lavradio e vice-rei do Brasil, D. António de Almeida Soares Portugal de Alarcão Eça e Melo (1701 - 1760); 1755 - o palácio sofreu danos pouco significativos com o terramoto; 1770; - o palácio é dotado de painéis de azulejos com paisagens campestres copiadas de gravuras francesas; 1790 a 1800 - revestimento azulejar polícromo setecentista dos muros, atribuível à Real Fábrica do Rato, provavelmente orientados por Francisco de Paula e Oliveira, em com a representação das armas dos marqueses de Lavradio, de vermelho, com uma dobre-cruz acompanhada de 6 besantes, tudo de ouro e bordadura do mesmo; 1865 - a Câmara Municipal de Lisboa fez ajardinar o terreiro diante do palácio; 1874 - o palácio foi à praça, por morte do 5º marquês, D. António de Almeida Portugal; 1875 - aquisição do palácio pelo Estado (por 15.300$000 réis) e início de obras de adaptação necessárias à instalação dos tribunais militares no edifício (designadamente a transformação da capela em vestíbulo para as dependências do Supremo Tribunal Militar) e redecoração de alguns compartimentos com estuques e medalhões com figuras da História de Portugal (dados de Teresa Vale e Carlos Gomes 1995).
  Arquipelago de Origem:   Lisboa (cidade)
  Data:  1880-00-00
  Autor :  Oficina de Lisboa
  Chegada ao Arquipelago:  2004-08-06
  Proprietário da Peça:   Direcção dos Serviços de Engenharia
   Proprietário da Imagem:   Rui Carita
   Autor da Imagem:   Rui Carita
  
Classificação da Imagem
 
Escultura
    - Outros Materiais
 
 
Documentos
    - Fotografia
 
 
Arquitectura e Engenharia Militares
    - Instalações





[409 arquip�lagos, 31 visitas guiadas, 297 personalidades, 899 entradas de dicion�rios e artigos, 258 aulas online]
[Total: 75847 imagens e 10715 textos]
Valid HTML 4.01 Frameset Valid CSS!